Cancro mata mais de 20 mil pessoas por ano em Portugal

| País

Mais de 40 mil novos casos de cancro surgem em Portugal, todos os anos, e mais de 20 mil pessoas morrem devido a esta doença, revelou hoje um especialista, alertando para a importância do diagnóstico precoce.

Sérgio Barroso, diretor do Serviço de Oncologia do Hospital do Espírito Santo de Évora (HESE), considerou "muito importante que as pessoas estejam informadas e recorram precocemente aos serviços de Saúde", para serem diagnosticadas.

"A maioria dos cancros, se for detetada de forma precoce, é tratável e curável. Só se forem detetados numa fase muito avançada" é que "as coisas são mais complicadas" e "muitos deles" tornam-se "incuráveis", avisou.

O especialista falava à Agência Lusa à margem dos Encontros Oncológicos da Primavera, que decorrem em Évora, até domingo, e vão na 8.ª edição, sendo organizados pelo Serviço de Oncologia do HESE.

Trata-se de "uma das principais reuniões oncológicas a nível nacional", frisou, explicando que a iniciativa junta cerca de 720 profissionais da especialidade, médicos e não médicos, e oradores portugueses e estrangeiros.

Os participantes estão a debater atualizações científicas e temas ligados aos vários tipos de cancro, com especial enfoque nos "mais frequentes, como o do cólon e do reto, da mama, da próstata e o melanoma (da pele)".

"Vamos também falar de alguns tumores mais raros e da área dos cuidados paliativos para os doentes oncológicos", acrescentou Sérgio Barroso.

Segundo o especialista, a incidência do cancro "tem vindo a aumentar" em Portugal e, todos os anos, surgem "mais de 40 mil novos casos e mais de 20 mil pessoas morrem" devido aos vários tipos desta doença.

"Tem vindo a aumentar a incidência porque tem subido o número de alguns tipos de cancro", destacou.

Quanto à mortalidade, ao longo dos anos, em alguns casos "tem vindo a diminuir", mas noutros "mantém-se mais ou menos estabilizada, dependendo dos tipos de tumores".

"Mas este diferencial tem a ver também com as atitudes terapêuticas que são tomadas", ou seja com os novos tratamentos e fármacos que vão surgindo no mercado, acrescentou.

No que toca ao Alentejo, aparecem na região "entre 2.000 a 2.500 novos casos de cancro", anualmente, e "morrem mais de mil doentes", referiu ainda o especialista.

Sérgio Barroso destacou ainda que o Alentejo é uma das regiões, juntamente com o Centro, que tem "a funcionar o número mais elevado de rastreios" para detetar precocemente o cancro, mais precisamente três: cancro do reto, da mama e do colo do útero.

Outro dos objetivos dos Encontros da Primavera é, precisamente, mostrar o que se faz na área da Oncologia no Alentejo, em que o HESE é a instituição de referência, estando "ao nível dos grandes centros do país", afiançou.

Tópicos:

Encontros Primavera, Encontros Oncológicos, Oncologia,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Na primeira entrevista pós-autárquicas, à Antena 1, Jerónimo de Sousa não poupou nas palavras. Afirmou que o "Governo ficou mal na fotografia e subestimou a situação" dos fogos.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Acionar o artigo 155 da Constituição espanhola representa um momento único na História de Espanha. O Governo de Madrid já definiu os setores que quer controlar de imediato.