Portugal no terceiro lugar do "ranking" FIFA

| Futebol Internacional

Portugal está no pódio das seleções mundiais de futebol
|

A seleção nacional de futebol chegou hoje ao lugar mais alto de sempre da sua história no "ranking" FIFA, o terceiro lugar, igualando o feito alcançado em abril e maio de 2010.

Para a proeza atual - à frente dos portugueses estão somente as seleções nacionais de Espanha, campeã europeia, e Alemanha, semi-finalista do Euro, tal como o conjunto luso - contribuíram as duas vitórias da formação de Paulo Bento, Cristiano Ronaldo e companhia nos dois primeiros jogos de qualificação para o Mundial-2014, com Luxemburgo (2-1) e Azerbaijão (3-0).

Antes, o melhor que Portugal conseguiu foi chegar ao quarto lugar. Aconteceu em março de 2001, entre novembro de 2001 e fevereiro de 2002, em março de 2010 e, agora, em setembro passado.

Refira-se a ausência do Brasil no top-10 - aliás, a canarinha aparece na pior posição de sempre desde que existe o ranking FIFA, o 14.º lugar.

A atualização de Outubro tem muitas novidades. A Argentina, por exemplo, saltou três lugares e subiu ao quarto posto, enquanto a Colômbia de James Rodríguez e Falcao entrou no top-10, dando um salto de... 13 posições.

Em nota final, um registo para a Grécia de Fernando Santos, que voltou a estar entre as dez melhores seleções.

Eis o "ranking" atual:

1. (1) Espanha, 1611
2. (2) Alemanha, 1459
3. (4) Portugal, 1259
4. (7) Argentina, 1208
5. (3) Inglaterra, 1196
6. (8) Holanda, 1141
7. (5) Uruguai, 1140
8. (6) Itália, 1106
9. (22) Colômbia, 1102
10. (11) Grécia, 1029

A informação mais vista

+ Em Foco

A capital portuguesa é cada vez mais um lugar de turismo. E, de ano para ano, o comércio tradicional tem vindo a transformar-se.

    O maior estudo genético de europeus da pré-história revela que populações inteiras tiveram de migrar ou desapareceram para sempre. E durante a maior parte da sua história os europeus foram negros.

      Apenas cinco por cento da quantia total dos dois primeiros programas de assistência a Atenas tiveram como destino os cofres do Estado. O restante foi parar às mãos dos credores.

        Completam-se agora 100 anos sobre o início da beligerância portuguesa. Uma data assinalada pela RTP com a publicação online dos seus mais significativos materiais de arquivo sobre o tema.