Sporting contra o sistema, recorda Bacelar Gouveia

| Futebol Nacional

Exclusivo
Bacelar Gouveia promete lutar contra o sistema
|

O presidente do Conselho Fiscal (CF) do Sporting, Bacelar Gouveia, em entrevista à Antena 1, insurge-se contra os erros de arbitragem que sempre prejudicaram o clube e diz que o Sporting se deve indignar contra tal situação.

O dirigente em declarações ao jornalista Nuno Matos expressou a opinião de que "historicamente o Sporting é uma equipa que tem sido muito prejudicada com erros e a má vontade de certos árbitros contra o clube... o Sporting deve reafirmar a sua indignação pelos erros dos árbitros até porque é um clube contra o sistema".

O novo elemento dos órgãos sociais do clube de Alvalade considera essencial que "os sportinguistas confiem na direção que está a fazer o seu trabalho. É um trabalho de negociação. É preciso encontrar uma solução para os problemas que possa dar tranquilidade ao clube e deixar para o passado um conjunto de erros de gestão".

Sobre o presente o líder do CF fez a sua leitura ao afirmar que "Bruno Carvalho está a mostrar a diferença em relação àquilo que se tem vivido no Sporting, com as decisões a serem tomadas à sucapa e na penumbra em que ninguém conhecia as razões das decisões. Por exemplo as contratações eram inexplicáveis e esta vitória (em Braga) dá o tom de uma viragem na dinâmica desportiva do Sporting".

Sobre o futuro imediato admitiu que o presidente da direção "vai ter que tomar decisões difíceis que podem não agradar a certas pessoas ou interesses instalados. Os verdadeiros sportinguistas esperam que essas decisões sejam tomadas rapidamente".

No âmbito desportivo com a equipa arredada da discussão do título de campeão, resta lutar pelo acesso a um lugar nas competições da UEFA da próxima época. Na opinião de Bacelar Gouveia será uma tarefa difícil: "Vamos esperar que a equipa ganhe novo ânimo e um novo impulso. Depende da conjugação de resultados mas seria importante que o Sporting pudesse lá chegar".


A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.