Posiçao Corrente: minutos e segundos
Ir para o Minuto:
Play - O Sábio

O Sábio

09 Jan, 2017 | Episódio 6

Romão nervoso aponta a arma à cabeça de Pedro, que lhe pede para conversarem com calma. Romão profere ameaças. Pedro explica que já não é uma ameaça para ele, que o crime cometido por ele já prescreveu, e que já não corre o risco de ser condenado pela morte de Carlos Pacheco. Romão nega ter cometido o crime.
Pedro diz que voltou para estar junto de Sofia. Romão diz-lhe que é pai quem cria, e por esse motivo é ele agora o pai de Sofia. Pedro, muito calmo, responde-lhe que só desapareceu para não ser morto. Entretanto chega Jacinto, que se mostra surpreso por ver ali Romão. Pedro e Romão disfarçam a tensão.
Manuela conversa com Graça, pede-lhe que acelere a revisão do seu livro, pois o momento é propício ao seu lançamento. Explica-lhe que Pedro Homem está de regresso a Montemor e que ele representa uma concorrência muito poderosa. Graça, ingenuamente, comenta que se deviam unir em vez de serem concorrentes. Manuela corta a conversa dizendo que se odeiam.
Rita vai ter com Sofia à farmácia e conta-lhe que se zangou com a mãe e avó. Afirma que gostava de ser como Sofia e quebrar as regras. Sofia diz que não se reconhece nesse papel, mas Rita mostra-se orgulhosa da irmã ter tido a coragem de não aceitar o pedido de casamento.
Luís diz a Felícia que está cansado de procurar trabalho. Ela tenta anima-lo e diz-lhe que faz muita falta na herdade. Rogério chega enervado porque alguém, encaixotou a alfazema que nem sequer estava seca. Luís admite ter sido decisão sua. Rogério atinge um tom bastante desagradável na conversa e Felícia chama-lhe a atenção.
Romão pede a Gil que mantenha a sua atenção em Pedro, pois ainda não percebeu o que o trouxe verdadeiramente de volta. Romão avalia o orçamento para a reconstrução resultante do fogo, irritado com a exorbitância do valor, e pede a Gil para tentar que seu pai altere o relatório de forma ao seguro entrar com as despesas. Gil afirma pouco poder fazer devido à sua com o pai para aceder a tal pedido. Arnaldo chega com um leitão nos braços, explica a Romão que o encontrou no dia do fogo, e que gostaria de o comprar. Romão diz a Arnaldo que o oferece aos bombeiros, pede-lhe que transmita ao comandante Valentim que é um presente seu, mas que lhe resolva a questão do relatório. Arnaldo agradece e confirma que ira transmitir esse recado ao comandante.
Jorge e António conversam acerca do fogo. António defende que foi merecido mas Jorge acha que não é dessa forma que vão resolver os problemas das descargas e que foi de uma enorme irresponsabilidade porem em perigo as pessoas, os porcos e o posto de trabalho de dezenas de pessoas.
Jorge chega atrasado ao quartel dos bombeiros e segue logo para a consulta. Evelina, em gozo, comenta com Domingos, que um dia vai fazer uma table dance a Jorge. Domingos alerta Evelina de que pode partir a mesa, por estar roliça. Evelina fica chocada com o comentário e Domingos ao aperceber-se que Evelina quer conquistar Jorge, prontifica-se a ser seu personal trainer.
Felícia está preocupada com Carmen, pede-lhe que não se deixe abater novamente pelo Pedro Homem, que ele não a merece. Carmen pede a Felícia que a deixe sozinha e guarda numa caixa uma fotografia dela e Pedro no tempo em que namoravam. Retira outra fotografia da caixa, que lhe traz outra recordação, o momento em que Pedro lhe colocou uma coroa de flores na cabeça, ajoelhado aos seus pés, e do beijo que trocaram. A esta memória segue-se nova procura dentro da caixa, onde estão várias cartas de Pedro. Carmem não resiste a ler e as declarações de amor de Pedro ecoam na sua cabeça. De tal forma, que Carmen lança a caixa e as cartas para o sofá, como se a estivessem a queimar.
Arnaldo agradece a Rogério a ajuda pelo atestado médico, graças a ele já é estagiário nos bombeiros. Rogério dá-lhe os parabéns. Rogério comenta com Luís que o atestado é meio aldrabado, que Arnaldo é cego que nem uma toupeira. Luís confidência a Rogério que começa a achar piada a Montemor e que al Pedro Homem acabou de regressar à cidade onde nasceu e onde passou a maior parte da sua vida (Montemor-o-Novo). Mas de onde desapareceu sem deixar rasto e esteve misteriosamente ausente durante 20 anos.
As razões do seu desaparecimento foram sempre alvo de especulação. Pedro era uma figura popular na cidade, conhecido por fazer as pessoas olharem para a vida por outra perspetiva - e com isso gerou milagres que sempre recusou serem da sua responsabilidade. Na verdade, Pedro tem um dom inexplicável: por vezes vê o futuro. Mas as visões do futuro podem ser simultaneamente uma bênção e uma armadilha. Pedro é, aliás, o exemplo disso: quando ainda jovem, vê a sua namorada, Carmen, vestida de noiva num caixão, com um anel de noivado que perceciona ter sido dado por ele. Como se o destino o avisasse que nunca poderiam viver juntos, talvez por sentirem um amor maior que o mundo.
Pedro acaba por se envolver, já jovem adulto, com Manuela, e tem uma filha com ela. Mas vive então momentos tempestuosos e recebe uma séria ameaça de morte. Para sobreviver, tem de abandonar Montemor - perdendo o contacto com a filha de 5 anos, Sofia. Parte sem dizer nada a ninguém porque não conseguiria explicar uma outra visão que marca a sua vida: o coração dele e da filha estão ligados por um laço especial do destino. Se aquela ameaça de morte se cumprisse e ele morresse, a sua filha morreria também.
Porque voltou Pedro agora? Pela filha? Por Carmen? Por ele próprio?
Montemor-o-Novo está diferente, nestes 20 anos muita coisa mudou. Manuela é entretanto uma taróloga famosa. Carmen explora uma quinta de produção biológica. Sofia é farmacêutica.
Mas há coisas que se mantêm: o Clube de pesca onde os velhos amigos de Pedro ainda se reúnem, o quartel de Bombeiros onde estão sempre prontos os soldados da paz mais divertidos do país e a influência subterrânea e maliciosa de Cândida, a chamada ?bruxa do Alentejo? e mãe de Manuela.
O Sábio é uma estória passada numa cidade antiga e sábia, grande o suficiente para guardar muitos segredos que vão agora ser revelados.