Osvaldo Cabral

Autarcas festivaleiros e outros devaneios de Verão



Quem fez férias cá dentro, como eu, por estas ilhas acima, espanta-se com o potencial de cada uma delas e o paradoxo de todas se encaminharem rapidamente para a desertificação.
E a demografia é suficientemente cruel para matar qualquer coesão.
O rotundo falhanço do projecto "Ilhas de Coesão" não passou de um belo sonho, que se reflecte nos lastimosos indicadores de Índice Sintético de Desenvolvimento.
Estamos em último em quase tudo, incluindo, claro, na Coesão.
Valha-nos os festivais de música de Verão, uma sinfonia política fúnebre que nos extasia até ao acto eleitoral seguinte.
Nunca se viu cartaz artístico tão forte e caríssimo, por estes concelhos fora, como este ano.
Para lá das carências em saneamento básico, caminhos, apoio a habitantes com graves necessidades sociais, os festivais são um veraneio entorpecimento, como pregar gelatina à parede.
Há-de haver candidatos autarcas a pensar que, depois das eleições, vão ser programadores de casas de espectáculos...

MERGULHO DE CABEÇA - A meio de um mergulho nas águas tépidas da Poça das Mujas, chamam-me a atenção de que as necessidades globais de financiamento do famoso sector público empresarial da Região, até 2020, deverão rondar os 2 mil milhões de euros.
Nada que preocupe as nossas gentes.
A grande dificuldade foi escolher o luxuoso cartaz artístico do Verão.
Até uma associação ligada às pescas - sector que dizem estar de pantanas - contratou artistas internacionais a peso de ouro.
Se a dívida global do sector público regional vai nos 1,6 milhões de euros (quase 50% do PIB), por que razão não se deve estourar o que resta em "violas e brasileiras", como dizia um célebre governante...

QUIZ DE VERÃO - Qual é a empresa pública regional que alcançou esta proeza inimaginável de, em apenas um ano, crescer o seu passivo 10 vezes?!
Passou de 1,3 milhões de euros para 13 milhões e, apesar da onda de subsídios, avales, cartas de conforto e outra maquilharia, ainda ficou a dever 128 mil euros ao fisco e à segurança social?
Uma ajuda: tem mais de uma centena de funcionários e devia à banca mais de 6 milhões de euros para compra de terras na lagoa das Furnas.
Agora, passado mais um Verão, vejam como está a água da lagoa...

FANTASMAS - O PSD está transformado num partido de fantasmas. O 'walking dead' deste Verão foi o regresso de Cavaco e de Relvas, a juntarem-se a um líder com epitáfio marcado para depois de 1 de Outubro.
Não há ressurreição que resista.

VELHADA - Há dirigentes no PCP que vivem no país errado. Deviam emigrar para a Venezuela e Coreia do Norte, países que tanto elogiaram neste Verão.
Poupavam-nos na segurança social.
E no disparate político.

MINISTROS OU RAPAZES? - O Verão foi bastante quente e ajudou a queimar alguns ministros. Depois da ministra dos incêndios, tivemos agora um outro que nem sabe se houve ou não assalto a Tancos.
De permeio, deu mais gozo a polémica à volta dos cadernos para os meninos e para as meninas.
No próximo Verão o ministro vai recomendar que se retirem as placas dos urinóis indicando "senhores" e "senhoras".
Se tem que ser igual para todos...

ACIDENTE DE PERCURSO - Por cá, temos um governante com uma versão desculpável mais clara. O tecto do antigo cinema do aeroporto de Santa Maria, que esperava uma intervenção há quase quatro anos, acabou por ruir.
Para o Secretário da Educação, foi um "acidente de percurso".
É tudo um "acidente de percurso": o Museu Carlos Machado, a Biblioteca de Angra, o Centro de Artes Contemporâneas e há-de ser na famosa Casa da Autonomia.
O Presidente do Governo, que se queixou das "perturbações e incómodos" com a operação da SATA este Verão, deveria aprender com Avelino Meneses.
É tudo um "acidente de percurso".
Até alguns governantes...

AÇUCARADO - A 22 de Março de 2016 o Conselho do Governo Regional dos Açores, reunido em Ponta Delgada, decidiu autorizar a concessão de um aval à SINAGA, no valor de 4 milhões e 845 mil euros, "tendo em vista a reestruturação financeira da empresa sem aumento de endividamento líquido".
Tudo reestruturado, da chaminé da fábrica só sai fumo negro.
Mau prenúncio.

Continuação de um bom resto de Verão.

Verão de 2017
Osvaldo Cabral