Comunidades

Carlos Enes - A GALOPE NUMA NOITE DE BÚZIOS (INÉDITOS)

Carlos Enes - A GALOPE NUMA NOITE DE BÚZIOS (INÉDITOS)








A GALOPE NUMA NOITE DE BÚZIOS (INÉDITOS)

O mar será sempre teu, por mais que a maré se revolva. Assim queiras mergulhar às lapas, de saco atado à cintura, para colher as algas que ficaram suspensas no sonho.

Cuidado, não rasgues o pulso num bico de craca. As feridas de água salgada levam séculos a sarar. Ardem em silêncio, latejam noites inteiras, choram por dentro da alma, sangrando de dor inconsolável.

Não te assustes se o vires ficar encrespado pela madrugada. É apenas uma manifestação de adolescente inconsolado. Um anseio de quem já não sabe a cor do sexo quando se espreguiça, o calor de uma boca a refrescar-se no beijo.

Embriagado, não desiste de perseguir a luz intensa de um sorriso, cujo nome a memória converteu em saudade.

Uma saudade que não se apaga com a goma do tempo, não se raspa nem tritura entre a língua do desespero.
A saudade sou eu em carne viva, suplicante, à procura da sombra que já fui.

# # #

As estrelas podem testemunhar: fui eu quem mandou silenciar o vento e embalar os bramidos da chuva. Domei o relincho agreste dos cavalos, o galope desordenado das gazelas, a crispação dos pinheiros.

Em noite de búzios, anseio entender a mimica dos mortos, o murmúrio das almas a latejar de sede no púcaro do eterno descanso.

Com eles, quero decifrar o silêncio da areia a escapar-se por entre os olhos, como se os dedos fossem a peneira por onde passaram todas as alegrias que o destino desviou do meu caminho.

# # #

O reflexo da minha imagem ondula na chávena do café. Bebo-me sem açúcar, em goles suaves. De olhos ausentes no infinito, aprecio o meu sabor aromático dos trópicos. Nunca me imaginei tão cremoso e suave na textura.

Numa onda de prazer, desfruto ao ínfimo pormenor a minha intimidade, até então desconhecida. Que loucura, esta infidelidade trespassando o meu eu despudorado a aproveitar-se de mim, como se fosse uma virgem oferecida. 
 
# # #

a beleza da luz revela-se no encontro com a penumbra

#

o aprendiz penteia as palavras como se fosse dia de procissão

#

o azedume das sílabas torna os dentes careados

#

só os lábios conseguem unir caminhos paralelos

#

se o corpo pensa em capitular obriga a mente a recapitular

#

aprende a ler a cegueira para que se faça luz na palavra

#

seios adolescentes respiram o balanço da luz pela madrugada

#

sol que se deixa tapar pela peneira não merece ser astro-rei

#

lavar os dentes à palavra afasta o escorbuto da conversa

#

a alfabetização das traças originou o aparecimento do livro branco

#

soprar o lume com uma palhinha faz cócegas na labareda

#

uva de casca fina dá vinho encorpado pela madrugada

#

corpo coberto de silogismos não serve de pastagem à língua

#

a função obscena do poeta é deixar a metáfora a suspirar



Carlos Enes



Enes, Carlos Manuel Pimentel, professor do ensino secundário e superior, investigador de temas de história açoriana. Natural de Vila Nova, ilha Terceira, Açores.       








Carlos Enes