Comunidades

Rodrigo de Haro: artista de dois séculos por Moacir Pereira

Rodrigo de Haro: artista de dois séculos
por MOACIR PEREIRA (*)

Com uma atuação que o coloca como um dos mais criativos e produtivos dos artistas de Santa Catarina, em todos os tempos, Rodrigo de Haro completa hoje 80 anos com a mesma disposição para o trabalho.

Nascido em Paris, onde seu pai, o consagrado Martinho de Haro se encontrava estudando no início da 2a. Guerra Mundial, veio para Santa Catarina, fixando-se com a família em São Joaquim. Jovem mudou-se para Florianópolis onde conviveu com as brilhantes e irriquietas cabeças do mundo artístico e cultural.

Seguiu o exemplo do pai e logo conquistou prêmios estaduais e nacionais por suas pinturas e poemas. Fez sucesso em São Paulo e no Rio de Janeiro. De regressou a Florianópolis fixou residência no casario do Morro do Assopro, ao lado da Igreja Nossa Senhora da Conceição, na Lagoa, onde mantém seu atelier. Viveu sempre entre clássicos da literatura mundial, que lê na língua original, entre centenas de filmes clássicos e entre pinturas, esculturas e mosaicos.

É um dos mais completos intelectuais do Estado e considerado o mais erudito dos catarinenses.

Nesta entrevista fala dos novos projetos.

*
Que significado chegar aos 80 anos com tanto sucesso?

Sinto um certo constrangimento. Não há privilégio em completar uma data tão avançada. Digamos que significa repetir 20 anos quatro vezes. Permite continuar meu trabalho, tendo a felicidade de uma companhia maravilhosa, numa casa em que todos trabalham e criam com arte e criatividade doméstica artesanal, com meu amigo Idésio e espaço para o trabalho. Tenho que agradecer o carinho com que sempre fui tratado e o amor recíproco que existe entre o Rodrigo de Haro e a Ilha de nossa Santa Catarina de Alexandria. Os 80 anos não representam arrefecimento, mas expansão da criatividade.



E a opção pela Lagoa da Conceição?

Creio que fui guiado pelo destino. A casa já pertencia a meu pai. Sou apaixonado pela Lagoa e pela Ilha. A Lagoa tem este tom idílico que ainda permanece, apesar do crescimento desordenado. Há esta Lagoa da meditação, de conversa os ares noturnos. É uma felicidade viver aqui.



Quais são os projetos apos os 80?

É continuar criando e produzindo, enquanto Deus me der força. Tenho, por exemplo, muitos livros para publicar. Estão próximos o “Balão Colorido”, a “Lanterna Mágica”, “Arias para bandeira e sombra”.



Na área artística?

Elas se interprenetram. Meus livros são sempre ilustrados. Eu comecei muito cedo. Meu primeiro livro “30 Poemas”, com desenho da capa criado por me pai, foi editado quando eu tinha apenas 20 anos. A prioridade agora é na área dos mosaicos, que tem sido mais representativo. O mosaio é dupla, equipe. Tenho tido a colaboração, há mais de 20 anos, com o idesio Leal. Agora, na idade canônica, tenho condicões de continuar trabalhando com a colaboração do Idésio Leal, jovem e criativo artista do maior valor. A última realização foi as “Cartas de Tarot”, na Pedra Branca, com apoio da família Gomes. Espero, ainda, fazer muito. Temos projetos na Universidade Federal o mural da Reitoria e na Lagoa da Conceição.


Como você descobriu Santa Catarina de Alexandria?

Muito cedo. Ela me cativou sempre desde que a conheci uma pintura portuguesa muito antiga muito rica. Veja a importância da imagem e da arte. Lá, a presença de Santa Catarina era permanente. Ela é a primeira Santa da Igreja Católica, logo depois de Maria. Ela representa o feminino, o luminoso. Fui crescendo e apreciando cada vez mais. Ela é padroeira dos navegadores, dos pensadores, dos poetas, das costureiras, dos libertadores.


Sobre o Autor: Moacir Pereira. Jornalista, escritor. Suas obras incluem desde a crônica política e cultural aos ensaios biográficos de grande relevância para a historiografia catarinense.
Fundador da ACI,Associação Catarinense de Imprensa, pertence ao IHGSC e é atualmente ice Presidente da secular Academia Catarinense de Letras.
Assina coluna "Moacir Pereira" no Diário Catarinense, sendo reproduzida em vários jornais da imrensa regional. Um dos mais reputados comentaristas políticos do Sul do Brasil.