Cultura

Instituto Açoriano de Cultura homenageia Álvaro Monjardino (Vídeo)

O primeiro Presidente da Assembleia Legislativa construiu uma carreira singular ligada à política, à história e à advocacia e esteve na génese da classificação da cidade de Angra do Heroísmo, como património mundial da UNESCO.

O regresso ao passado reaviva a memória de um menino-prodígio nascido num meio conservador, descendente dos Corte-Reais e de uma família italiana.

Álvaro Monjardino fez da advocacia a sua profissão, mas não por vontade própria.

Foi o gosto pela história que fez do advogado um investigador nos tempos livres.

Foi o primeiro presidente da Assembleia Regional e fez parte do IV Governo Constitucional como ministro-adjunto.

O seu nome está também ligado à autonomia. É um dos principais autores do primeiro estatuto político-administrativo.


Do legado deixado à cidade berço, há um feito que se destaca: o processo de candidatura de Angra do Heroísmo à lista do património mundial. Um capítulo que, somado a tantos outros, levou o Instituto Açoriano de Cultura a prestar homenagem em livro a uma figura singular.

Duarte Pinheiro, colega de profissão, coordena a obra que reuniu uma dezena de artigos.

RTP/Açores