Economia

Consórcio dos ATR poderá apresentar recurso

O consórcio responsável pela construção dos aviões ATR, poderá interpor um recurso contra a decisão do governo açoriano, por adquirir aviões à Bombardier

Consórcio dos ATR poderá apresentar recurso
Numa carta enviada ao presidente do governo, Carlos César, o director de vendas da ATR lança fortes críticas à opção da SATA.

Alegadamente-afirma-porque foram alteradas as regras do concurso, beneficiando um dos concorrentes.

Na missiva enviada ao governo, o director de vendas da ATR admite bloquear o processo de compra dos aviões DASH,por parte da companhia aérea açoriana.

Pier Luigi Baldacchini alega que a SATA e o governo regional não impuseram as mesmas regras para os dois concorrentes.

E, tudo isto porque permitiu a compra de 4 aviões DASH 400 novos e dois do tipo 200, já usados, quando o governo sempre insistiu que todos os aparelhos tinham de ser novos e ainda que teria de ser aquirido um único aparelho que pudesse operar em todas as ilhas, incluíndo o Corvo.

A ATR lembra que, em Setembro de 2007, demonstrou que o seu avião 72-500 podia operar naquela ilha.

A ATR já requereu, entretanto, que a companhia aérea açoriana suspenda qualquer acordo com a Bombardier, e que volte a apreciar o processo, de forma igualitária.

Para além das críticas feitas ao concurso,a ATR aponta também muitos defeitos aos aviões escolhidos pela SATA.

Lembra o director de vendas da ATR que os DASH-400 já tiveram vários problemas com o trem de aterragem, são mais caros, gastam mais combustível e têm um maior custo de manutenção.

Adianta ainda que o avião agora escolhido não foi desenhado para as difíceis operações inter-ilhas e que nenhuma companhia do mundo escolheu aquele tipo de avião para as rotas com duração média de 30 minutos.

Feitas as contas, se a SATA optasse pelos ATR, em 10 anos pagaria o custo total da compra de 4 aviões, ou seja, 51 milhões de euros.

Carlos Tavares