Economia

Navios de cruzeiro trazem cada vez mais visitantes aos Açores

O número de passageiros que chegou aos Açores a bordo dos navios de turismo aumentou de 80 para 112 mil no primeiro semestre deste ano, um crescimento de 41%, segundo a empresa pública Portos dos Açores.

Navios de cruzeiro trazem cada vez mais visitantes aos Açores


As escalas dos navios registaram também um crescimento de 95 para 97 unidades, ou seja, de 2%, o que se justifica, segundo a nota de imprensa hoje divulgada, com a "atratividade do destino, o posicionamento nas rotas transatlânticas e a cada vez maior afirmação no corredor Atlântico".

Por ilhas, é São Miguel que lidera o número de escalas de navios de turismo com 51 toques, bem como com mais passageiros (86 mil), seguindo-se a ilha Terceira com 14 mil passageiros e 14 escalas e, finalmente, o Faial com 18 escalas e 10,5 mil passageiros.

Segundo a Portos dos Açores, todas as ilhas açorianas, com destaque para São Jorge, receberam navios de turismo durante o primeiro semestre deste ano, tendo sido no mês de abril que os portos açorianos registaram o maior número de visitas, num total de 40, o que representa 41% do valor do semestre.

É o mercado britânico que continua a liderar as nacionalidades que mais visitaram os Açores no período em análise, com mais de 50% dos passageiros, sendo os Estados Unidos da América e Alemanha outros dos mercados emissores de referência.

Este ano, só no dia 23 de abril o porto de Ponta Delgada recebeu cinco navios de cruzeiro e quatro no dia seguinte, situação que resultou num "novo máximo de visitantes, nos Açores, em apenas 24 horas".

"Estas dinâmicas possibilitaram que a região, em menos de quatro meses, tenha dado as boas vindas a mais de 100 mil passageiros, quando noutras épocas esta situação só se tinha verificado nos últimos meses dos respetivos anos", refere a empresa pública.

A Portos dos Açores estima que, até ao final deste ano, se concretizem mais 47 escalas que devem movimentar mais de 90 mil visitantes, entre passageiros e tripulações.

Lusa