Eventos

Flores: Luís Alberto Bettencourt hoje nas Festas do Emigrante


Luís Alberto Bettencourt nasceu em Ponta Delgada, onde vive e trabalha na área da música, mantendo uma actividade constante na elaboração e divulgação das novas formas estéticas, servidas quase sempre por uma atmosfera sonora próxima do acústico.

Flores: Luís Alberto Bettencourt hoje nas Festas do Emigrante


Forma os grupos "Construção" e "Rimanço" com os quais grava em estúdio e actua em quase todas as ilhas do arquipélago e em algumas cidades do Continente. Como líder destas duas bandas, vê o seu trabalho reconhecido no espaço nacional, através de críticas e prémios dos jornais da especialidade. Mário Correia em Música Popular Portuguesa cita - "Bettencourt, para além de introduzir um saudável e enriquecedor elemento de insularidade no panorama da música popular, reflecte uma abordagem musical e temática englobante e universalizante.". Por sua vez, o jornal "O Tempo" atribui o prémio "Banda Revelação do Ano" (1982) ao projecto "Construção", enquanto que alguns anos mais tarde o "Rimanço" classifica-se em segundo lugar no Festival RTP da Canção em 1986 com o tema "No Vapor da Madrugada".

Muitas das suas composições mais actuais estão perpetuadas em bandas sonoras para televisão (Xailes Negros, O Barco e o Sonho, Os Últimos Baleeiros, Balada do Atlântico, Pedras Brancas, Ilhas de Bruma, A História de um Vulcão, Ilha dos Amores, etc.), assim como em vinil e CD, sendo "O Silêncio das Horas" o seu mais recente trabalho editado.

Da sua discografia, fazem parte várias composições que dão corpo à música contemporânea feita nas ilhas e projectadas além-mar. É o caso de "Chamateia", composta sobre um texto de António Melo e Sousa e já gravada por mais de 10 formações de áreas diferenciadas, incluindo filarmónicas.

A sua maneira de estar na vida faz dele um ser talhado para a diferença, para o impenetrável mundo da magia das palavras, cheias de conteúdos místicos envolventes que ultrapassam a segura estabilidade do conhecido. Uma presença kármica e sonora, composta por sujeitos, verbos e complementos, por vezes de tempo, por vezes de espaço, complementos de modo de ser.

António Gil com Nine Media