Graciosa Online

Assinar de cruz

PS acusa João Costa de parcialidade e falta de transparência

Assinar de cruz


“Alguns partidos estão mais preocupados em fazer política de ataque ao Governo do que em ter aqui os documentos para analisar”, afirmou Francisco César, esta quinta-feira, à margem dos trabalhos da Comissão dedicada a analisar a situação do Setor Público Empresarial (SPER) e Associações Públicas. 

Sobre o alegado incumprimento, o Grupo Parlamentar do PS/Açores considera que essa é uma acusação infundada, uma vez que não foram estabelecidos prazos para o Governo entregar os documentos, como aliás atesta o “último ofício”, assinado pelo social-democrata João Bruto da Costa: “Consideramos ser extemporâneo a colocação de um processo crime da parte do Presidente da Comissão – e aliás, anunciado em primeira mão pelos partidos proponentes da Comissão”. 

Francisco César explicou, em resposta aos jornalistas, que “foi exatamente por haver dúvidas sobre o prazo definido” que o PS apresentou um requerimento para estabelecer cinco dias úteis como limite, para a apresentação do único relatório em falta no total de 21 empresas que estão a ser analisadas. 

Ao votar contra esse requerimento o PSD e o CDS demonstram qual o objetivo que os move nesta comissão: “A oposição está mais preocupada em atacar o Governo do que em ter acesso aos documentos”, concluiu Francisco César. 

Sobre a conduta do presidente da Comissão, Francisco César condenou veemente o comportamento de João Bruto da Costa: “A parcialidade e a falta de transparência na condução dos trabalhos da Comissão de Inquérito fragilizam a conduta do seu presidente”. 

“Ao assinar documentos de cruz, sem verificar o seu conteúdo – que como se demonstrou era ilegal -; ao omitir informação ao PS e ao Bloco de Esquerda, mas partilhar essa mesma informação com os deputados do seu partido e ao culpar os Serviços da Assembleia pela sua má gestão, o Presidente da Comissão demonstrou falta de transparência, favorecimento e fragilizou a sua função”, explicou Francisco César, depois dos esclarecimentos pedidos pelo PS. 



Fonte: PS Açores