Graciosa Online

Discriminação

Queixa da Câmara: falta de navios nas mãos de Vasco Cordeiro

Discriminação


O Presidente da Câmara Municipal de Santa Cruz da Graciosa publicou hoje uma mensagem aos graciosenses sobre a situação da falta de navios no verão de 2020. 

Manuel Avelar não gostou da resposta da Secretária Regional dos Transportes e Obras Públicas, considerando uma discriminação a Graciosa nao integrar a operação sazonal da Atlânticoline. 

O assunto está agora nas mãos do Presidente do Governo. 



"Caros/as Munícipes, 

No seguimento da anunciada suspensão da operação sazonal de transportes marítimos de passageiros e viaturas interilhas, que naturalmente se justifica pelas circunstâncias atuais, a Câmara Municipal de Santa Cruz da Graciosa remeteu um ofício à Senhora Secretária dos Transportes e Obras Públicas a manifestar a sua apreensão e total desacordo relativamente à não inclusão da ilha Graciosa no percurso da Linha Lilás, aquando da sua eventual reativação.

Se, na nossa opinião, nunca deveríamos ter sido excluídos da referida rota, nesta altura em que não existe a alternativa da Linha Amarela (ou qualquer outra), não é aceitável que o Governo Regional dos Açores prive a Graciosa e os graciosenses do transporte marítimo de passageiros e viaturas, uma vez que isso traria consequências extremamente negativas a diversos níveis, principalmente no que concerne à comercialização de produtos sazonais, como a meloa ou o alho, para as restantes ilhas do Grupo Central, e acentuaria ainda mais o isolamento a que estamos, por natureza, sujeitos. 

Tendo em conta a recomendação da Assembleia Municipal de Santa Cruz da Graciosa, entendemos que deveríamos, primeiro, contactar o Gabinete da Senhora Secretária dos Transportes e Obras Públicas sobre a inclusão da nossa ilha na eventual rota de transporte marítimo de passageiros e veículos que estará em circulação no verão que se avizinha. 

Contudo, perante a resposta insatisfatória que obtivemos, por ser prejudicial, injusta e discriminatória, a Câmara procedeu hoje também ao envio de um ofício ao Senhor Presidente do Governo Regional dos Açores a transmitir esta nossa preocupação porque, independentemente da cor da linha, precisamos de ser servidos através de uma alternativa credível. 

Assim, por ser imprescindível para a dinamização da economia da Graciosa, solicitamos que seja equacionada uma forma de incluir a Graciosa na rota do transporte marítimo regular de passageiros e veículos. 

Acreditamos que a decisão anunciada é reversível e estamos confiantes em que, se e quando for retomado este serviço público de transporte marítimo, a Graciosa não será excluída. 

Um abraço, 

Manuel Avelar Cunha Santos"