Graciosa Online

Menos 8

As dormidas em agosto só baixaram na Graciosa

Menos 8


Na Região Autónoma dos Açores, no mês de agosto, os estabelecimentos hoteleiros registaram 256,1 mil dormidas, representando um acréscimo homólogo de 15,8%. 

Mas na Graciosa foram registadas menos 8 dormidas em relação ao mês de agosto de 2016, que representam a única descida na região, de 0,4%. 

Assim, o Serviço Regional de Estatística dos Açores (SREA) contabilizou em agosto 2.218 dormidas nos hotéis da Graciosa, onde foram registadas 2.226 dormidas em igual período do ano passado. 

Em termos de variações homólogas acumuladas, de janeiro a agosto, todas as ilhas apresentaram variações homólogas positivas, à excepção da ilha da Corvo, com uma variação negativa de 0,2%. 

Além do Corvo, a Graciosa fica apenas à frente do Faial, apresentando uma variação acumulada de 5,6%. De acordo com SREA, os hotéis da Graciosa registaram 11.038 dormidas entre janeiro e agosto de 2017, quando tinham registados 10.457 dormidas no período homólogo do ano anterior. 

Em agosto, a taxa de ocupação-cama na Graciosa foi de 40,9%, superando apenas a ilha do Corvo, valor superior em 1,0 p.p. em relação ao mês homólogo do ano anterior. A taxa de ocupação-cama na região atingiu 78,1% e no país 74,8%. 

Quanto à estada média de agosto na Graciosa foi de 2,59 dias, tendo registado uma diminuição de 1,9%. Nas ilhas do Corvo, Flores, Faial e Pico a estada média foi inferior. Na região a estada média foi de 3,19 noites e no país de 3,20 noites.

Os proveitos totais nos estabelecimentos hoteleiros dos Açores, de janeiro a agosto de 2017, atingiram 62,7 milhões de euros, tendo os proveitos de aposento atingido, no mesmo período, 46,0 milhões de euros. Estes valores correspondem a variações homólogas positivas de 26,4% e de 24,8%, respetivamente. 

Neste âmbito só o Faial ficou atrás da Graciosa, onde os proveitos totais, de janeiro a agosto, foram de 467.529 euros e os proveitos de aposento de 353.236 euros, correspondendo a variações homólogas positivas de 6,6% e de 5,5%, respetivamente.