Graciosa Online

SATA nas 9 ilhas

José Ávila diz que Alexandre Gaudêncio desconhece a realidade

SATA nas 9 ilhas


O Grupo Parlamentar do PS/Açores lamenta as mais recentes declarações do líder do PSD, sobre o desempenho da SATA nas ilhas ditas “mais pequenas”, considerando “que as mesmas revelam um profundo desconhecimento da realidade, ignorando o contributo que a SATA tem dado para o crescimento do turismo e para a mobilidade dos Açorianos, em todas as ilhas”. 

José Ávila aconselha Gaudêncio a dar mais atenção aos dados reais: “Não tinha custado muito aquele líder partidário ter dado mais atenção às estatísticas, publicadas pelo Serviço Regional, para não dar tiros nos pés – coisas que nos tem vindo a habituar nos últimos tempos”.

O vice-presidente do Grupo Parlamentar do PS/Açores esclarece que “nos últimos sete anos (2012 a 2018) houve um incremento nos voos interilhas na ordem dos 20% e que o total de passageiros desembarcados, dos voos interilhas e territoriais, também teve um crescimento na ordem dos 90%”. 

Considerando que, apesar de nem todas as ilhas terem registado os mesmos aumentos, há crescimentos em todas: “Como por exemplo o Pico, que cresceu acima dos 100%”. José Ávila sublinha que esses aumentos se refletiram “nas dormidas de todas tipologias de alojamento, em todas as ilhas, com o Pico, o Corvo, e São Jorge a crescerem acima dos 100%, nestes sete anos”, aliás, sobre o caso concreto de São Jorge, o socialista garante que “houve crescimentos na ordem dos 170% - Isto só para provar que há ilhas que, mesmo sendo pequenas como diz Gaudêncio, tiveram crescimentos muito acentuados, quer nos passageiros desembarcados, quer nas dormidas em todas as tipologias”.

“Curiosamente, quando comparamos 2017 com 2018 há também crescimentos de dormidas, em todos os tipos de alojamento, nas ilhas referidas ditas mais pequenas, como foi o caso do Pico com mais 25%, do Corvo com mais 14%, de São Jorge com mais 11% e mais 6% nas Flores e na Graciosa (6%), sendo que Santa Maria foi a única que não registou um aumento nesse ano. Bem vistos os números, mais uma vez se pode inferir que o líder do PSD-Açores não tem razão”. 

Para José Ávila, “isto são factos que demonstram que a SATA – a nossa companhia, que queremos que permaneça nas mãos dos Açorianos - tem feito um esforço muito grande para adequar a sua oferta à procura que tem vindo a crescer, ano após ano e é assim que queremos que continue nos próximos tempos”.


Fonte: PS Açores




FALTA DE RUMO 




O presidente do PSD/Açores afirmou que a “falta de rumo” do Governo Regional na gestão da SATA faz com que as ilhas mais pequenas sejam as “grandes prejudicadas”, dado que estas não possuem alternativa de transporte aéreo.“As ilhas mais pequenas acabam por ser as grandes prejudicadas da falta de rumo deste Governo Regional socialista na gestão da SATA. 

Embora a preocupante situação da SATA prejudique toda a Região, os açorianos que vivem nas ilhas mais pequenas acabam por ser os grandes sacrificados, pois não têm quaisquer alternativas de transporte aéreo”, disse Alexandre Gaudêncio. 

O líder dos social-democratas açorianos, que falava no final de uma visita à ilha de São Jorge, no âmbito das jornadas parlamentares do partido, salientou que “o descalabro a que o Governo do PS conduziu a SATA tornou-a incapaz de responder às necessidades das populações”.“Este Governo Regional está a fazer muito mal à SATA e quem paga são as pessoas de ilhas como São Jorge. 

Por culpa deste Governo socialista, a SATA deixou de prestar um bom serviço nas ligações aéreas para a ilha, prejudicando as pessoas e a economia local”, sublinhou.Segundo Alexandre Gaudêncio, “a grave situação a que o Governo Regional conduziu a SATA está também a ter enormes repercussões a nível social na ilha de São Jorge”.“Desde que Vasco Cordeiro é Presidente do Governo Regional que a ilha de São Jorge já perdeu quase 10% da sua população. Isto é também resultado da falta de um sistema de transportes eficiente e que sirva verdadeiramente os jorgenses”, considerou. 

O presidente do PSD/Açores deu como exemplo o facto de “muitos jorgenses, após muito tempo de espera para marcar uma consulta ou cirurgia no exterior, acabarem por perder essas marcações, devido à falta de lugares na SATA”.“Este mau serviço prestado à ilha de São Jorge não é culpa dos trabalhadores da SATA, mas sim da responsabilidade do Governo Regional e das sucessivas administrações que nomeou”, frisou. 

Para Alexandre Gaudêncio, “só a mudança de governo nos Açores em 2020 pode salvar a SATA e dar uma nova esperança a ilhas como São Jorge”.O líder social-democrata acrescentou que também nos transportes marítimos a ilha de São Jorge “não está a ser convenientemente servida, o que tem implicações ao nível do turismo”. 

“O desenvolvimento do turismo, a par da agricultura, é essencial para que a ilha de São Jorge possa inverter a tendência de perda de população. Além das questões relativas ao transporte aéreo, defendemos também o reforço de ligações marítimas entre São Jorge e o Pico”, concluiu.



Fonte: PSD Açores