Política

Americanos usam a Base das Lajes como entendem


A revelação é agora feita pelo antigo Embaixador em Washington, João Hall Themido, diplomata que acaba de lançar a sua autobiografia, onde faz um balanço negativo do Acordo das Lajes, em termos de benefícios para Portugal.

Americanos usam a Base das Lajes como entendem

Themido foi Embaixador de Portugal nos Estados Unidos da América entre 1971 e 1981, o que significa que teve dez anos de contacto com a Administração norte-americana, agora espelhados na sua autobiografia, recentemente chegada às livrarias.

Nessas memórias, o Embaixador revela que os Estados Unidos usaram e usam a Base das Lajes, na ilha Terceira, como bem entendem, utilizam-na como se a Base fosse sua.

No livro intitulado " Uma Autobiografia Disfarçada ", João Hall Themido revela ainda que o Acordo de Cooperação e Defesa entre Portugal e os Estados Unidos não tem sido benéfico para Portugal, em termos de contrapartidas.

O autor escreve ainda que, em 1973, durante a guerra Israelo-Árabe, Washington informou Marcello Caetano que ía usar a Base das Lajes na ponte aérea para ajudar Televive a combater os ataques sírios e egipcíos e que o faria quer Portugal aceitasse ou não.

Perante tal posição - acrescenta - Marcello Caetano aceitou a pretensão americana e chegou mesmo a ser chamado à Casa Branca pelo Presidente Nixon, que lhe agradeceu a colaboração portuguesa no apoio à guerra de Yom Kippur.

Rui Messias / Carlos Tavares