Política

Costa Neves acusa indústria de lacticínios de colonialismo

O líder do PSD/Açores, Costa Neves, apelidou hoje de "provável colonialismo" a actuação das indústrias de lacticínios nos Açores, por pagarem mais barato o litro do leite aos produtores das ilhas do que no continente.

 

Costa Neves acusa indústria de lacticínios de colonialismo

"Até que nos expliquem os verdadeiros motivos sobre a diferença do preço

médio de 29 cêntimos nos Açores e 45 cêntimos no continente português, tal

diferença, superior a 50 por cento, indicia colonialismo puro", sustentou

o líder social-democrata açoriano, em conferência de imprensa.

 

Segundo disse, "se não lhe quiserem chamar colonialista é, por certo,

oportunista, aproveitamento da fraqueza alheia, o que não deixa de ser uma

características de processos colonialistas".

 

Costa Neves manifestou-se, ainda, convicto de que "a diferença de 16

cêntimos não pode ser explicada, apenas, pelos custos do transporte para

exportação do leite".

 

Numa conferência de imprensa destinada a avaliar o sector agro-pecuário

da região, os sociais-democratas açorianos sublinharam que "os agricultores

dos Açores estão desesperados".

 

Para isso, contribui a redução no preço do leite e da carne, um agravamento

da situação, frisou Costa Neves, que se dá com o aumento dos factores de

produção, particularmente as rações, adubos e mesmo os combustíveis.

 

"Se não houver uma alteração da actual situação, aí por meados dos meses

de Junho ou Julho, haverá nas pastagens muitos animais com fome e, portanto,

subalimentados", alertou.

 

Para o líder da oposição nos Açores, até o Instituto de Financiamento

da Agricultura e Pescas (IFAP) parece "assumir uma posição colonialista

porque já pagou aos agricultores do continente e os dos Açores continuam

sem receber".

 

"O que alegam é a falta de ficheiros que a região deveria ter enviado,

mas, a ser verdade, então temos um Governo Regional que é inútil", realçou.

 

"Até que nos expliquem os verdadeiros motivos sobre a diferença do preço

médio de 29 cêntimos nos Açores e 45 cêntimos no continente português, tal

diferença, superior a 50 por cento, indicia colonialismo puro", sustentou

o líder social-democrata açoriano, em conferência de imprensa.

 

Segundo disse, "se não lhe quiserem chamar colonialista é, por certo,

oportunista, aproveitamento da fraqueza alheia, o que não deixa de ser uma

características de processos colonialistas".

 

Costa Neves manifestou-se, ainda, convicto de que "a diferença de 16

cêntimos não pode ser explicada, apenas, pelos custos do transporte para

exportação do leite".

 

Numa conferência de imprensa destinada a avaliar o sector agro-pecuário

da região, os sociais-democratas açorianos sublinharam que "os agricultores

dos Açores estão desesperados".

 

Para isso, contribui a redução no preço do leite e da carne, um agravamento

da situação, frisou Costa Neves, que se dá com o aumento dos factores de

produção, particularmente as rações, adubos e mesmo os combustíveis.

 

"Se não houver uma alteração da actual situação, aí por meados dos meses

de Junho ou Julho, haverá nas pastagens muitos animais com fome e, portanto,

subalimentados", alertou.

 

Para o líder da oposição nos Açores, até o Instituto de Financiamento

da Agricultura e Pescas (IFAP) parece "assumir uma posição colonialista

porque já pagou aos agricultores do continente e os dos Açores continuam

sem receber".

 

"O que alegam é a falta de ficheiros que a região deveria ter enviado,

mas, a ser verdade, então temos um Governo Regional que é inútil", realçou.

 

Agência Lusa