Política

Independência dos Açores, Timor e os EUA


Há novos documentos desclassificados sobre a invasão Indonésia a Timor, que revelam que o Presidente norte-americano, Gerald Ford, para retirar força a Lisboa, devido à Base das Lajes, ilha Terceira, ameaçou apoiar a independência dos Açores e provocar a saída de Portugal da Nato.

Independência dos Açores, Timor e os EUA

Em 1975, o Movimento Independentista Açoriano serviu de trunfo à Administração norte-americana para evitar que Portugal usasse a Base das Lajes, na ilha Terceira, como forma de pressão.

Documentos secretos norte-americanos sobre a invasão Indonésia de Timor, e recentemente desclassificados, revelam que o Presidente Gerald Ford, para retirar força a Lisboa, devido às Lajes, ameaçou apoiar a independência dos Açores e provocar a saída de Portugal da NATO.

Os documentos relatam conversas entre o Presidente Ford, o secretário de Estado Henry Kissinger e o Presidente da Indonésia, Suharto, mantidas no decorrer do ano de 1975.

Shuarto desejava acupar Timor- Leste, colónia portuguesa à beira da independência, mas Lisboa poderia não aceitar bem tal pretensão.

Os Estados Unidos da América intervieram secretamente, garantindo não reagir, caso a Indonésia invadisse Timor-Leste.

Os indonésios questionaram a reacção de Portugal, cuja importância para a estratégia militar americana, assegurada pela base açoriana das Lajes, poderia ser posta em cima da mesa pelo lado português, para garantir a ajuda dos Estados Unidos.

Perante isso, o Presidente Ford deixou claro que Portugal não teria força militar para impedir a invasão de Timor e que, caso tentasse usar a Base das Lajes como argumento para convencer Washington a estar a seu lado contra Shuarto, a América poderia ameaçar Lisboa com o apoio à independência dos Açores e a expulsão de Portugal da NATO, ameaças que, no entanto, não se concretizaram, já que Lisboa, mergulhada na disputa da liderança do processo pós-Revolução de Abril, deixou de lado a questão timorense e o afastamento do comunismo de Portugal serenou os ânimos na Casa Branca, apagando qualquer apoio à independência das Ilhas.

Estes documentos, a que a Antena 1 / Açores teve acesso, mostram, contudo, que, tal como Salazar tinha usado os Açores para vergar as Administrações americanas, sobretudo a de Kennedy, também Washington soube usar o arquipélago na sua diplomacia para com Lisboa.


Rui Messias / Carlos Tavares