Política

PSD do Faial contesta obras no porto da Horta (Vídeo)

O PSD/Faial opõe-se ao projeto apresentado pelo Governo socialista para a requalificação do porto da Horta, nos Açores, por entender que a solução proposta pode "destruir" o futuro daquela infraestrutura.


"O PSD do Faial quer investimento, mas não um presente envenenado ou uma obra que possa destruir o nosso porto", alertou hoje, em conferência de imprensa, Carlos Ferreira, deputado do PSD na Assembleia Legislativa Regional e vereador social-democrata na Câmara Municipal da Horta.

Embora admita não ter "conhecimentos técnicos" para avaliar a solução proposta pelo executivo para o porto da Horta, Carlos Ferreira entende ser necessário "bom senso" e "capacidade de ouvir" a comunidade portuária, que tem colocado "dúvidas fundamentadas" sobre este projeto.

O deputado social-democrata referia-se às críticas feitas, no final da semana passada, pela Mesa de Turismo da Câmara do Comércio e Indústria da Horta, que também contesta o projeto de requalificação do porto da Horta, obra orçada em mais de 17 milhões de euros.

"Condenamos e lamentamos a forma descuidada como foi conduzido este processo, que devia envergonhar esta governação, e que tem prejudicado no presente o Faial e o seu porto, e se arrisca a condicionar para sempre o seu futuro", insiste o social-democrata.

O principal ponto de discórdia em relação ao projeto de requalificação do porto da Horta, lançado pela empresa pública Portos dos Açores, é a construção de um novo cais, com enrocamento exterior, no interior do porto comercial, dividindo a zona das mercadorias da marina da Horta, uma das mais movimentadas da Europa.

O PSD/Faial entende que esta solução "pode condicionar irremediavelmente o porto da Horta, reduzindo a área de manobra, prejudicando a operacionalidade e afetando as condições de segurança".

Também a Câmara do Comércio e Indústria da Horta critica este novo cais que o Governo pretende construir e apresentou um estudo técnico, elaborado pelo Departamento de Tecnologias de Mar do Instituto Superior de Ciência de Informação e da Administração (ISCIA), que defende uma solução "bastante mais ligeira e barata", que "não comprometa futuras alterações".

"O projeto oficial que surgiu na comunicação social, para responder às necessidades atuais do porto da Horta, é mau, porque compromete o funcionamento futuro da bacia de manobra", conclui o mesmo estudo, assinado por António Luís Fera, comandante da Marinha Mercante, e por Eduardo da Silva Martins, professor coordenador do ISCIA.

Por estas razões, o PSD do Faial entende que "é imperioso" que se estude todas as soluções e que se corrija eventuais erros no porto da Horta, antes de se avançar com qualquer obra, que possa colocar em causa outras valências do porto.

"Da nossa parte, tudo faremos para evitar que este Governo Regional e a Portos dos Açores cometam ainda mais erros no porto da Horta e na nossa baía", garantiu Carlos Ferreira, acrescentando que o PSD irá dar instruções a todas a estruturas do partido para votarem contra este projeto.

Apesar de todas estas críticas, o presidente do Conselho de Administração da Portos dos Açores, Miguel Costa, continua a dizer que "esta é a melhor solução" para a requalificação do porto da Horta e que muitas das críticas não têm fundamento.

Segundo Miguel Costa, a obra deverá ser lançada a concurso em breve, prevendo-se que tenha início no final deste ano ou no início de 2020.


Lusa e RTP-Açores