Política

Região Autónoma dos Açores pode endividar-se em mais 50 milhões

Podem endividar-se em mais 50 milhões de euros: os Açores e a Madeira têm autorização do ministério das Finanças para contraírem essa dívida.

Região Autónoma dos Açores pode endividar-se em mais 50 milhões

Os 50 milhões de euros não contam para os limites ao endividamente do arquipélago: trata-se, sim, de mais uma medida de combate à crise e o Executivo açoriano já definiu o destino a dar a essa verba. Segundo o Vice-Presidente do Governo, Sérgio Ávila, vai para o investimento público, mais propriamente, para a habitação e para a promoção do emprego.

Com esta autorização, a dívida da Região Autónoma passa a ser de 250 milhões, mas o Vice-Presidente do Governo considera esse valor residual.

Para os partidos políticos, estes 50 milhões de euros são bem vindos, desde que sejam bem utilizados.

António Marinho, líder parlamentar do PSD afirmou à Antena 1 / Açores que deve ser uma verba para sectores económicos reprodutivos, como é o caso da garantia do emprego, como da mesma opinião é o líder do CDS / PP, Artur Lima.

Emprego é também a palavra-chave para Zuraida Soares, tal como uma habitação digna.
A líder do Bloco de Esquerda, afirma que os Açores já foram suficientemente castigados com a obsessão do défice, imposta pela União Europeia, e, por essa razão, considera esses 50 milhões bem vindos para aliviar a crise.

Por sua vez, para Aníbal Pires, líder da CDU, já que é necessário aumentar o endividamento, então que as pessoas sintam a diferença, na vida real.

Para o Partido Popular Monárquico, o reforço de 50 milhões só peca por chegar tarde e Paulo Estêvão, líder dos Monárquicos, afirma que a postura do Governo açoriano foi sempre errada, perante a crise e que, agora, é necessário acelerar o investimento público.

Saes Furtado / Lília Almeida / Tânia Martins.