Sociedade

Açores podem perder liderança mundial na investigação do mero no Atlântico


A perda dessa liderança deve-se ao facto de o Governo ter proíbido a caça dessa espécie para fins científicos.

Açores podem perder liderança mundial na investigação do mero no Atlântico

© Foto: J Fontes ImagDOP


Por essa razão, a investigação parou na Região Autónoma dos Açores, mas continua em outas zonas do Atlântico.

O investigador João Pedro Barreiros explicou à Antena 1/Açores os motivos pelos quais a caça é a única arte de captura que interessa à investigação científica do mero.

Para o investigador, "por ter recebido uma nota de interdição, estou proibido de apanhar essa espécie de peixe, mas a pesca submarina na captura do mero, permitiria continuar na investigação para conhecer melhor a espécie e os seus hábitos".

João Pedro Barreiros adianta que, por exemplo, "a caça submarina é supletiva, porque se pode escolher o exemplar que se precisa, no local onde se deseja, conforme os comportamentos dos meros".

A investigação científica fica, assim, paralisada no arquipélago, proibida que está a caça ao mero para estudo, correndo, deste modo, os Açores o risco de perder a liderança, numa área em que tem dominado os estudos científicos no Atlântico.

Armando Mendes / Carlos Tavares