Sociedade

Alegada burla leva empresas das Flores e do Corvo a Tribunal

Duas sociedades comerciais das Flores e do Corvo estão a ser julgadas por um coletivo dejuízes de Ponta Delgada por alegada burla na emissão de faturas destinadas a obter apoios ao transporte de mercadorias.

Alegada burla leva empresas das Flores e do Corvo a Tribunal
O caso faz sentar no banco dos réus a Sociedade Comercial Ferragens do Boqueirão, do Corvo, a Empresa Castanheira e Soares, das Flores, e ainda Augusto Pereira Alves.

Estao acusadas pelo Ministerio Publico do crime de burla qualificada e falsificaçao.

O ex-Fundo Regional de Abastecimento, na altura sob a tutela da Secretaria da Economia, terá detectado alegadas irregularidades nos valores de facturas passadas pelas empresas em causa à empresa de transportes marítimos Mar Ocidental e, por isso mesmo, terá apresentado queixa à Policia Judiciaria.

Em causa estão apoios governamentais ao transporte de mercadorais.

As facturas seriam passadas com o registo de um determinado peso mas que, na verdade, não teria correspondência com o efectivamente transportado.

Cabe agora ao Tribunal decidir se a Região foi ou não lesada.

Este julgamento está a decorrer em salas das delegações da Assembleia Regional em Ponta Delgada e Corvo.

Dado que estao envolvidas mais de duas dezenas de testemunhas da mais pequena ilha do Arquipelago, o Presidente da Comarca dos Açores pediu, a titulo excepcional, o uso das salas da assembleia, já que o sistema de video-conferência do Tribunal nao é compativel com o existente na Delegaçao da Assembleia no Corvo. 

Antena 1 Açores