Ouvir
Contraditório
Em Direto
Contraditório

Apoios

"Um Mundo Aflito – Memória de Um Tempo de Ausência"

Um livro de José Jorge Letria

|

Um Mundo Aflito – Memória de Um Tempo de Ausência

Uma comovente visita a um mundo em tempo de pandemia


Uma visita comovente, numa magnífica combinação de texto e imagem, ao mundo de ausência, abandono e silêncio gerado pela covid-19. É esta a proposta do escritor José Jorge Letria e do fotógrafo Inácio Ludgero no livro Um Mundo Aflito – Memória de Um Tempo de Ausência. Uma distopia tornada realidade, inclui mais de 60 fotografias a preto e branco, marcadas pela luz e pelas sombras de um mundo transformado.

Prefaciado, com brilhantismo, pelo compositor português Pedro Abrunhosa, Um Mundo Aflito – Memória de Um Tempo de Ausência chegou às livrarias a dia 26 de Maio. Uma edição Guerra e Paz com o apoio da Sociedade Portuguesa de Autores, esta é a resposta imediata, directa e emotiva de um escritor, complementada pelas impressionantes imagens de um fotógrafo e pelo testemunho de um músico. José Jorge Letria aponta um caminho, o da resposta dos criadores, o da transformação de uma realidade amarga e de ausência em criação artística e pensamento.

Nas ruas, nos jardins, nos transportes públicos. Em meados de Março, instalou-se, nas nossas cidades, um silêncio ruidoso. O confinamento profiláctico que a covid-19 impôs à sociedade causou efeitos na nossa paisagem física e psicológica.

Efeitos que o escritor e presidente da Sociedade Portuguesa de Autores José Jorge Letria e o fotógrafo Inácio Ludgero mostram, num diálogo entre palavras e imagens, n’ Um Mundo Aflito – Memória de Um Tempo de Ausência O primeiro livro de reflexão e meditação sobre as transformações causadas pela pandemia.
«Esta ausência é uma pátria revoltada que se fecha em casa sempre à espera, que a febre não a vença nem lhe roube a luz mansa que lhe traz a Primavera.» Uma febre que, segundo as palavras de José Jorge Letria, já é tão antiga quanto «este silêncio que mata como a peste já matava».

Este livro, que irá surpreender e emocionar os leitores, conta com mais de 60 grandes fotografias de Inácio Ludgero, carregadas de vazio, de aflição e da «desimportância de ser homem» introduzida por Pedro Abrunhosa no prefácio.

O texto do compositor e letrista português é fortíssimo e confronta-nos com a inevitabilidade desta pandemia e com o sentimento de impotência que vivemos. «Afinal (nós humanos), como qualquer besta, morremos.» Acrescenta que o vírus não escolhe as vítimas e, «no mesmo altar, imola racistas e democratas, deuses e fiéis, milionários e refractários» e que «se Deus existir, obviamente foi demitido».

Um livro obrigatório para reflectir e conservar em registo o maior problema sanitário do último século.

Um Mundo Aflito – Memória de Um Tempo de Ausência
chegou às livrarias a 26 de Maio.