Ouvir
Linha do Horizonte
Em Direto
Linha do Horizonte Miguel Freitas

Discos

Aldina Duarte - "tudo recomeça"

Edição a 18 de Março

|

Aldina Duarte - tudo recomeça

"tudo recomeça"
Assim se chama o novo disco de Aldina Duarte. Disco Antena 1
Edição a 18 de Março.

Os ponteiros do tempo podem avançar sem perder a memória. Fonte inesgotável de saber e emoção, o fado tradicional é um fato à medida de cada intérprete. Quanto mais funda a voz, mais transparente o peito. Para Aldina Duarte, Tudo Recomeça, título de um novo álbum em que vive o fado tradicional como um organismo vivo, à solta num bilhete de ida e volta. Diz Ortega Y Gasset que “o homem é o homem e a sua circunstância”. Pois o fado não é diferente, ou não servisse de biografia perpétua a quem o vive e canta.
Que contos de fados são estes de Aldina Duarte em 2022? São fados que nunca deixou de cantar em concertos, desde a sua gravação. Fados apresentados a plateias calorosas, pela primeira vez fixados no silêncio do estúdio. Em síntese, uma breve antologia dos fados de vários discos, que nunca pararam de evoluir em palco, agora reconstituídos num quadro pessoal e actual, a que se somam algumas surpresas.
Por exemplo, Antes de Quê [Fado Carriche], um companheiro de longa data que nunca deixou de interpretar, antes sequer de ser gravado, e Ela, fado-espelho sobre a condição feminina escrito por nada mais, nada menos que Manel Cruz, a quem foi entregue a tarefa de assinar o
único tema novo de raiz.
“É o único compositor que compõe para a minha voz e personalidade artística. Temos afinidades musicais e poéticas muito fortes. É sempre ele que decide o que compor e sobre o que escreve para mim. Desta vez quis compor um fado que fosse o meu retrato, como ele me vê, sendo que quando o interpreto procuro ser uma voz de muitas das histórias que envolvem e afectam a condição feminina. Juntando este tema ao Quando Se Ama Loucamente, atrevo-me a dizer que o Manel Cruz inventou o meu fado fora do universo do fado tradicional”, assume Aldina Duarte.
Todos os fados inéditos em disco, na voz culta de Aldina, trazem uma história no bolso. Sem Cal Nem Lei foi escrito por Maria do Rosário Pedreira para Miguel Lobo Antunes, a quem é dedicado Tudo Recomeça, e interpretado na Culturgest, a sua sala de eleição, aquando da saída do administrador. Cláusura tem letra própria, escrita para a melodia de Fado Bacalhau, e arranjo da fadista, recuperando o acompanhamento minimal mais antigo da fado.
Rasga o Passado é um fado não tradicional pouco conhecido de Amália Rodrigues, recuperado por Miguel Lobo Antunes. Auto-Retrato é a fotografia de Aldina Duarte, escrita por João Ferreira-Rosa e estreada na Culturgest, na presença do fadista e letrista. Guitarrada dá aos músicos e autores de arranjo Paulo Parreira e Rogério Ferreira a honra de fechar o disco, tal como sucede em palco antes da derradeira ovação.
“É um fado muito nosso e só dela”, dizem os guitarristas. Eles que são “a pedra angular de todo o meu trabalho”, responde Aldina Duarte. “Eu defino a estrutura e o ambiente musical, de acordo com a minha visão poética, e eles descobrem e executam as soluções musicais, conforme as características de cada instrumento, sem fugir à essência da linguagem musical do fado”.
Em Tudo Recomeça, não houve prazos de estúdio a cronometrar o processo. Cada fado teve direito ao seu próprio tempo, emocional e interpretativo. Para manter a coerência estética com a obra sólida e intemporal, Joaquim Monte foi a escolha. “Precisava dos ouvidos e da cumplicidade profissional de alguém com quem tenho gravado sempre nos últimos anos, desde o Romances com o meu único produtor musical, o Pedro Gonçalves”, justifica.
Em Aldina Duarte, há muito deles, dos produtores, músicos e poetas que regam a tradição, de forma a mantê-la viva, relevante e expressiva.

Foto: Isabel Pinto

Alinhamento:
  • 1. ela MANEL CRUZ
  • 2. paraíso anunciado ALDINA DUARTE / FRANCISCO VIANA
  • 3. clausura ALDINA DUARTE / ARMANDO AUGUSTO FREIRE
  • 4. estação das cerejas JOÃO MONGE / JOÃO MARIA DOS ANJOS
  • 5. sem cal nem lei MARIA DO ROSÁRIO PEDREIRA / ARMANDO MACHADO
  • 6. rasga o passado ÁLVARO DUARTE SIMÕES
  • 7. auto-retrato JOÃO FERREIRA-ROSA / ALFREDO DUARTE
  • 8. muro vazio ALDINA DUARTE / CARLOS DA MAIA
  • 9. uma outra nuvem JOSÉ MÁRIO BRANCO / MIGUEL RAMOS
  • 10. antes de quê? MANUELA DE FREITAS / RAUL FERRÃO
  • 11. cachecol do fadista JOÃO MONGE / MIGUEL RAMOS
  • 12. improviso em ré ARRANJO DE PAULO PARREIRA E ROGÉRIO FERREIRA (Guitarrada)

Ficha Técnica
  • voz :: aldina duarte
  • guitarra portuguesa :: paulo parreira
  • viola :: rogério ferreira
  • produção :: aldina duarte
  • co-produção :: joaquim monte
  • gravacão e mistura :: joaquim monte
  • masterização :: helder nelson
  • gravado nos estúdios namouche em 2021
  • capa :: pedro cabrita reis com nuno vale cardoso
  • grafismo :: rui garrido
  • fotografia :: isabel pinto
  • agradecimento especial :: gonçalo m. tavares e pedro cabrita reis “Muro Vazio”, “Antes de Quê” e “Cachecol do Fadista” regravado por cortesia da Warner Music Portugal.