Ouvir
Manhã - Antena 1 (2ª Parte)
Em Direto
Manhã - Antena 1 (2ª Parte)

Discos

Gaiteiros de Lisboa - "Bestiário"

Edição dia 5 de Abril

|

Gaiteiros de Lisboa - Bestiário

Os Gaiteiros de Lisboa preparam-se para lançar o tão aguardado novo álbum de originais a 5 de Abril, num regresso às edições discográficas depois do lançamento de “Avis Rara” (2012) e de "A História" (compilação | 2017). “Bestiário” é o sexto disco de originais dos seus quase 30 anos de carreira e terá edição pela Uguru. Os sopros tradicionais, a percussão e as polifonias vocais continuam no centro, a música ao seu redor continua a ser surpreendentemente moderna, inventiva, viva, contemporânea e ao mesmo tempo intemporal. O novo álbum conta com convidados especiais como Zeca Medeiros, Filipa Pais, João Afonso, Pedro Oliveira (Sétima Legião), Rui Veloso e o colectivo vocal feminino “Segue-me à Capela“

“Bestiário” confirma como os Gaiteiros de Lisboa, trinta anos depois do início e com uma formação nova, continuam a ser “outra coisa”, a habitar o mesmo universo privado alheio a modas passageiras e aberto a tudo o que nele caiba. Ou seja, os mesmos Gaiteiros de sempre: imprevisíveis, inconfundíveis, imprescindíveis.

Os Gaiteiros de Lisboa são: Carlos Guerreiro, Miguel Quitério, Miguel Veríssimo, Paulo Charneca, Paulo Tato Marinho e Sebastião Antunes.




BESTIÁRIO

Produção e direcção musical de CARLOS GUERREIRO excepto “BESTA QUADRADA” (PAULO MARINHO) e “CANTO DO CORAÇÃO” (MIGUEL QUITÉRIO)
Co-produção, gravação e mistura de CARLOS JORGE VALES
  • “BALEEIROS DE NEW BEDFORD”(com ZECA MEDEIROS)
  • “RONCOS DO DIABO”
  • “CANTO DO CORAÇÃO”
  • “BRITES DE ALMEIDA”
  • “BESTA QUADRADA”(com PEDRO OLIVEIRA)
  • “CHAMATEIA”(com FILIPA PAIS e JOÃO AFONSO)
  • “FLECHA “(com SEGUE-ME À CAPELA)
  • “PARA SANTALICES”
  • “NATIVIDADE”
  • “COMPREI UMA CAPA CHILRADA “(com RUI VELOSO)
  • LOLITA FIREWINGS”

Gaiteiros de Lisboa

Quando primeiro surgiram, em 1991, os Gaiteiros de Lisboa eram “outra coisa”. Mesmo pelo meio de uma cena musical fervilhante de novos olhares para a música tradicional portuguesa, os Gaiteiros promoviam o embate directo entre tradição e inovação, respeito pelo passado e vontade de abrir caminhos para o futuro.
De um lado, músicos veteranos que tinham aprendido com as recolhas de Giacometti e tocado com nomes como José Afonso, Sérgio Godinho, José Mário Branco (que viria a produzir o primeiro disco do grupo) ou Fausto. Do outro, músicos oriundos da cena pop ou rock ou jazz que olhavam para a tradição de modos totalmente novos.
A conjugação projectava os Gaiteiros de Lisboa para outro patamar, com a gaita de foles trazida por Paulo Marinho (Sétima Legião) e as polifonias vocais lideradas por Carlos Guerreiro e José Manuel David no centro de um furacão criativo que estava permanentemente em ebulição. Como diz a frase: “a tradição já não é o que era nem será o que foi e nunca foi o que pensávamos que era”.
E o que saiu dessa abordagem era “outra coisa”. Nas palavras do crítico do Expresso, João Lisboa, “os Gaiteiros de Lisboa habitam um universo inteiramente privado […] (onde) muito pouco ou nada funciona de acordo com as normas com que habitualmente a música é lançada à pauta”.
Trinta anos depois, o mundo mudou, a formação do grupo também. Em “Bestiário”, sexto álbum de material original e primeiro em sete anos, apenas Carlos Guerreiro e Paulo Tato Marinho restam dos Gaiteiros que entraram em estúdio pela primeira vez em 1995. A nova formação completa-se com Miguel Veríssimo, Miguel Quitério, Paulo Charneca (que já fez anteriormente parte do grupo) e Sebastião Antunes (dos Quadrilha).
Mas os Gaiteiros de Lisboa, tendo mudado, não mudaram: continuam a ser “outra coisa”. Como a aldeia gaulesa do Astérix, os Gaiteiros resistem, ainda e sempre, a serem metidos numa gaveta. A gaita de foles e as polifonias vocais continuam no centro, a música ao seu redor continua a ser surpreendentemente moderna, inventiva, viva, contemporânea e ao mesmo tempo intemporal. Nunca se ouviu o clássico açoriano “Chamateia” desta maneira; um tema novo como “Brites de Almeida” parece um clássico tradicional só agora reencontrado.
E os muitos convidados de “Bestiário” insistem nessa fuga a categorias e gavetas. A companheiros de percurso como o açoriano Zeca Medeiros ou a veterana Filipa Pais juntam-se o jovem colectivo vocal feminino Segue-me à Capela e João Afonso Lima, sobrinho de Zeca. Pedro Oliveira, dos Sétima Legião, dá voz a “Besta Quadrada” e Rui Veloso empresta a sua guitarra eléctrica e a sua voz a “Comprei uma Capa Chilrada”.
“Bestiário” é inteiramente composto por material inédito em disco – as excepções são “Roncos do Diabo”, publicado na compilação de 2018 “A História”, e “Comprei uma Capa Chilrada”, gravado pela primeira vez em “Sátiro” mas aqui numa versão regravada.
“Bestiário” confirma como os Gaiteiros de Lisboa, trinta anos depois do início e com uma formação nova, continuam a ser “outra coisa”, a habitar o mesmo universo privado alheio a modas passageiras e aberto a tudo o que nele caiba. Ou seja, os mesmos Gaiteiros de sempre: imprevisíveis, inconfundíveis, imprescindíveis.


DISCOGRAFIA

1995 - INVASÕES BÁRBARAS (Farol)
1997 – BOCAS DO INFERNO (Farol)
2000 – DANÇACHAMAS (ao vivo) (Farol)
2002 – MACARÉU (Aduf)
2006 – SÁTIRO (Aduf/Sony Music)
2012 – AVIS RARA (D’Euridice)
2018 – A HISTÓRIA (compilação) (Uguru)
2019 – BESTIÁRIO (Uguru)