Ouvir
Vibrato
Em Direto
Vibrato Pedro Rafael Costa

Argumentos de Óperas, Obra


Il Campanello

Farsa em um acto

Libreto Gaetano Donizetti

Estreia1 de junho de 1836

ResumoA acção desta ópera passa-se em Foria, um subúrbio de Nápoles. È o dia do casamento de Don Annibale Pistachio com Serafina, ele o velho farmacêutico da cidade e ela uma jovem e atraente rapariga vinda de uma das mais importantes famílias de Nápoles.

Madama Rosa, mãe de Serafina, está satisfeita com as celebrações do casamento. Apenas uma coisa a preocupa. Annibale não convidadou o seu sobrinho Enrico. Na realidade isso deve-se ao facto de Enrico ter tido uma paixoneta com Serafina, mas para Rosa, isso é coisa do passado.

Mas Enrico está presente na festa. O jovem está mascarado de soldado e pronto a pregar todo o género de partidas ao pobre noivo: primeiro aterroriza os convidados espalhando pelo chão uma espécie de fogos-de-artificio, depois continua a entretê-los com vários truques.

Spiridone diverte-se com os fogos-de-artificio e escolhe do chão alguns que ainda não tinham rebentado para poder pregar a mesma partida a outros convidados.

Entretanto a jovem noiva, tendo reconhecido o soldado, vai discretamente ter com ele e enquanto dançam diz-lhe que já não o ama, só que, Enrico, em vez de se cingir ao seu lugar de primo da noiva, começa a fazer-lhe a corte à frente de toda a gente e enquanto Annibale está a passar por eles, o jovem ajoelha-se aos pés de sua prima.

Don Annibale julga ter apanhado a sua noiva num acto de infidelidade, mas Enrico através de um jogo de palavras consegue convencê-lo de que estava a ensaiar uma cena para ser apresentada depois do jantar.

No final da festa e depois de se despedirem dos convidados, Pistacchio manda Spiridone para a o quarto da loja e prepara-se para a sua noite de núpcias.

A campainha da farmácia toca e, tal como o que consta na lei napolitana, o pobre farmacêutico deve vir pessoalmente atender o cliente a qualquer hora da noite ou do dia e não deve permitir que ninguém venda medicamentos no seu lugar. É Enrico, que se faz passar por um dandy francês. Este pede um remédio para os seus problemas digestivos.

Enquanto Annibale vai buscar o medicamento, Enrico deixa uma nota na porta do quarto dos recém-casados.

A campainha volta a tocar. O segundo cliente é outra vez Enrico desta vez disfarçado de cantor do Teatro Novo de Nápoles. Diz ao farmacêutico que quer recuperar a voz perdida durante os ensaios da ópera "Il Campanello". Levando Annibale quase à loucura, toma os seus medicamentos para a voz e vai-se embora.

Finalmente só, Don Annibale Pistacchio encontra uma nota na sua porta. Esta continha uma ameaça de morte. O farmacêutico acorda Spiridone e pede-lhe que fique de guarda enquanto ele vai ter com sua mulher.

Spiridone tem uma ideia: prepara uma armadilha com os fogos-de-artificio que sobraram da festa de maneira a que no caso de entrar alguém estes rebentem denunciando assim o intruso e possível assassino.

A campainha toca. Entra um homem de idade avançada. Enrico mais uma vez. Este agora pede concelhos para a sua suposta mulher que se encontra doente. A longa litania sobre o estado da pobre mulher e possíveis medicamentos a serem usados levam Annibale quase ao desespero.

Quando finalmente Annibale volta ao seu quarto este esquece-se completamente dos fogos-de-artificio e detona-os acordando todo o bairro.

A campainha toca pela última vez. Desta vez são os familiares do farmacêutico que o vêem buscar para irem para Roma. São seis da manhã e Annibale cheio de sono, não tem alternativa senão ir com a sua família. Este tem que estar presente para a leitura do testamento de sua tia.

O farmacêutico segue assim para Roam, levando consigo a amarga lembrança de ter desperdiçado a sua noite de núpcias.