Ouvir
A Propósito da Música
Em Direto
A Propósito da Música Alexandre Delgado

Concertos

CMAG | 02 NOV 2011

Concerto Antena 2

|

 


Casa-Museu Dr. Anastácio Gonçalves


Machina Lirica Duo

Monika Streitová | Flauta
Pedro Rodrigues | Guitarra

Programa “Iberia”

J. Vianna da Motta: 3 Scenas Portuguezas Op. 9 *

S. Carvalho: Begin at the beginning and go on till you come to the end: then stop
Fernando Lopes Graça: Melodias Rústicas, caderno IV


J. Rodrigo Serenata al alba del dia

A. P. Vargas 4 peças *

E. Granados Danzas españolas Nºs 2,4,5*

M. de Falla Danza Española Nº 1 de La Vida Breve*

*Transc. Pedro Rodrigues

IMAGENS

A estreia do Machina Lirica Ensemble decorreu no prestigiado Festival Musica Viva onde receberam de imediato excelentes críticas tanto do público como da imprensa especializada: "Destaquem-se ainda os espetaculares intérpretes Monika Streitová (flauta) e Pedro Rodrigues (guitarra), que mostraram que a música contemporânea tem hoje em Portugal soberbos intérpretes à disposição." (Jornal Público). Monika Streitová e Pedro Rodrigues executaram em estreia absoluta mais de 170 obras, muitas delas dedicadas a estes intérpretes. Tais obras abrangem diversas formações, de peças a solo, solo com electrónica, duos, formações de música de câmara até concertos com orquestra. Apresentaram-se em salas como Carnegie Hall de Nova Iorque, a Salle Cortot de Paris, National Concert Hall de Taipei, Ateneo de Madrid, Endler Hall de Cape Town, CCB, Casa da Música, Grande Auditório da Fundação Gulbenkian e ainda em festivais de música contemporânea como Festival de Outono de Varsóvia, Elektronische Frűhling (Viena), MÚSICA VIVA de Lisboa, Porto e Coimbra, MELOS-ETHOS, Bratislava Musical Festival, Forfest Kromeríz, Ostrava Days of New Music, Evenings of New Music Bratislava, Musica Iudaica Prague, NEW MUSIC MARATHON Prague, the International Festival of Contemporary Music in Krakow, Silesian Festival (Katowice), Festival de século XX e XXI, City of London festival, Festivais de Outono de Aveiro, Festival Internacional de Música Contemporânea de Salvador (Brasil). A estes dois músicos junta-se o compositor José Luís Ferreira, professor na Escola Superior de Música de Lisboa com obras apresentadas por diversos agrupamentos portugueses (Remix Ensemble / Orchestrutópica / Sinfonietta de Lisboa / Ricercare / Saxofínia / MAchina Mundi). "O nome Machina Lirica define o carácter deste ensemble: precisão e sensibilidade. É um prazer escutar estes dois excelentes músicos tocando. Definem-se pelo seu profissionalismo, e pelo cuidado na
interpretação." João Pedro Oliveira. O Machina Lirica Ensemble constituído por solistas de eleição é um representante ímpar da nova geração emergente. De par com as suas capacidades técnicas e interpretativas surpreendentes, está uma dedicação especial à criação musical afirmada por uma estreita colaboração e cumplicidade com os compositores, aliás bem expressa pelo elevadíssimo número de estreias absolutas a que deram voz. Miguel Azguime



PROGRAMA IBÉRIA

A criação do programa "Ibéria” teve origem no convite para a participação no renomado Festival Internacional "Colores Flamencos" OLOMOUC 2011 na República Checa. Do programa fazem parte composições originais de compositores portugueses e espanhóis para flauta e guitarra, assim como transcrições do guitarrista Pedro Rodrigues. Este músico, juntamente com a flautista Monika Streitová são os protagonistas de Machina Lírica Duo. O nome do grupo foi inspirado num poema de delicada beleza bizarra do poeta pós-surrealista português, Helbert Helder. A combinação incomum das duas palavras reflete a natureza intrínseca do ideal estético do grupo – o músico como uma máquina com alma e espírito – e marca o padrão para a rigorosa escolha do repertório. A ideia central da dramaturgia do concerto baseia-se no objectivo de colocação no mesmo contexto de composições portuguesas e espanholas inspiradas pela cultura nacional dos dois países que durante vários séculos tiveram hegemonia no continente europeu e dominaram muitos povos em diversos continentes. A semelhança entre as duas línguas – portuguesa e espanhola, reflete-se também na música onde se pode encontrar elementos comuns, tais como: o senso da melodia e a ornamentação. Há, no entanto, muitas diversidades do carácter musical. As composições portuguesas respiram uma melancolia típica, têm uma elegância subtil e contém uma dimensão mais meditativa. Já as composições espanholas são mais dinâmicas pelo seu temperamento apaixonado. O subtexto lírico também está presente nestas, mas diferentemente e de uma forma bela. Ao colocá-las no mesmo contexto abre-se assim a possibilidade de comparar a miscelânea de semelhanças e de diferenças. O programa “Ibéria” tem uma grande variedade de cores, ritmos e cheiros. Reanima a poética do passado e permite reviver histórias esquecidas, e o ouvinte não precisa de debruçar-se sobre a questão de quem foi realmente o mérito no descobrimento do novo mundo.


Monika Streitová