Ouvir
Raízes
Em Direto
Raízes Inês Almeida

Concertos

ESC | 15 março 2013

|



AUDITÓRIO DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMÕES
Dia 15 às 19h00

Programa

Ciclo de Música de Câmara
Sexteto de Cordas de Dvořák
Solistas da Metropolitana (Moscow Piano Quartet)
Alexêi Tolpygo, violino
Carlos Damas, violino
Alexandre Delgado, viola
Valentin Petrov, viola
Guenrikh Elessine, violoncelo
Peter Flanagan, violoncelo


F. Schubert (1797-1828) Trio de cordas em si bemol maior, D. 471

A. Dvořák (1841-1904) Sexteto de cordas em lá maior, Op. 48
(B. 80)
I. Allegro moderato
II. Dumka: Poco allegretto
III. Furiant: Presto
IV. Finale: Tema con variazioni - Presto

Peter Flanagan | violoncelo

Nasceu na Irlanda do Norte em 1966. Aí começou a estudar piano e violino aos sete anos de idade e, já em 1977, iniciou então os seus estudos de violoncelo na Escola de Música de Belfast, com Janet Ferguson. Frequentou na mesma escola a classe de música de câmara de Heinz Hammerschlag e, sob a orientação deste professor, recebeu variadíssimos prémios nos Festivais de Música locais. Em 1985 entrou no Royal Northern College of Music, Manchester, onde prosseguiu os seus estudos com Emma Ferrand. Dois anos mais tarde, foi galardoado com uma bolsa de estudos pela Academia Internacional de Música Menuhin (IMMA) em Gstaad (Suíça), sob a direção direta do violoncelista romeno Radu Aldulescu. Tomou então posição como violoncelista principal da Camerata Lysy Gstaad, na época dirigida pelo violinista argentino Alberto Lysy. Teve aí a oportunidade de tocar com artistas de renome internacional tais como Yehudi Menuhin, Isaac Stern e Nikita Magaloff, em vários concertos apresentados na Europa e Estados Unidos da América. Atualmente é violoncelista na Orquestra Metropolitana de Lisboa e professor da Academia Superior de Orquestra.

Alexêi Tolpygo | violino

Nasceu em Moscovo em 1965, numa família de músicos, e começou a tocar violino aos 5 anos de idade. Em 1971 deu entrada na Escola Especial de Música de Gnêssin, na classe da Professora Svetlova. Em 1979 ganhou o concurso internacional juvenil “Concertino-Praha 79” na Checoslováquia. Em 1983 terminou a Escola Especial de Música de Gnêssin e ingressou no Instituto Superior de Música e Pedagogia de Gnêssin (classe da Professora Akhtiámova), onde obteve o Diploma de Licenciatura em 1990, tendo também estudado a disciplina de quarteto com o professor Valentin Berlinski, violoncelista do famoso Borodin String Quartet. Em 1987 ingressou na Orquestra Filarmónica de Moscovo sob a direção do maestro Dmitri Kitaenko e, posteriormente, do maestro Vassily Sinaiski, tendo na mesma altura sido convidado a colaborar com as orquestras Soviet Festival Orquestra e State Chamber Orquestra. Com estas formações atuou em mais de 30 países. Em 1991 foi convidado pelos colegas da Escola e Instituto a integrar um grupo de música de câmara intitulado Moscow Piano Quartet. Em 1993, este quarteto veio residir para Portugal, a convite da Escola Profissional de Arcos do Estoril e, desde então, tem efetuado muitos concertos no país e no estrangeiro. Entrou em 1996 como violinista para a Orquestra Metropolitana de Lisboa, tendo realizado com esta formação inúmeros concertos, quer a solo quer de música de câmara. Colaborou entretanto com a Orquestra Nacional do Porto, tendo formado nesta mesma cidade o Trio Portus Caleo. Integrou também diversos projetos da OrchestrUtopica. Trabalhou, de 2007 a 2009, com a Orquestra Nacional Russa sob a direção do Maestro Mikhail Pletnyóv. Colaborou neste período com o Brahms Trio, com o qual executou muitos concertos internacionais, tendo ainda gravado um CD. Regressou a Portugal na temporada 2009/10, retomando o seu lugar na Orquestra Metropolitana de Lisboa.

Carlos Damas | violino

Nasceu em Coimbra. Tem vindo a consolidar uma brilhante carreira internacional. A revista Gramophone descreve-o como: «Top technical marks…Portuguese violinist Carlos Damas boasts a clear, ringing tone and impressive dexterity.» A revista Inglesa The Strad escreve: «Portuguese virtuoso Carlos Damas is closer to the modern sensibilities and sound world of Thomas Zehetmair and Gidon Kremer… Damas with lightning technical reflexes and tonal flexibility… possesses a Szeryng-like finesse». Com três anos entrou para o Conservatório de Coimbra. Em Lisboa estudou violino com Vasco Brôco, Leonor Prado e Alexandra Mendes. Estreou-se como solista aos 15 anos, com a Orquestra da Radiodifusão Portuguesa. Viveu em Paris onde foi aluno de Jacqueline Lefèvre e do mestre Ivry Gitlis. Aí manteve encontros regulares com Sir Yehudi Menhuin, que o orientou no plano artístico e violinístico. Fez a estreia na capital francesa do Concerto para violino de Luís de Freitas Branco. Em 1997 foi o único músico ocidental convidado a participar no Quinto Festival de Artes da República Popular da China. Tem-se apresentado nas mais importantes salas e festivais internacionais, em recital, a solo com orquestra e em formações de câmara. Foi convidado pela Melody Dialogue Association (UNESCO) a participar como solista numa série de concertos multiculturais em representação de Portugal. Em 2009 recebeu o título de Residente Permanente atribuído pela Região Especial Administrativa de Macau. O compositor Sérgio Azevedo dedicou-lhe a obra Sonatas para violino solo, bem como Reflections on a Portuguese Lullaby para violino e orquestra de cordas, estreada nos Estados Unidos em junho de 2010. O registo Modern Solo Violin Music (Dux Recordings de Varsóvia) mereceu os elogios da crítica internacional e foi incluído na seleção de melhor disco pela ARTEtv. Em 2009 foi lançado o CD dedicado a Fritz Kreisler, gravação também elogiada pela crítica internacional. Assinou contrato com a editora Naxos, tendo o primeiro CD saído em 2011 com as Sonatas para violino e piano de Luís de Freitas Branco. Ainda em 2011, gravou a obra de câmara de António Fragoso para a editora Brilliant Classics. Fez recentemente diversas master classes no Peabody Institute, em Baltimore, e vários concertos em Washington D.C, um dos quais para a comunidade diplomática. Das orquestras com as quais se apresentou como solista destacam-se a Orquestra Sinfónica da Radiodifusão Portuguesa, Winnipeg Symphony Orchestra, Camerata de St. Severin, Orchestre Internationale de la Cité, Orquestra Sinfónica de Cantão, Orquestra de Macau, Camerata da Madeira, Prague Philarmonic Orchestra, St. Luke’s Orchestra, Mission Chamber Orchestra. Após vários anos dedicados à interpretação das obras mais importantes do repertório violinístico clássico, Carlos Damas dedica especial atenção à interpretação de obras de compositores portugueses bem como a obras menos tocadas de compositores «clássicos».


Alexandre Delgado | viola

Compositor e violetista, nasceu em Lisboa em 1965. Estudou na Fundação Musical dos Amigos das Crianças e foi aluno em composição de Joly Braga Santos e de Jacques Charpentier, tendo-se diplomado com o 1.º prémio de composição do Conservatório de Nice em 1990. Aluno em violeta de Barbara Friedhoff, foi vencedor do Prémio Jovens Músicos em 1987 e membro da Orquestra Juvenil da União Europeia e da Orquestra Gulbenkian. É autor da ópera de câmara O Doido e a Morte (cuja estreia dirigiu no Teatro Nacional de São Carlos em 1994 e no Theater Am Halleschen Ufer em Berlim), do Concerto para violeta e orquestra (que estreou como solista em Portugal, Espanha e Holanda), da ópera A Rainha Louca (cuja estreia dirigiu no CCB em julho de 2011) e da lenda Santo Asinha para barítono e orquestra, sobre poema de Frederico Lourenço (cuja estreia dirigiu em Alcobaça em 2010). Assina o programa A Propósito da Música na Antena 2 desde 1996 e é autor dos livros A Sinfonia em Portugal, A Culpa é do Maestro (crítica musical) e Luís de Freitas Branco, publicados na Editorial Caminho. Diretor do Festival de Música de Alcobaça desde 2002, é membro do Quarteto com Piano de Moscovo desde 2005 e freelancer como instrumentista, conferencista e comentador de concertos.


Valentin Petrov | viola

De origem búlgara, formou-se em viola com o Professor Chilikov no Conservatório de Sófia, tendo nos dois anos seguintes frequentado várias master classes de viola. Efetuou gravações para a Rádio e para a Televisão e atuou como solista à frente da Orquestra Sinfónica de Sófia e da Orquestra de Câmara Búlgara. Foi ainda Primeiro Viola da Orquestra da Rádio de Sófia e da Orquestra de Câmara Studio Concertante, além de ter participado em várias digressões na Europa e no Japão. Integrou como Primeiro Viola a Nova Filarmonia Portuguesa bem como o Quarteto de Cordas desta Orquestra. Desde setembro de 1992 é violetista da Orquestra Metropolitana de Lisboa e professor na Academia Superior de Orquestra.