Ouvir
Vibrato
Em Direto
Vibrato Pedro Rafael Costa

Concertos

Javier Subatin - Trance Trio | 3 Junho | 19h00

Antena 2 | Liceu Camões

|

Javier Subatin - Trance Trio | 3 Junho | 19h00 Javier Subatin - Trance Trio | 3 Junho | 19h00

© Jorge Carmona / Antena 2


3 Junho | 19h00

Transmissão direta
a partir do Auditório do 
Liceu Camões 
Concerto à porta fechada


Javier Subatin  | Trance Trio 


Javier Subatin, guitarra e composição
João Mortágua, saxofone
Diogo Alexandre, bateria


Programa 

Trance #1 
Trance #8 
Trance #2 
Solo#2
Trance #5 
C Jam Blues 



Na série Trance, contrastando com seus trabalhos anteriores, Javier aborda a composição através do uso de pequenas ideias musicais. Esse espírito de repetição leva os músicos a um transe que culmina com a improvisação, pelo qual os músicos se tornam parte do processo de composição em tempo real, dando um lugar de destaque à interação musical. 
Ao ouvir o trio Trance, encontramos partes completamente improvisadas, contrapontos complexos escritos, ritmos e texturas acentuados, resultando em um projeto de jazz contemporâneo com um estilo eclético que buscará elementos da música folclórica à música eletrônica, passando pela improvisação livre, música clássica e o background de jazz de músicos. Finalmente, a configuração incomum de saxofone, guitarra e bateria faz com que os músicos enfrentem o desafio da baixo ausente, o que de fato acaba sendo um impulso para o trio explorar lugares incomuns.







Transmissão direta
Apresentação: João Almeida
Produção: Anabela Luís





Javier Subatin
 |
 Nasceu em Buenos Aires em 1985 e agora vive em Lisboa.
A sua música teve reviews em variados blogs e revistas de música e foi descrita como um “bom exemplo de jazz contemporâneo finamente esculpido e melódico à vontade. Lirismo suave, inscrito em um universo sinuoso ”(culturejazz.fr).
Iniciou seu percurso na atual cena do jazz em 2018 com o lançamento de sua primeira gravação, Autotelic, com o apoio da Sintoma Records e da Antena 2.
Antes disso, aos 17 anos, foi finalista no Oscar Alemán Jazz Guitar Competition 2002 na Argentina e mais tarde foi semi-finalista no Montreux Jazz Guitar Competition 2015. Como compositor, foi nomeado para participar do Komeda Jazz Composers Competição 2017.
Posteriormente, em 2018, ganhou um apoio da Fundação GDA para a produção de seu segundo álbum Variaciones. E em 2019, foi finalista no Euroradio Jazz Competition no Copenhaguen Jazz Festival na Dinamarca.
Atualmente, possui três projetos nos quais explora diferentes configurações de grupos e desafios de composição. Sua primeira gravação, Autotelic, é baseada numa dupla de piano e guitarra com o renomado pianista de jazz português João Paulo Esteves da Silva. O seu segundo álbum, Variaciones, conta com a colaboração de alguns dos músicos de jazz mais relevantes de Portugal. Variaciones estreou em 2019 no Hot Club de Portugal e Porta Jazz, e foi lançado em março de 2020. Sua terceira gravação, que será lançada em junho de 2020, é um trio de guitarra, saxofone alto e bateria chamado Trance Trio. Com este projeto, ele se apresentou em festivais como o Copenhagen Jazz Festival, o Südtirol Jazz Festival e o Somersby Out Jazz.
Javier também trabalha na composição de música erudita e sua peça Pensando Vientos (para flauta, clarinete, quarteto de trompas e cordas) foi selecionada para fazer parte de um workshop na conferência anual da Royal Music Association em Bristol.
Em 2019, concluiu o mestrado em performance de jazz na Escola Superior de Música de Lisboa (Instituto Superior de Música de Lisboa) e, em 2017, ganhou uma bolsa de investigação no Departamento de Banda de Vento, dirigido por Alberto Roque. Durante o curso de mestrado, ele desenvolveu dois projetos de investigação sobre jazz contemporâneo, criatividade e composição. Escreveu um artigo sobre a realidade atual da composição de jazz contemporáneo, para o qual entrevistou 11 dos mais renomados compositores contemporâneos de jazz da Europa, América Latina e Estados Unidos, incluindo Carla Bley, David Liebman, Dan Tepfer, Ed Neumeister, Julian Arguelles, Reinier Baas, Roberto Bonati e Jon Balke. Este projeto foi selecionado para ser apresentado na conferência Nova Contemporary Music Meeting, em Lisboa. Javier está a trabalhar num artigo sobre o processo criativo na composição do jazz contemporâneo, para o qual entrevistou Carlos Bica, Mario Laginha, Carlos Azevedo, André Fernandes, Pedro Melo Alves e João Barradas.
Em 2020, Javier fundou o projeto Composers and Improvisers Community Project, onde músicos de diferentes partes do mundo apresentam vídeos exclusivos e gravações colaborativas através da plataforma online Patreon.



João Mortágua | Natural de Estarreja, concluiu o curso básico de piano e o oitavo grau de saxofone no Conservatório de Música de Aveiro, onde integrou a Big Band, o Quarteto de Saxofones e a Banda Sinfónica. Paralelamente frequentou masterclasses com o Quarteto de Saxofones de Amesterdão, tendo também integrado a Orquestra Juvenil do Centro. Dado o crescente interesse pelo jazz, partiu em 2005 para Lisboa, onde frequentou a escola de jazz do Hot Club de Portugal.
Licenciado em Jazz pela Escola Superior de Música e Artes do Espectáculo (ESMAE-Porto), integrou o Septeto premiado na Festa do Jazz do S. Luiz 2007. Participou no 39º Seminário do Siena Jazz, tendo obtido uma bolsa para a 40ª edição. Tocou em inúmeros espaços e festivais nacionais, incluindo o Guimarães Jazz, Festival de Jazz de Portimão e Festival de Jazz de Valado dos Frades.
Mortágua, músico destacado como um dos valores seguros do jazz nacional, tem tido nos últimos anos uma intensa atividade artística, tocando e gravando com Nuno Ferreira, Miguel Moreira, Filipe Teixeira, Bruno Pernadas, Alexandre Coelho, Nelson Cascais, André Santos, Carlos Bica e André Fernandes, entre outros. Em seu nome editou dois outros álbuns, Janela (2014) e Mirrors (2017) para além de AXES, também de 2017.
AXES é o seu mais recente projeto. Com esta formação Mortágua explora as texturas de quatro saxofones e duas baterias, sem recurso a qualquer instrumento harmónico, propondo um resultado contemporâneo, profundamente marcado pela procura de uma linguagem artística própria, com a qual tem vindo a pautar toda a sua exploração musical:
“Pirâmide quadrangular assente em ripas estridentes. Fusão entre o erudito e o urbano. Ode ao pássaro citadino e à geometria pagã”
Sobre o álbum de estreia, editado em 2017, disse a crítica que é “um disco excelente de ouvir, (…) com ideias musicais muito interessantes de seguir” (jazz.pt), “cada melodia abre um caminho amplo, derrubando tudo à sua frente” (Bird is the worm); foi eleito ‘álbum do ano’ pela JazzLogical; e mais recentemente disse ainda Ian Patterson, da All About Jazz, na cerimónia de encerramento da European Jazz Conference: “Esta é alguma da música mais vanguardista a ser feita na Europa neste momento; os AXES são um exemplo da música nova que os festivais deveriam estar a celebrar nos seus cartazes.”
Depois de atuarem em festivais como o Spring On! (Casa da Música), 8º Festival Porta Jazz (Rivoli), KM.251 (Ponferrada) ou o Internationales Jazz Festival (Muenster), ciclos como o de Jazz de Ponte de Lima ou o Jazz ao Largo (Barcelos), e noutros espaços como o Gnration (Braga), o Salão Brazil (Coimbra) ou os Jardins do Palácio de Cristal (Porto), marcam este ano presença nos festivais de jazz de Suedtirol e de Belgrado, para além do Angrajazz, entre outros. Em dezembro voltarão a estúdio com o intuito de gravar o seu segundo álbum.
Em 2017 Mortágua recebeu a distinção de “Músico do Ano” nos Prémios RTP / Festa do Jazz, mas promete não ficar por aqui.
Podem esperar um espectáculo pleno de energia, emoção, interação, fulgor, humor e alguma teatralidade.



Diogo Alexandre
 | Baterista Português nascido em 1998. É especialmente conhecido por seu distinto estilo de bateria, cuja voz única nunca passa despercebida, independentemente do contexto musical, talvez um reflexo de sua necessidade de superar a si mesmo e empurrar a música e improvisação para níveis cada vez mais altos.
O seu interesse pela música cresceu desde cedo, tendo sido motivado por sua mãe, ela mesma musicista. Deu os seus primeiros passos musicais na percussão clássica, mas o seu interesse gradualmente começou a declinar, tendo desistido depois de 5 anos como resultado de se sentir infeliz com o método de ensino. Em consequência disso, decidiu que queria tocar bateria. Aos 13 anos, a mãe deu-lhe a sua primeira bateria e, aos 14 anos, afastou-se de casa para estudar jazz numa escola de jazz em Coimbra. Daqui em diante, a sua vida mudou completamente, não tendo deixado de seguir os seus objetivos e a sua paixão pela música.
Depois de se mudar para Lisboa em 2016, para estudar jazz na universidade, começou a atuar regularmente, ganhando experiência musical e de vida valiosas. Aos 19 anos já tocava ao lado de artistas como João Barradas, Jeffery Davis, João Paulo Esteves da Silva, Pedro Moreira, Óscar Graça, Carlos Barretto, Victor Zamora, André Fernandes, Damien Cabaud, Eduardo Cardinho, entre outros. Ganhou vários prémios nacionais de música, incluindo “Melhor Artista” (2015 e 2017) e “Melhor Ensemble” (2015) no São Luiz Jazz Fest em Lisboa. Além disso, participou da gravação do AUTOTELIC de Javier Subatin (2018), ao lado de alguns dos mais importantes músicos da cena jazzística portuguesa, designadamente Desidério Lázaro, André Rosinha e João Paulo Esteves da Silva.
Mais recentemente, foi selecionado para se apresentar no Festival d'Aix-en-Provence como parte de um conjunto intercultural liderado por Fabrizio Cassol com músicos de todo o Mediterrâneo.
Atualmente, apresenta-se com artistas como Miguel Calhaz, Javier Subatin e Victor Zamora, explorando o repertório musical que vai do jazz à world music, e também está trabalhando no novo álbum do Zé Cruz como parte do projeto USSEGUNDU.













Fotos Jorge Carmona / Antena 2