Ouvir
Mezza-Voce
Em Direto
Mezza-Voce André Cunha Leal / Produção: Susana Valente

Concertos

Maria João Pires e Talar Dekrmanjian | 30 Janeiro | 21h00

Grande Auditório

|

Maria João Pires e Talar Dekrmanjian | 30 Janeiro | 21h00 Maria João Pires e Talar Dekrmanjian | 30 Janeiro | 21h00

© Jorge Carmona / Antena 2


30 Janeiro | 21h00

Realização e Apresentação: Reinaldo Francisco 
Produção: Alexandra Louro de Almeida / Cristina do Carmo / Zulmira Holstein

Gravação pela Antena 2/RTP
no Grande Auditório da Fundação Gulbenkian
Lisboa, a 23 de Setembro de 2019    


Maria João Pires e Talar Dekrmanjian 

Maria João Pires, piano
Talar Dekrmanjian, soprano



Programa

Franz Schubert - Impromptus, D. 935 (nº 1 e nº 2)

Komitas - [Canções arménias]
Karoon a – É Primavera
Yerginkn amber e – O Céu Encoberto
Yes Saren goukai – Desci dos Montes
Es Aroun – Este Ribeiro
Canção para piano solo nº 1: Semplice
Oror – Canção de Embalar
Hov arek – Dai frescura
Alakyaz – Monte Alagyaz
Khngi dzar – Árvore de Incenso
Es kisher Lousna kisher – Esta Noite ao Luar
Kele, Kele – Sobe e Desce
Le Le yaman – (Oh, que catástrofe)
Andouni – Sem Lar


Franz Schubert - Impromptus, D. 935 (nº 3 e nº 4)

Komitas - [Canções arménias]
Dzirani Dzar – O Damasqueiro
Keler Tsoler – Lesta, Radiante
Groong – O Grou
Ervoom em – Ardo de Amor
Gakavi yerk – Canção da Perdiz
Shogher jan – Querida Shogher
Hoy Nazan – Oh, Nazan
Shakhgr Shookhgr – (Tine e Retine)
Canção para piano solo nº 3: Allegro non troppo
Akh Maral jan – Ah, Querida Maral
Tchinar es – Como um Choupo





Após uma longa ausência dos palcos portugueses, e numa altura em que deixou de fazer digressões e se retirou do frenesim exigido pelo circuito das maiores salas mundiais, Maria João Pires abre uma exceção e regressa à Gulbenkian Música na companhia da soprano arménia Talar Dekrmanjian. É o primeiro de três recitais que Maria João Pires protagoniza ao longo da temporada e que nos devolve ao contacto com o brilhantismo interpretativo da celebrada pianista portuguesa.




Para consultar o Programa de salaclicar aqui.



Maria João Pires | Nasceu em Lisboa em 1944. Tocou pela primeira vez em público aos quatro anos de idade e aos cinco deu o seu primeiro recital. Foi aluna de piano de Campos Coelho, tendo estudado também com Francine Benoît. Posteriormente prosseguiu a sua formação musical na Alemanha, com Rosl Schmid e Karl Engel. 
Como solista de concerto e em recital, tornou-se na mais célebre pianista portuguesa de sempre e uma das artistas mais destacadas internacionalmente. A sua carreira passou pelos principais palcos mundiais, onde colaborou com maestros de renome internacional e com as mais prestigiadas orquestras. Destaque também para as suas inspiradas e muito aplaudidas gravações como solista e no domínio da música de câmara. 
Desde a década de 1970, Maria João Pires tem-se também dedicado a refletir sobre a influência da arte na vida, nas comunidades e na educação. O seu objetivo é o de encontrar novas formas de afirmação desta linha de pensamento na sociedade, respeitando o desenvolvimento dos indivíduos e das culturas e encorajando a partilha de ideias. 


Em 1999 criou o Centro de Artes de Belgais, para o estudo das artes em Portugal, lugar onde organiza regularmente workshops interdisciplinares para músicos profissionais e amadores, além de concertos e gravações. Num futuro próximo, estes poderão ser partilhados com a comunidade digital internacional. Em 2012, na Bélgica, Maria João Pires iniciou dois projetos complementares: os Partitura Choirs, um projeto de coros infantis destinado a crianças oriundas de ambientes socialmente desfavorecidos como o Hesperos Choir e os Partitura Workshops. Todos os projetos Partitura têm como objetivo criar uma dinâmica altruísta entre artistas de diferentes gerações, propondo uma alternativa a uma realidade demasiado focada na competitividade, uma filosofia que tem vindo a ser divulgada internacionalmente.



Talar Dekrmanjian | A soprano arménia nasceu em Aleppo, na Síria. Estudou no Conservatório de Maastricht, na Holanda, na École Normale de Musique de Paris Alfred Cortot e no Estúdio de Ópera do Théâtre Royal de La Monnaie, em Bruxelas. Muito elogiada pela crítica, a sua personalidade artística engloba os papéis de ópera mozartianos, bem como os de Verdi e de Puccini. Estreou-se nos palcos de ópera como Fiordiligi (Così fan tutte) em Maastricht, tendo em seguida interpretado, entre outras personagens: Lauretta (Gianni Schicchi), na Ópera de Damasco; Cinderela (de Massenet), no La Monnaie, no Teatro Real do Luxemburgo e na Ópera de Massy, em Paris; Elisetta (Il matrimonio segreto de Cimarosa), no Teatro Nacional de Bruxelas, Micaëla (Carmen de Bizet), no Festival Internacional de Música de Weikersheim, na Alemanha; Donna Anna, Condessa de Almaviva e Fiordiligi, num tributo a Mozart/ Da Ponte, com a Orchestre Royal de Chambre de Wallonie. Em julho de 2015 estreou-se na Royal Opera House, em Londres, tendo interpretado o papel de Wadha da ópera contemporânea Cities of Salt, do compositor sírio Zaid Jabri. 
Em paralelo com as récitas de ópera, Talar Dekrmanjian apresenta-se também com regularidade em concerto, interpretando obras como o Messias de Händel, com a Vlaams Radio Orkest, ou o Requiem de Mozart, com a London Chamber Orchestra. Outros prestigiosos palcos onde se apresentou em concerto ou em recital incluem a Salle Cortot, em Paris, o Alice Tully Hall do Lincoln Center, em Nova Iorque, a Ópera de Tóquio, o Teatro Carlo Felice de Génova, ou a Casa Internacional da Música de Moscovo. 
Desde 2015, Talar Dekrmanjian colabora com a pianista Maria João Pires em várias atividades, as quais incluem também projetos sociais, especialmente os dirigidos a coros infantis, levando a música clássica às áreas e locais mais populares. Um projeto em curso incluiu a gravação de obras do compositor arménio Komitas. 



Fotos Jorge Carmona / Antena 2