Ouvir
Caleidoscópio
Em Direto
Caleidoscópio JOÃO DOMINGOS BOMTEMPO-UM COMPOSITOR EUROPEU

Concertos

Pedro Amaral e Vadim Repin | 29 Julho | 21h00

Grande Auditório

|

Pedro Amaral e Vadim Repin | 29 Julho | 21h00 Pedro Amaral e Vadim Repin | 29 Julho | 21h00

29 Julho | 21h00

Grande Auditório
Realização e Apresentação: Reinaldo Francisco 
Produção: Susana Valente

Gravação da Radiotelevisão Italiana (RAI)
no Festival Milano Musica
no Teatro Alla Scala, em Milão, 
a 16 de maio de 2022


Vadim Repin, violino
Orquestra Sinfónica Nacional da RAI
Direção de Pedro Amaral


Programa
Para recordare Luciana Pestalozza e Claudio Abbado

Sofia Gubaidulina - Dialog: Ich und Du, Concerto p/ violino Nº 3
[Encomenda do Festival de Artes Transiberiano. Estreia em Itália]

Arvo Pärt - La Sindone para violino e orquestra
[Primeira apresentação da nova versão em Itália ]

Dmitri Chostakovitch - Sinfonia Nº 15 em lá maior, Op.141




Vadim Repin dedica o concerto à paz e aos valores democráticos da humanidade, fraternidade e solidariedade entre as populações e doa-o à Milano Musica para a encomenda de novas obras, apoiando o "Fondo per la nuova musica" criado pela Associação.





Este Grande Auditório, além do concerto, inclui uma conversa com o maestro Pedro Amaral, por Reinaldo Francisco



Vadim Repin | Violinista belga nascido na Rússia que vive em Viena.
Nasceu na Sibéria em 1971 e venceu todas as categorias da competição de Wienawski aos onze anos. As suas estreias em Moscovo e São Petersburgo ocorreram logo a seguir, e aos 14 anos fez sua estreia em Tóquio, Munique, Berlim e Helsínquia, e um ano depois no Carnegie Hall em Nova York. Aos 17 anos, foi o mais jovem vencedor do Concurso Rainha Elisabeth. Desde então, tocou com as orquestras e maestros mais importantes do mundo e em todos os grandes centros musicais.
Vadim Repin gravou os grandes concertos russos para violino de Shostakovich, Prokofiev e Tchaikovsky para a Warner Classics. Para a Deutsche Grammophon gravou o Concerto para Violino de Beethoven e a Sonata Kreutzer com Martha Argerich com a Filarmónica de Viena e Riccardo Muti, e o Concerto para Violino e Concerto Duplo de Brahms (com Truls Mørk, violoncelo) com a Orquestra Gewandhaus e Riccardo Chailly. Os trios de Tchaikovsky e Rachmaninov pela Deutsche Grammophon, com Mischa Maisky e Lang Lang ganharam o Echo Prize, e um CD de sonatas de Grieg, Janacek e César Franck com Nikolai Lugansky ganhou o BBC Music Award. Em 2010 foi galardoado com a mais alta distinção francesa, a Victoire d'Honneur e o título de Chevalier de l'Ordre des Arts et Lettres pelos seus serviços à música. Em Pequim foi nomeado Professor Honorário do Conservatório Central de Música em 2014 e em 2015 o Conservatório de Xangai também lhe concedeu este título.
Em abril de 2014 tornou-se fundador e Diretor Artístico do primeiro Transsiberian Arts Festival na magnífica nova sala de concertos de Novosibirsk e realizou estreias mundiais dos concertos para violino que lhe foram dedicados, "Voices of Violin" de Benjamin Yussupov, "De Profundis" de Lera Auerbach e em 2018 o concerto de violino "Diálogo: Você e eu" de Sofia Gubaidulina, também encomendado e dedicado a ele. Deu uma série de master classes a jovens violinistas na Universidade Mozarteum em Salzburgo, e foi jurado no Concurso de Regência Donatella Flick em Londres e no Concours Reine Elisabeth em Bruxelas.
Em digressão europeia com a Orquestra Filarmónica de Istambul Borusan, tocou a estreia mundial e inúmeras primeiras apresentações do concerto duplo "Shadow Walker" de Mark-Anthony Turnage, juntamente com Daniel Hope. Outros destaques recentes são as apresentações do programa "Pas de Deux" com a bailarina de renome internacional Svetlana Zakharova em Hong Kong, Mascate, Japão e Coréia, concertos no Festival Enescu Bucareste, em Verbier e no Festival de Montreal, com o RAI Torino Orquestra, apresentações do novo concerto para violino de Sofia Gubaidulina em Viena com a RSO dirigida por Andres Mustonen e em Leipzig com a Orquestra Gewandhaus e o maestro Andris Nelsons.
Vadim Repin toca num violino 'Rode' de 1733 de Antonio Stradivari.



Pedro Amaral | Nasceu em Lisboa, em 1972. Iniciou os seus estudos em composição como aluno privado de F. Lopes-Graça, a partir de 1986, ao mesmo tempo que prosseguia a sua formação musical geral, no Instituto Gregoriano. Ingressa em seguida na Escola Superior de Música de Lisboa (1991/94) onde conclui o curso de composição na classe de Christopher Bochmann.
Instala-se depois em Paris, onde estuda com Emmanuel Nunes no Conservatório Superior (CNSM). Quatro anos mais tarde, graduar-se-ia com o "Primeiro Prémio em Composição" por unanimidade do júri.
Estudou ainda direção de orquestra com Peter Eötvös (Eötvös Institute, 2000) e Emilio Pomarico (Milão, 2001).
Paralelamente à sua formação musical prática, Pedro Amaral prosseguiu estudos universitários na École des Hautes Etudes en Sciences Sociales, em Paris, obtendo um Mestrado em Musicologia Contemporânea, com uma tese sobre "Gruppen" de K. Stockhausen (1998) e, mais tarde, em 2003, um doutoramento com uma tese sobre "Momente" e a problemática da forma na música serial. Acerca desta sua vasta análise, K. Stockhausen declarou, in Le Monde de la Musique (Setembro 2003): "Trata-se de uma obra excelente com a qual aprendi imensas coisas" - o que o levou a convidar Pedro Amaral como seu assistente em diversos projetos.
Os seus estudos universitários levaram-no a desenvolver atividade no campo da musicologia e, desde 2009, tornou-se professor na Universidade de Évora, onde lecionou Composição, Orquestração e Estéticas Contemporâneas.
Pedro Amaral é autor de várias obras, entre as quais “Transmutations para Orquestra” e as óperas “O Sonho” e “Beaumarchais”. Em 2004 obteve o Prix de Rome, tendo sido compositor residente na Herrenhaus Edenkoben, na Villa Medici (Roma) e no Palazzo Lenzi (Florença). 
Trabalha regularmente com numerosas orquestras e ensembles, como maestro e compositor, em Portugal e no estrangeiro. 
Foi Diretor Artístico da Orquestra Metropolitana de Lisboa, com a qual gravou dois CD no âmbito de uma parceria entre a AMEC e a Imprensa Nacional.



Fotos © G. Hänninen