Ouvir
Caleidoscópio
Em Direto
Caleidoscópio DEGUSTAÇÃO MUSICAL

Concertos

Trio Sons Portucalenses | 13 Abril | 21h00

Antena 2 | Música da Primavera | Online

|

Trio Sons Portucalenses | 13 Abril | 21h00 Trio Sons Portucalenses | 13 Abril | 21h00

Festival Internacional de Música da Primavera de Viseu

13 Abril | 21h00

Transmissão pela Antena 2

a partir da Aula Magna do Instituto Politécnico de Viseu 
Concerto Online


Trio Sons Portucalenses


Patrícia Quinta, mezzo-soprano
Joaquim Pereira, flauta transversal
Augusto Pacheco, guitarra  
 

Programa
Versos sonoros

Alain Oulman (1928-1990) - Com que voz

Gabriel Fauré (1845-1924) - Les Papillons et la fleur

Camargo Guarneri (1907-1993) - Acalanto

Heitor Villa-Lobos (1887-1959) - Melodia Sentimental

Elis Regina (1945-1982) - Fascinação

Tom Jobim (1927-1994) - Insensatez

Joaquín Rodrigo (1901-1999) - Aranjuez, ma pensee

Caco Velho (1920-1971) - Barco Negro

Paulo de Carvalho (1947) - E depois do Adeus

Pedro Barroso (1950-2020) - Menina dos olhos d’água

Ennio Morricone (1928-2020) - Cinema Paraiso “Main Theme e Love Theme”



Três amigos de longa data. Três personalidades de formação erudita, de grande cumplicidade musical e pessoal, abrem novos caminhos de interpretação. A interseção da música erudita com a bossa-nova, do fado com o tango e com a chanson, numa performance de três intérpretes com percursos distintos que proporcionará um momento musical à procura de despertar emoções e sensibilidades a quem ouve. A agilidade da flauta, a harmonia da guitarra e a melodia da voz fundem-se num diálogo que tentará surpreender…



Transmissão direta
Apresentação: João Almeida
Produção: Anabela Luís



Patrícia Quinta | Natural do Porto. Graduada em Lied e Oratória pela Universidade de Música e Artes do Espectáculo de Viena (2007). Bacharel em Canto Teatral pelo Conservatório Superior de Música de Gaia (2002), na classe de Fernanda Correia. Durante a sua formação na Universidade em Viena estudou com Margit Klaushofer, especializando-se no domínio do Lied e Oratória com Charles Spencer e no domínio da ópera com Reto Nickler. 
Interpretou Afra- La Wally de A. Catalani, Rossweisse- Die Walkure de R. Wagner, Aufseherin- Elektra de R. Strauss, Marquesa de Berkenfield- La Fille du Regiment de G. Donizetti e Old Lady- Candide de L. Bernstein, todas produções do Teatro Nacional de São Carlos. 
Interpretou Sibila, na estreia mundial da ópera As três mulheres com máscaras de ferro com música de Eurico Carrapatoso e libreto de Agustina Bessa-Luís, numa co-produção da Fundação Calouste Gulbenkian e o Teatro Aberto, sob a direção de João Lourenço e João Paulo Santos. 
Tem realizado vários concertos destacando-se com a Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música o ciclo Rückert Lieder de G. Mahler e a 9ª Sinfonia de L. Beethoven no concerto do 10º aniversário da Casa da Música, sob a direção de Vasily Petrenko e Takuo Yuasa, respetivamente. 
Participou no Concurso Nacional de Canto Luísa Todi 2003, onde lhe foi atribuido o prémio Bocage (cantor revelação). 
Frequentou classes de aperfeiçoamento com Ulf Bästlein, Enza Ferrari, Elsa Saque, Laura Sarti, Rudolf Piernay, Grace Bumbry, Hilde Zadek e Christa Ludwig, as duas últimas de quem foi aluna durante o seu percurso em Viena. 
Tem como próximo projeto o papel de Terceira Dríade na ópera Rusalka de A. Dvorak no Teatro Nacional de São Carlos. 
É Licenciada em Psicologia pela Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto (2002). Professora de Canto na Academia de Música de Vilar do Paraíso e no Fórum Cultural de Gulpilhares.


Joaquim Pereira | Iniciou os seus estudos no Conservatório de Música do Porto, na classe de Flauta Transversal de Eduardo Lucena, tendo concluido o curso com Olavo Tengner Barros. Assistiu a Cursos de Aperfeiçoamento com os professores Trevor Wye, Herbert Weissberg, Marcos Fregnani, Michel Debost e Vicente Prats. 
Participou com a Orquestra Académica Metropolitana no Estágio de Direcção de Orquestra, dirigido pelo Maestro Jean Sebastian Bereau. 
Colaborou com a Orquestra Clássica da Madeira e a Orquestra Estúdio de Guimarães, ambas dirigidas pelo Maestro Rui Massena. 
Participou na elaboração de CDs de grupos como os Clã (“ Luso qualquer coisa”, de 1996); Vozes da Rádio (“O som maravilha dos senhores”, de 2000) e (“Mais perto…”, de 2000 e 2001); “Expensive Soul” (“Sonhador”, de 2014). 
Integrado em orquestra, participou na gravação do DVD do grupo Da Weasel (Pavilhão Atântico, em 2007); do DVD da Orquestra Clássica da Madeira (“Cantar Max”, no Tecnopolo do Funchal, em 2008); e do DVD dos Expensive Soul (“Symphonic Experience”, no Pavilhão Multiusos de Guimarães, em 2012). DVD “Expensive Soul” nos Coliseus em 2017. 
Lecionou a disciplina de Flauta Transversal nas Academias de Paredes, Oliveira de Azeméis e no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga. Presentemente é docente da disciplina de Flauta Transversal na Academia de Música de Vilar do Paraíso (AMVP) e dirige ainda o Ensemble de Flautas Transversais da AMVP. Com este grupo no ano de 2019 participou no participou no Festival Europeu de Música para Jovens de Neerpelt (Bélgica), alcançando o 1º Prémio. 
É Bacharel em Engenharia Geotécnica pelo Instituto Superior de Engenharia do Porto.


Augusto Pacheco | Iniciou os seus estudos musicais na Academia de Música de Vilar do Paraíso. Licenciou-se na Escola Superior de Música e das Artes do Espectáculo do Porto na classe de José Pina. Estudou em Paris, no Conservatoire National da Regiao d’Aubervilliers onde obteve o Premier Prix no Curso Superior de Guitarra na classe de Alberto Ponce. Com o mesmo professor estudou ainda na École Normale de Musique de Paris. Estudou Música de Câmara Antiga no Conservatoire Municipal Claude Debussy com Ilton Wjunisky, participando na apresentação da ópera Dido e Eneias de H. Purcell. Sob orientação de Paulo Vaz de Carvalho e do Maestro José Luis Borges Coelho concluiu o Mestrado (performance) na Universidade de Aveiro, com a dissertação “A obra para guitarra de Fernando Lopes-Graça”. Na sequência deste trabalho gravou em CD a integral da música de câmara com guitarra de Fernando Lopes-Graça Dedilhando Graça (2013).
Sob orientação de Paulo Vaz de Carvalho e de Jorge castro Ribeiro concluiu o Doutoramento (performance) na Universidade de Aveiro, com a dissertação “Alberto Ponce - «La musique avant tout» - sonoridade e digitações”. Frequentou cursos de aperfeiçoamento orientados pelos professores Robert Brightmore, Leo Brouwer, Abel Carlevaro, Jozef Zsapka, Betho Davezac, David Russel e Roland Dyens. 
Apresenta-se regularmente, a solo e com diversas formações de música de câmara, nos mais importantes festivais em Portugal. Tocou ainda em França e na Rússia. Em 2019 gravou o CD a solo Porto Poente. 
Tocou a solo com as orquestras Nacional do Porto, Clássica da Madeira, Esproarte, Filarmonia das Beiras e a Orquestra Russa Silver Strings. Foi ainda solista no II Estágio de Cordas Dedilhadas da Cidade de Braga, tendo como maestro Leo Brouwer e estreando, em Portugal, o concerto para duas guitarras e orquestra de guitarras – Concierto de Tricastin de Leo Brouwer. 
Obteve o 2º prémio no Concurso Internacional de Guitarra de Tomar (1º prémio não atribuído) e o 3º prémio no Concurso Internacional de Guitarra de Sernancelhe. 
Tem desenvolvido um intenso trabalho a duo com a flautista Raquel Lima - Duo Pourquoi Pas. Em 2007 gravou um CD intitulado Pourquoi Pas (2007) e, para celebrar os 20 anos de existência, gravou o CD Lux (2019) com obras portuguesas compostas para o efeito. 
É membro fundador do Quarteto de Guitarras Parnaso (Carlos David, Gonçalo Morais e Paulo Andrade), do Trio Sons Portucalenses (Patrícia Quinta e Joaquim Pereira) e do Duo Soledade (Gaspar Santos). 
Os Compositores Ângela Lopes, Eduardo Patriarca, Fabio Gorodski, Óscar Rodrigues, Nuno Peixoto, Fernando C. Lapa, Ricardo Ribeiro, Ricardo Abreu e Fernando Valente têm-lhe dedicado algumas das suas obras. 
É convidado regularmente para fazer parte do júri de concursos de guitarra, ministrar masterclasses e estágios de orquestra de guitarras. 
Fundou e dirige a Orquestra de Guitarras da Academia de Música de Vilar do Paraíso. Com esta Orquestra participou no Festival Europeu de Música para Jovens de Neerpelt (Bélgica), alcançando o 1º Prémio Cum Laúde (2002, 2011 e 2015). Obteve ainda o 1º Prémio nos concursos de Orquestras de Guitarras - Gofi Contest em Bad Neuheim-Frankfurt (2006) e Concurso Internacional Cidade de Fundão (2015). 
Realizou uma digressão na cidade de S. Petersburgo (2004), o concerto final na celebração do 31º aniversário do 25 de Abril da comunidade portuguesa na cidade de Paris (2005) e participou no Euro Jugendmusik Festival Offenburg (2009). Recentemente realizou uma digressão a Nova York tendo-se apresentado no Carnegie Hall (2016). A Orquestra gravou quatro CD’s - Cordas Soltas (2001), Comntrastes (2003), Plaisir (2005) e 20 anos Orquestra de Guitarras (2017). 
Dirigiu no ano 2002/2003 a Orquestra de Plectro do Porto. É maestro convidado da Orquestra Portuguesa de Guitarras e Bandolins. É docente na Academia de Música de Vilar do Paraíso, no Fórum Cultural de Gulpilhares e no Instituto Jean Piaget-Viseu.