Ouvir
Sol Maior
Em Direto
Sol Maior Pedro Rafael Costa

Cultura

As Vozes do Bairro | O Senhor Calvino | 13 Março 19h00

Teatro Radiofónico Levado à Cena

|

As Vozes do Bairro | O Senhor Calvino | 13 Março 19h00 As Vozes do Bairro | O Senhor Calvino | 13 Março 19h00

13 Março 19h00

As Vozes do Bairro
Teatro Radiofónico Levado à Cena

Apresentam

O Senhor Calvino por Álvaro Correia


Textos: Gonçalo M. Tavares
Direção artística: Teresa Sobral
Músico/sonoplasta: Miguel Curado
Ator: Álvaro Correia
Direção de Cena, Operação de Luz e Som: Diogo Aleixo


Sinopse

O Senhor Calvino é uma personagem que gosta de dar longos passeios e coloca constantemente desafios existentes a si próprio, tais como transportar pelo bairro uma barra metálica paralela ao solo, ou levar 10 Kg de terra de um local para outro, utilizando uma colher de chá – para treinar a paciência. 
Do alto de mais de trinta andares, alguém atira da janela abaixo os sapatos de Calvino e a sua gravata (quem?). Calvino não tem tempo para pensar, está atrasado, atira-se também da janela, como que em perseguição. Ainda no ar alcança os sapatos. Primeiro, o direito: calça-o; depois, o esquerdo. No ar enquanto cai, tenta encontrar a melhor posição para apertar os atacadores. Com o sapato esquerdo falha uma vez, mas repete, e consegue. Olha para baixo, já se vê o chão. 
Antes, porém, a gravata; Calvino está de cabeça para baixo e com um puxão brusco a sua mão direita apanha-a no ar e, depois, com os seus dedos apressados, mas certeiros, dá as voltas necessárias para o nó: a gravata está posta. Os sapatos, olha de novo para eles; os atacadores bem apertados; dá o último jeito no nó da gravata, bem a tempo, é o momento: chega ao chão, impecável.
Em determinados dias, o seu cérebro emocionava-o o suficiente, e por isso podia evitar outras emoções circunstanciais.



A partir de O Bairro de Gonçalo M. TavaresVizinhos uns dos outros, que nos abrem as portas de suas casas e oferecem instantâneos de uma realidade sui generis, com situações insólitas, cómicas, algumas cruéis, ou mesmo trágicas.
Este ciclo de Teatro Radiofónico começa por apresentar ao público seis Senhores. 
Seis livros, seis histórias, seis atores, seis espetáculos, vários micros; sapatos, panelas, lápis, pratos, porta, janela, água, tralha. Muita tralha. Um músico, um cadeirão e um belo candeeiro. 
A cada Senhor corresponde um livro, a cada livro corresponde um ator. Um músico que envolve o livro com os sons que o livro tem. Iremos retirar o Bairro do papel e transformá-lo numa onda sonora. 
Haverá dois públicos, "o que vê e ouve" e "o que ouve e imagina". O que vê e ouve estará connosco no teatro, vê o ator e o músico, vê como se produzem os sons que se vão ouvir na rádio, vê todo o espetáculo que o público que está em casa "ouve e imagina". Partilhamos assim, ao vivo, o Teatro Radiofónico. 

Teresa Sobral



Produção: Teatro da Trindade INATEL
Parceria: Antena 2
Apoios: Núcleo Museológico da RTP, Caminho/Leya
Programa com a captação, montagem e realização de Hugo Romano, edição de Anabela Luís e apresentação de Maria Alexandra Corvela