Ouvir
O Tempo e a Música
Em Direto
O Tempo e a Música Rui Vieira Nery / Produção: Cristina do Carmo

Destaques

Caleidoscópio I | Sábado 22h00 | Segunda 13h00 | Quarta 5h00

Torna Viagem | João Guilherme Ripper

|

Caleidoscópio I | Sábado 22h00 | Segunda 13h00 | Quarta 5h00 Caleidoscópio I | Sábado 22h00 | Segunda 13h00 | Quarta 5h00

A Antena 2 apresenta, a partir de 2 de Julho até ao final de Setembro, a série do programa Caleidoscópio intitulada Torna Viagem, da autoria de João Guilherme Ripper.


Sábados 22h00 | 2ª feiras 13h00 | 4ª feiras 5h00


Torna Viagem 
As idas e vindas da música entre Portugal e Brasil

Por João Guilherme Ripper


Autores e intérpretes cujo legado cruzou o Atlântico, entre Portugal e o Brasil

A série Torna viagem navega o percurso da música em Portugal e Brasil apresentando as suas origens comuns, histórias independentes, mútuas influências e os artistas que fizeram e fazem sucesso dos dois lados do Atlântico.

Torna Viagem tem roteiro da jornalista Luciana Medeiros e apresentação do ator Pedro Paulo Rangel. Em cada episódio, Pedro Paulo apresenta uma seleção musical sobre o tema e conversa com especialistas brasileiros e portugueses.
A criação e coordenação do programa está a cargo do compositor e regente brasileiro João Guilherme Ripper, Diretor da Sala Cecília Meireles no Rio de Janeiro. Torna Viagem é uma realização da Embaixada de Portugal em Brasília, Embaixada do Brasil em Lisboa, Instituto Camões, Movimento Patrimonial Vivo - MPMP, MEC FM, Antena 2 - RTP.


Ficha técnica
Apresentação: Pedro Paulo Rangel
Roteiro e entrevistas: Luciana Medeiros
Criação e coordenação: João Guilherme Ripper
Realização: Embaixada de Portugal em Brasília, Embaixada do Brasil em Lisboa, Instituto Camões, Movimento Patrimonial Vivo - MPMP, MEC FM, Antena 2 - RTP


Episódios

Ep. 1 | 2 Julho
As origens brasileiras do fado
Entrevistado: Rui Vieira Nery
Para ouvir, clicar aqui.


Ep. 2 | 9 Julho
Amália Rodrigues no Brasil
Entrevistado: Tiago Torres da Silva
Para ouvir, clicar aqui.




Ep. 3 | 16 Julho
Cordas dedilhadas: Jacob do Bandolim e Carlos Paredes
Entrevistados: Pedro Aragão e Paulo Soares
Para ouvir, clicar aqui.


Ep. 4 | 23 Julho
Ó, abre alas para Chiquinha Gonzaga em Portugal
Entrevistados: Edinha Diniz, Maria Teresa Madeira e Andrei Braga
Para ouvir, clicar aqui.



Ep. 5 | 30 Julho
Índios no Chiado: a estreia de Il Guarany no Teatro Nacional de São Carlos
Entrevistado: João Luiz Sampaio e Mario Vieira de Carvalho
Para ouvir, clicar aqui.


Ep. 6 | 6 Agosto
A música em Portugal e no Brasil no reinado de D. João V
Entrevistados: Marcelo Fagerlande, David Cranmer e André Luisa Teixeira
Para ouvir, clicar aqui.




Ep. 7 | 13 Agosto
A literatura vai ao teatro: a ópera em Eça de Queiroz e Machado de Assis
Entrevistados: Ana Paula Dias e Kenneth Jackson
Para ouvir, clicar aqui.


Ep. 8 | 20 Agosto
Ouro, música e arquitetura nas Minas Gerais e no Alentejo
Entrevistados: Paulo Castagna e José António Falcão
Para ouvir, clicar aqui.


Ep. 9 | 27 Agosto
Vice-verso: a poesia de Fernando Pessoa na música brasileira
Entrevistados: André Luiz Oliveira e Olivia Hime
Para ouvir, clicar aqui.




Ep. 10 | 3 Setembro
A modinha em Portugal e no Brasil
Entrevistados: Manuel Morais e Marcelo Fagerlande
Para ouvir, clicar aqui.
 

Ep. 11 | 10 Setembro
José Maurício Nunes Garcia e Marcos Portugal na corte de D. João VI
Entrevistados: Antônio Jorge Marques e André Cardoso
Para ouvir, clicar aqui.


Dom João e Marcos Portugal ouvindo o padre José Maurício ao cravo. 
Pintura de Henrique Bernardelli, s.d.


Ep. 12 | 17 Setembro
Os modernismos de Ruy Coelho e Villa-Lobos
Entrevistados: Manoel Correa do Lago e Edward Ayres d’Abreu
Para ouvir, clicar aqui.
 

Ep. 13 | 24 Setembro
A presença portuguesa na música do nordeste brasileiro
Entrevistados: Antônio Nóbrega e Caio Padilha
Para ouvir, clicar aqui.





Mais sobre os episódios

1. As Origens Brasileiras do Fado Português 
Na estreia da série Torna Viagem, com apresentação de Pedro Paulo Rangel, vamos conhecer as origens brasileiras do fado. O escritor e pesquisador Rui Vieira Nery procura mostrar as influências mútuas entre a música brasileira e a portuguesa.

Músicas:
- Fado Tropical, de Chico Buarque com Carlos do Carmo
- Vida Vivida, de João de Freitas e Filipe Pinto com Argentina Santos
- Landum, com Ricardo Kanji, na flauta, Dalga Larrondo, percussão, e Guilherme de Camargo, violão
- Cruel Saudade, de Manuel José Vidigal, na interpretação do grupo Segréis de Lisboa
- Os meus olhos e os teus olhos, com Antonio Leal Moreira/Domingos Caldas Barbosa
- Essa noite oh céus que dita..., de Sigismund Neukomm
- A Tendinha, de José Galhardo e Raul Ferrão com Hermínia Silva
- Abre Alas, de Chiquinha Gonzaga
- Fado Cravo, de Alfredo Marceneiro
- Dona Filipa, de José Nunes
- Barco Negro, de Amália Rodrigues


2. Amália Rodrigues e o Brasil 
O programa Torna Viagem recebeu o escritor, poeta, letrista e dramaturgo Tiago Torres da Silva. O artista ligado ao Brasil e à música brasileira, é o autor do espetáculo Bibi vive Amália, em que Bibi Ferreira incorporou Amália Rodrigues, em 2001. Ele conversou com o apresentador Pedro Paulo Rangel sobre a carreira de Amália Rodrigues, responsável por levar o fado ao mundo e a relação especial que a cantora tinha com o Brasil.

Músicas:
- Foi Deus, de Alberto Janes na interpretação de Amália Rodrigues
- Aiii, Mouraria!, de Amadeu do Vale e de Frederico Valério na interpretação de Amália Rodrigues
- Trepa no Coqueiro, de Ary Kerner na interpretação de Amália Rodrigues
- Saudade de Itapuã, de Caymmi, com Amalia Rodrigues
- A coroa do rei, de Haroldo Lobo e David Nasser, na interpretação de Amália Rodrigues
- Nega maluca, de Fernando Lobo e Evaldo Rui na interpretação de Amália Rodrigues
- Mãe Preta, de Caco Velho e Piratini na interpretação do Conjunto Tocantins
- Barco Negro (Mãe preta), de Caco Velho, Piratini e D. J. Ferreira na interpretação de Amália Rodrigues
- Amigo Brasileiro, de Carlos Paião na interpretação de Amália Rodrigues
- Saudades do Brasil em Portugal, de Vinicius de Moraes na interpretação do mesmo
- Saudades do Brasil em Portugal, de Vinícius de Moraes na interpretação de Amália Rodrigues
- Estranha forma de vida, de Amália Rodrigues e Alfredo Duarte
- Maldição, de Alfredo Marceneiro e Armando Vieira Pinto, na interpretação de Maria Bethânia
- Maldição, de Alfredo Marceneiro e Armando Vieira Pinto, na interpretação de Amália Rodrigues
- Meu nome sabe-me a areia, de Vasco de Lima Couto e Alfredo Marceneiro na interpretação de Amália Rodrigues


3 . As Cordas Dedilhadas: Jacob do Bandolim e Carlos Paredes 
Este episódio de Torna Viagem promove o encontro desses dois estupendos criadores, um encontro que nunca aconteceu na prática, ao vivo. Mas Jacob e Paredes têm muito em comum. Um brilhantismo que vai muito além da técnica e do virtuosismo.
Os convidados desta edição são o bandolinista Pedro Aragão, professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e investigador na Universidade de Aveiro, e Paulo Soares, autoridade na área da guitarra portuguesa, e autor de um importantíssimo método do instrumento, além de grande músico e compositor, que falam sobre os compositores e génios das cordas dedilhadas.

Músicas:
- Noites Cariocas, de Jacob do Bandolim
- Verdes Anos, de Carlos Paredes
- É Do Que Há, de Jacob do Bandolim
- Variações em ré maior, de Artur Paredes
- Entre Mil, você, de Jacob do Bandolim
- Doce de Coco, de Jacob do Bandolim
- Danças Portuguesas, de Carlos Paredes, inspiradas no repertório instrumental da tradição oral, segundo uma prática iniciada por Anthero da Veiga, 1866-1960
- Porto Santo, de Carlos Paredes
- Movimento Perpétuo, de Carlos Paredes
- O Voo da Mosca, de Jacob bandolim, com uma citação ao voo do besouro, de Rimsky-Korsakov
- Dolente, de Jacob do Bandolim
- Variações em si menor, de Carlos Paredes , compostas sobre as variações em ré menor do pai dele, Artur Paredes, 1899-1980
- Flor amorosa, de Catulo, da Paixão Cearense e Joaquim Callado na interpretação de Jacob do Bandolim
- Serenata, de Carlos Paredes
- Fado Tropical, de Chico Buarque e Ruy Guerra na interpretação de Carlos Paredes e Chico Buarque


4. Ó, Abre Alas para Chiquinha Gonzaga em Portugal 
Este episódio do Torna Viagem vai contar a história desta compositora brasileira, fenomenal, e das suas ligações com Portugal, que não são poucas. Ligações musicais, criações para o palco de Lisboa e do Porto, laços de afeto.
Para falar sobre esses temas recebemos a escritora brasileira, professora, pesquisadora e roteirista Edinha Diniz, autora da biografia de Chiquinha Gonzaga publicada em 1984, a pianista Maria Teresa Madeira, uma das maiores especialistas em Chiquinha Gonzaga e o músico e pesquisador Wandrei Braga, criador do website chiquinhagonzaga.com.

Músicas:
- O abre alas, de Chiquinha Gonzaga
- Flor Amorosa, de Joaquim Callado na interpretação de Altamiro Carrilho
- Querida por todos, de Joaquim Callado na interpretação de Hércules Gomes e Rodrigo Y Castro
- Atraente, de Chiquinha Gonzaga na interpretação de Maria Teresa Madeira ao piano
- Fantasia sobre Ó abre alas, de Chiquinha Gonzaga na interpretação e arranjo de Maria Teresa Madeira
- Fado Dos Desejos, de Roldão e Chiquinha Gonzaga na interpretação de Delfina Victor
- Saci-pererê da opereta A corte na roça, de Chiquinha Gonzaga, na interpretação de Clara Sverner
- Cordão Carnavalesco (forrobodó), de Chiquinha Gonzaga, na interpretação de Alcione e Maria Teresa Madeira
- A Bota do Diabo, de Chiquinha Gonzaga e Avelino de Andrade, com interpretação de Roberta Miranda e piano de Maria Teresa Madeira
- Animatógrafo, de Chiquinha Gonzaga, na interpretação da pianista Clara Sverner
- Trigueira! Desgarrada Minhota, de Chiquinha Gonzaga, na interpretação de Tau Assumpção e participação de Lenara Finotti e Francis Vilela
- Gaúcho - O corta-jaca, de Chiquinha Gonzaga, na interpretação de Hercules Gomes
- Lua Branca, de Chiquinha Gonzaga na interpretação de Maria Bethânia


5. Índios no Chiado: A Estreia de Il Guarany no Teatro Nacional de São Carlos 
O programa Torna Viagem desta semana reconta a carreira de Carlos Gomes, génio da música, o primeiro compositor de ópera, e único criador lírico que, até hoje, o Brasil projetou no mundo.
O jornalista, crítico e escritor João Luiz Sampaio, que mergulhou na vida de Carlos Gomes para compor uma nova biografia e o musicólogo, autor e pesquisador Mário Vieira de Carvalho, uma autoridade em muitas áreas da investigação, em especial na ópera, são os convidados desta edição.

Músicas:
- Quem Sabe, de Carlos Gomes e F. L. Bittencourt Sampaio com Maria Lúcia Godoy
- O Guarany - Sinfonia, de Carlos Gomes com Orquestra der Beethovenhalle Bonn
- Dança dos Aimorés, terceiro ato da ópera O Guarani, de Carlos Gomes com Orquestra Sinfónica e Coro de Goiânia sob a direção de Norton Morozowicz
- Missa de Nossa Senhora da Conceição, de Carlos Gomes com Orchestra Jeugd en Muziek in Oost-Vlaanderen
- Abertura da ópera Joana de Flandres, de Carlos Gomes, com a Orquestra Sinfónica Brasileira com regência de Yeruham Scharovsky
- Abertura da ópera A Noite do Castelo, de Carlos Gomes - Abertura da ópera com Orquestra Sinfónica Brasileira sob regência de Yeruham Scharovsky
- Sento una forza indomita, de Carlos Gomes com Montserrat Caballé e José Carreras acompanhados pela Orquesta Sinfónica de Barcelona & Gianfranco Masini
- Colombo, de Carlos Gomes com Ernani Aguiar e a Orquestra da UFRJ com Inácio de Nonno
- Quem Sabe, de Carlos Gomes e Bittencourt Sampaio na voz de Ney Matogrosso acompanhado ao piano por Arthur Moreira Lima.


6. A Música da Época de D. João V e o Dramaturgo Antonio José da Silva, o Judeu 
O episódio desta semana do Torna Viagem, apresentado por Pedro Paulo Rangel, fala da música produzida durante o reinado de Dom João V, da sua predileção por música religiosa e do dramaturgo brasileiro António José da Silva, o Judeu, perseguido e morto pela Inquisição em Portugal. 
O cravista e professor Marcelo Fagerlande, o musicólogo David Cranmer e a pianista e etnomusicóloga Andréa Luisa Teixeira são os convidados desta edição.

Músicas:
- Lições de Solfejos: Nos. XXII, XXIII e XXIV, de Luís Alvares Pinto na interpretação de Marcelo Fagerlande
- Contesa delle stagioni: X. Finale. Sia d'autunno la corona, de Domenico Scarlatti
- Contesa delle stagioni: X. Finale. Sia d'autunno la corona, de Domenico Scarlatti
- Sonata Nº 27 em Ré Menor: Allegro, de Carlos Seixas na interpretação de Marcelo Fagerlande
- Sonata Nº 42 em Fá Menor: Minuet, de Carlos Seixas na interpretação de Marcelo Fagerlande
- Te Deum, de Luís Alvares Pinto na interpretação da Camerata Antiqua de Curitiba sob a regência do cravista Roberto de Regina
- Triste Bahia, de Caetano Veloso
- Marinícolas, de Gregório de Matos na interpretação de Ana Maria Kieffer, Ruben Aráujo, David Kullock, Mario Solimene e Conjunto Anima


7. A literatura vai ao teatro - A ópera em Machado de Assis e em Eça de Queiroz 
Este episódio de Torna Viagem observa a obra de Eça de Queiroz e Machado de Assis. Machado e Eça nunca se encontraram pessoalmente, mas eram profundamente conscientes um do outro. Rivais, pode-se dizer. Vamos Tornar Viagem falando de um e de outro, do português e do brasileiro. Do autor de O Primo Basílio e do autor de Dom Casmurro em suas citações da ópera.
Os convidados são a especialista em literatura portuguesa e professora Ana Paula Dias e o professor na universidade de Yale, tradutor e músico, Kenneth Jackson.

Músicas:
- Abertura de Fausto, de Gounod na interpretação de Nicolai Geddad
- La Traviata, de Giuseppe Verdi
- Laisse-moi contempler ton visage, de Fausto, de Gounod na interpretação de Plácido Domingo e Mirella Freni
- Beethoven Piano Sonata Nº 8, Op. 13 - Pathétique, II de Arthur Rubinstein
- Casta Diva, de Bellini na interpretação de Maria Callas


8. Ouro de Minas Gerais em Portugal; A Prosperidade e a Música do Período Colonial 
O ciclo do ouro das Minas Gerais no século dezoito transformou o Brasil e Portugal. Também abriu as portas para a arte, arquitetura, escultura e muita música. Neste episódio falamos dessa descoberta de uma infinidade de veios e garimpos de ouro e da influência que ela teve na arte de Brasil e Portugal. 
O musicólogo Paulo Castagna e o historiador de arte José Antônio Falcão participam desta conversa.

Músicas:
- Ladainha em Sol maior, de Jerônimo de Sousa Lobo, na interpretação de Coral de Câmara São Paulo e Orquestra Engenho Barroco; direção Naomi Munakata
- Pange lingua, de Bento Pereira, na interpretação de Grupo Vocal Calíope e Orquestra Santa Teresa; direção Júlio Moretzsohn
- Matais de Incendios, Cantiga ou Vilancico de Natal, disco Brazilian Adventures
- Gloria da Missa Abreviada, de Manoel Dias de Oliveira, na interpretação de Coral de Câmara São Paulo e Orquestra Engenho Barroco; regência Naomi Munakata
- Ladainhaem Sol Maior, de Jerônimo de Sousa Lobo, Kyrie Sancta Maria Andante Adagio
- Tracto I da Missa do Sábado Santo, de autor desconhecido do CD “Sábado Santo”
- Cum Santo Spiritu da Missa a cinco vozes, cordas e trompas
- Beata Mater, de José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita, na interpretação da Orquestra Barroca do XXII Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga de Juiz de Fora
- Matinas do Sábado Santo, Segundo Noturno Recessit Pastor Noster responsório Iv. Andante Allegro Largo Allegro


9. A Poesia de Fernando Pessoa na Música Brasileira 
De Tom Jobim a Ritchie, passando por Dori Caymmi, Olivia e Francis Hime e os irmãos Caetano Veloso e Maria Bethania. Muitos outros músicos brasileiros conseguiram encontrar a musicalidade na poesia de Fernando Pessoa. 
Nesse episódio, vamos ouvir o compositor e cineasta baiano André Luiz Oliveira sobre Fernando Pessoa musicado pelos brasileiros. Também vamos ouvir a cantora e produtora Olivia Hime, que pilotou em 1985, junto com Elisa Byington, o disco A Música em Pessoa.

Músicas:
- Padrão, de Fernando Pessoa, na interpretação de Caetano Veloso
- Mar Português, de Fernando Pessoa, na interpretação de André Luiz Oliveira
- Cruzou por mim, veio ter comigo, numa rua da baixa, de Fernando Pessoa
- Segue o teu Destino, de Fernando Pessoa, na interpretação de Maria Bethânia
- O Rio da Minha Aldeia,  de Alberto Caeiro, na interpretação de Tom Jobim
- Glosa, de Fernando Pessoa, Francis Hime e Olivia Hime
- Passagem das horas, de Fernando Pessoa (Álvaro de Campos) e Francis Hime
- Meantime, de Ritchie e Fernando Pessoa
- Na Ribeira desse Rio, de Fernando Pessoa e Dori Caymmi
- Poema do Menino Jesus, de Fernando Pessoa, na interpretação de Maria Bethania
- É Proibido Proibir (D. Sebastião, Rei de Portugal), de Fernando Pessoa e Caetano Veloso
- Nevoeiro, Poemas, de Fernando Pessoa e Músicas de André Luiz Oliveira, na interpretação de Gal Costa
- Os Avisos... (Terceiro), Poemas de Fernando Pessoa e Músicas de André Luiz Oliveira, na interpretação de Ney Matogrosso
- Sim, Sei Bem Zé Miguel Wisnik sobre poema de Fernando Pessoa, na interpretação de Ná Ozzetti e Zé Miguel Wisnik


10. A Modinha, Género Luso-Brasileiro 
Neste episódio do Torna Viagem, vamos percorrer os caminhos da modinha, o género,como fenómeno musical e social. Da sua consolidação em Portugal no século 18, principalmente com a presença de brasileiros, até as transformações do estilo no Brasil dos séculos 19 e 20. A modinha, hoje entendida como a canção amorosa, sentimental e lírica nasceu também leve, faceira, satírica e até erótica.
Os convidados desta edição são o músico, escritor e pesquisador Manuel Morais, que mergulhou na modinha, fez descobertas importantíssimas e lançou discos com o seu grupo Segréis de Lisboa, e o cravista e professor carioca Marcelo Fagerlande que estudou e lançou um disco sobre Gago da Câmera. E foi ele quem descobriu, em França, a versão impressa das modinhas de Câmera, registada pelo compositor austríaco Sigismund Neukomm.

Músicas:
- Modinha, de Tom Jobim, na voz de Carminho
- Homens Errados e Loucos (anônimo, atribuído a Domingos Caldas Barbosa, 1738/40-1800)
- Você trata amor em brinco, música de Marcos Portugal e versos do Caldas Barbosa, do disco Música de Salão do Tempo de D. Maria I, com os Segréis de Lisboa
- Porque Me Dizes Chorando de Joaquim Manuel Gago da Câmera do CD Modinhas Cariocas
- Se queres Saber a Causa, de Joaquim Manuel Gago da Câmera
- Tempo Que Breve Passaste, de António da Silva Leite, na voz de Marilia Vargas
- Seus lindos olhos de Ludwig van Beethoven, coletânea lançada no bicentenário de Beethoven
- Graças aos céus, de Gabriel Fernandes da Trindade, apela: Senhor chefe da polícia eis a nossa gratidão por mandares os vadios à casa da correção./ Canta Marcelo Coutinho no CD A Modinha Carioca.
- Quem Sabe (Tão Longe, de Mim Distante), de Carlos Gomes, na interpretação de Odette Ernest Dias
- Ontem ao Luar com Vicente Celestino, música de Catulo da Paixão Cearense e Pedro de Alcântara


11. Dois Génios da Música no Brasil Colónia – José Mauricio Nunes Garcia e Marcos Portugal 
Nesse episódio de Torna Viagem, vamos falar do encontro e da convivência do genial Nunes Garcia, brasileiro, descendente de escravizados e um dos mais importantes compositores das Américas no período colonial, com um compositor nascido em Lisboa que chega ao Brasil em 1811: Marcos António da Fonseca Portugal, ou apenas, Marcos Portugal.
O programa recebe o investigador e musicólogo António Jorge Marques, um especialista em Marcos Portugal que há mais de 20 anos pesquisa a obra do compositor; e o regente, pesquisador e professor da Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), André Cardoso, autor de livros sobre a música do período colonial no Brasil.

Músicas:
- Te Deum Laudamus, de José Mauricio Nunes Garcia (1767-1830)
- Te Deum de Marcos Portugal, de 1804, com o Ensemble MPMP
- Tota Pulchra es Maria, de José Maurício Nunes Garcia do álbum Música Sacra do Brasil Baroque (S.XVIII)
- Matinas do Natal: III. Quem Vidistis Pastores
- Sexteto da Missa de Nossa Senhora da Conceição, de 1810. José Maurício Nunes Garcia - Regência: Roberto Minczuk
- Matinas do Natal (1811), Marcos Portugal
- Requiem, Marcos Portugal
- Requiem (1816) José Maurício Nunes Garcia


12. O Modernismo em Portugal e no Brasil – Ruy Coelho e Villa-Lobos 
Torna Viagem destaca dois compositores que procuraram romper com as tradições românticas. Em Portugal, Ruy Coelho; no Brasil, Heitor Villa-Lobos. Vamos falar sobre esses dois criadores e do início das suas aventuras, nas primeiras décadas do século 20, quando a vanguarda das artes abraçava as novidades de forma incisiva e, às vezes, panfletária.
O musicólogo Manoel Correa do Lago, um apaixonado pelo período da Belle-Époque e o investigador, musicólogo e compositor Edward Ayres de Abreu, fundador do MPMP - Património Musical Vivo e da revista Glosas, são os convidados desta semana.

Músicas:
- Quarteto de Cordas número 3, de 1916, de Heitor Villa-Lobos com o Cuarteto Latinoamericano
- Sonata número dois para piano e violino, de 1916, de Ruy Coelho
- Canto do Cisne Negro, parte final de O Naufrágio de Kleônicos, na versão da Orquestra Sinfónica do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, com regência de Sílvio Barbato de Heitor Villa-Lobos
- Largo para duas violas, dois violoncelos e piano, de Ruy Coelho, na interpretação do Ensemble MPMP
- Scherzo de Rui Coelho, na versão de Alexandre Stewart e Philippe Marques
- A Princesa dos Sapatos de Ferro, de Ruy Coelho, com a Orquestra Sinfónica da Emissora Nacional de Lisboa.
- As Danças Africanas, de Heitor Villa-Lobos, na versão para Octeto com regência de Roberto Duarte e a Orquestra Sinfónica da Rádio da Eslovênia
- Trio Terceiro, de Heitor Villa-Lobos com Antonio Meneses no cello, Claudio Cruz no violino, Ricardo Castro no piano
- Allegro da Sonata número 2 de Ruy Coelho na interpretação ao violino de Philippe Marques e ao piano de Alexandre Stewart
- Noneto de Villa-Lobos


13. Portugal no Nordeste Brasileiro: As Influências Musicais 
O episódio de hoje vai passear pela cultura popular portuguesa que se fixou no Nordeste brasileiro desde o início da colonização, no século 16. Aliás, principalmente nos séculos 16 e 17, quando o ciclo do açúcar fixou na região as levas de colonos portugueses, plantando cana e operando engenhos. Trouxeram a viola e a rabeca. Plantaram também a poesia e a música dos rincões agrícolas de Portugal. E como escreveu nosso caro Pero Vaz de Caminha ao Rei Dom Manuel: nessa terra, em se plantando, tudo dá.
Os convidados desta edição são o brincante, frevante, pensante e cantante Antônio Nóbrega e o músico natalense Caio Padilha, apaixonado pela rabeca e que mantém um podcast sobre o instrumento chamado “Memória da Rabeca Brasileira”.

Músicas:
- Romance da Nau Catarineta, na voz de Antônio Nóbrega
- Lunário perpétuo, na voz de Antônio Nóbrega
- Terno de Pífanos, de Cussy de Almeida, com a Orquestra Armorial de Câmara
- Canjiquinha, de Lourival Oliveira, compositor e clarinetista paraibano, que Antônio Nóbrega gravou no disco Lunário Perpétuo
- Rasga, de Antônio Nobrega, na gravação de 1974 no disco Do Romance ao Galope Nordestino, do Quinteto Armorial
- Rabeca Matutina, por Caio Padilha
- Puxe o arco, Rabequeiro, Cláudio Rabeca
- Toada e dobrada de cavalhada de Antônio José Madureira com o Quinteto Armorial
- Romance da Nau Catarineta na versão do Quinteto Armorial
- Concertino para violino e Orquestra de Câmara - de Guerra Peixe dedicado a Cussy de Almeida e à Orquestra Armorial de Câmara. Regência do próprio Guerra-Peixe.
- Mourão, de 1975, de César Guerra-Peixe, gravado pela Camerata Atlântica



@ Walda Marques

O compositor João Guilherme Ripper formou-se pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), doutorou-se na The Catholic University of America em Washington D.C., e especializou-se em “Économie et Finacement de la Culture” na Université Paris-Dauphine em França e em regência orquestral na Universidad de Cuyo (Mendoza) e Teatro Colón na Argentina. É professor da Escola de Música da UFRJ, instituição que dirigiu entre 1999 e 2003. Recebeu o prémio Associação Paulista dos Críticos de Arte em 2000 pela sua ópera Domitila, e em 2017 pelo conjunto de sua obra. Dirigiu a Sala Cecília Meireles no Rio de Janeiro entre 2004 e 2015, e foi Presidente da Fundação Teatro Municipal do Rio de Janeiro entre 2015 e 2017. Em 2019 voltou a assumir o cargo de Diretor da Sala Cecília Meireles, e é membro da Academia Brasileira de Música.
A ópera tem importância central em seu catálogo. A ópera de câmara Domitila escrita em 2000 é baseada na correspondência entre D. Pedro I (D. Pedro IV, em Portugal) e sua amante, Domitila de Castro, a Marquesa de Santos. Foi gravada em 2018 para o selo MPMP - Patrimônio Vivo pela soprano Carla Caramujo com acompanhamento do Toy Ensemble. Recentes produções incluem Piedade nas temporadas 2017 e 2018 do Teatro Colón, Theatro Municipal de São Paulo e Sala Cecília Meireles. Onheama subiu ao palco do mítico Teatro Amazonas em Manaus em 2014 e 2015, e foi produzida em 2016 na cidade alentejana de Serpa, no âmbito do Festival Terras Sem Sombra. Em 2018, Kawah Ijen estreou no Teatro Amazonas, tornando-se a primeira ópera a utilizar o gamelão javanês em conjunto com a orquestra. Desde sua criação em 2014, a ópera cómica O Diletante tem sido produzida em diferentes teatros. O monodrama Cartas Portuguesas resultado de uma encomenda conjunta da OSESP e Orquestra Gulbenkian, estreou em agosto de 2020 na Sala São Paulo e em novembro do mesmo ano em Lisboa. Em outubro de 2022, o CCB apresenta a estreia da versão sinfónica da ópera Domitila, em comemoração ao bicentenário da independência do Brasil. Carla Caramujo interpretará mais uma vez o papel da Marquesa de Santos acompanhada pela Orquestra Metropolitana de Lisboa.