Ouvir
Mezza-Voce
Em Direto
Mezza-Voce André Cunha Leal / Produção: Susana Valente

Destaques

Ciclo Zdenek Fibich | 8 a 29 Maio | Sábados | 6h00

Notas Finais

|

Ciclo Zdenek Fibich | 8 a 29 Maio | Sábados | 6h00 Ciclo Zdenek Fibich | 8 a 29 Maio | Sábados | 6h00

A partir de 8 de Maio, nas madrugadas de Sexta para Sábado, entre as 6h00 e as 7h00, o programa Notas Finais inicia o terceiro ciclo dedicado a compositores que, por várias razões, têm sido esquecidos ou não tiveram o devido reconhecimento. Depois do britânico Granville Bantock e do sueco Hugo Alfvén, vamos conhecer o compositor checo


Zdenek Fibich (1850-1900)
por João Pedro    


Muito menos reconhecido do que Dvorák ou Smetana, Zdenek Fibich foi a terceira figura mais importante da música checa no período Romântico.
Se os dois primeiros se afirmaram como representantes nacionalistas da pequena região da Boémia, o mais novo dos três evidenciou uma clara influência germânica.

Nascido num meio rural, a curta distância da Saxónia, Zdenek Fibich era filho de uma pianista com origens vienenses, praticante da língua alemã com quem aprende a tocar Piano.
Feita a formação escolar em Viena e Praga, ingressa no Conservatório de Leipzig com 14 anos, onde seria aluno de Ignaz Moscheles e Salomon Jadassohn, discípulos de Mendelssohn e Liszt, respetivamente.
Conclui os estudos em Paris e Mannheim, passa um ano em Vilnius e acaba por se fixar em Praga, começando a trabalhar como director do Coro do Teatro Provisório.


A sua primeira ópera baseia-se num libreto do mesmo autor que criara a narrativa para A noiva vendida de Smetana, ao passo que o patriótico Poema Sinfónico Zaboj, Slavoj e Ludek antecipa e influencia a composição, quer do ciclo A minha pátria (obra-prima de Smetana), quer dos primeiros Poemas Sinfónicos de Dvorák.
A tradição cultural germânica tem, no entanto, um peso idêntico ao da cultura checa na produção de Fibich, que tanto escreve óperas e melodramas em alemão como na língua nativa, inspiradas em Sófocles, Eurípides, Schiller, Byron ou Shakespeare.
As Sinfonias, os Poemas Sinfónicos, a Música de Câmara e para Piano, assim como o repertório vocal, são outros dos géneros mais contemplados no seu catálogo.
Aos 49 anos, morre subitamente com uma infecção renal.

Entre 2012 e 2020, o maestro Marek Stilec e a Orquestra Sinfónica Nacional Checa gravaram para a Naxos, a quase totalidade das obras orquestrais de Zdenek Fibich.
Em Maio, nas madrugadas de sábado, escutamos a maioria delas em Notas Finais.





Programação

Prog. 1 | 8 Maio
Abertura da Música de Cena O judeu de Praga
Poema Sinfónico Othello, op. 6
Poema Sinfónico Záboj, Slavoj e Luděk, op. 37
Poema Sinfónico Toman e a ninfa do bosque, op. 49
Para ouvir, clicar aqui.


Prog. 2 | 15 Maio
Abertura Uma noite no castelo de Karlstein
Sinfonia nº 1, op. 17
Selanka: Idílio para Clarinete e Orquestra, op. 16
Para ouvir, clicar aqui.




Prog. 3 | 22 Maio
Sinfonia nº 2, op. 38
Primavera: Quadro Sinfónico, op. 13
Para ouvir, clicar aqui.


Prog. 4 | 29 Maio
Sinfonia nº 3, op. 53 
Ao crepúsculo: Idílio para Orquestra, op. 39  
Para ouvir, clicar aqui.