Ouvir
Musica Aeterna
Em Direto
Musica Aeterna João Chambers

Geral

Gaetano Donizetti

Bergamo: 29 de Novembro de 1797
Bergamo: 8 de Abril de 1848

|

Gaetano Donizetti Gaetano Donizetti
Profecia, ou um apurado sentido de si mesmo, o facto é que Donizetti previu que iria ser um dos mais famosos compositores do romantismo italiano. Além disso foi profícuo, em 28 anos compôs 75 óperas, 16 sinfonias, 19 quartetos, 193 canções, 45 duetos, 3 oratórias, 28 cantatas, e a lista continua…
Quando escreveu aos 14 anos que iria ser aplaudido pelo mundo inteiro, afirmou-o sob a forma de poema num momento de exaltação no início de umas férias lectivas, entusiasmado com o tempo que iria ter para compor sem outras preocupações.
O aplauso universal continua hoje, e especialmente de há 40 anos a esta parte com o ressurgimento do bel canto, porque não existe uma temporada lírica, sem pelo menos uma ópera de Donizetti, e uma das mais representadas composta em apenas oito dias, é O Elixir do Amor.
L’Elisir d’amore estreou no dia 12 de Maio de 1832 no Teatro della Canobbiana de Milão.
Gaetano Donizetti nasceu nos arredores da cidade de Bergamo no norte da Itália. A família não tinha recursos, nem qualquer tradição musical, mas o seu talento foi felizmente reconhecido desde cedo. A educação musical do jovem Donizetti começou com vários professores, entre eles, o famoso compositor de óperas, Simon Mayr, e mais tarde em Bolonha também o padre Mattei.
O pai de Donizetti insistiu para que regressasse a Bergamo e se sustentasse dando lições de música, mas Donizetti não gostou da ideia e resolveu alistar-se no exército.
Ainda a cumprir o serviço militar em Veneza, Donizetti arranjou tempo para compor a sua primeira ópera, Enriço, Conte de Borgonha que teve sucesso imediato na sua estreia em 1818. A segunda ópera, Zoraide de Granata foi tão bem recebida pelo público que Donizetti ficou dispensado do serviço militar para se poder dedicar exclusivamente à música.

Para se poder sustentar a si próprio, Donizetti aceitava todas as encomendas que lhe chegavam. Era um trabalhador incansável, começando seu dia às sete da manha e acabando noite fora. Frequentemente compunha três ou quatro óperas por ano, e estava determinado a compor nos mais diversos estilos e géneros de óperas populares em Itália. Ele gostava de compor com espontaneidade preocupando-se com novos temas que fossem ao encontro das exigências do público de originalidade e actualidade, sem comprometer as suas ambições artísticas. Mas devido à sua grande produtividade, e apesar do seu espírito genial, o trabalho de Donizetti sofreu algumas vezes de alguma inconsistência, superficialidade, e fracas orquestrações.
Durante os anos de 1822 e 1828, Donizetti produziu uma série de óperas de sucesso, sobretudo comédias ao estilo clássico de Rossini pouco representadas actualmente. As próximas óperas revelam o a influência romântica de Bellini, das quais a mais famosa é Elisabetta al Castello di Kenilworth de 1829. E em 1830 Donizetti alcança a sua maturidade artística e musical com Anna Bolena.
Com Anna Bolena Donizetti estabelece uma reputação internacional. Estreada em Milão, no Teatro Carcano em Dezembro de 1830, Anna Bolena é uma versão romanceada de um episódio da História de Inglaterra. Dois anos depois, surge então O Elixir do Amor, uma comédia sentimental que teve um enorme sucesso em Milão. Numa rápida sucessão, Donizetti compõe várias óperas notáveis como Lucrécia Borgia de 1833 e Maria Stuarda de 1834.

Para Donizetti, o ano de 1835 foi fracassado em Paris depois de uma má recepção do público de Marino Faliero, mas foi triunfante em Nápoles com a estreia de Lúcia de Lammermoor.
Outra das óperas ainda hoje bastante representadas é Roberto Devereux, composta em 1837 cujo papel da rainha Elisabeth é um dos mais dramáticos para um soprano.
Alguns anos mais tarde, Donizetti teve alguns problemas com a censura politica italiana, mudando-se para Paris. Foi na capital francesa que estrearam então A Filha do Regimento e A Favorita, ambas com grande sucesso. A primeira, uma comédia italiana cantada em francês, e a segunda é um típico exemplo de uma grande ópera francesa.
As primeiras óperas de Donizetti foram frequentemente compostas para as vozes talentosas que produziram momentos vocais inesquecíveis, mas apesar da sua crescente experiencia e maturidade, Donizetti manteve os seus instintos dramáticos. Por essa altura compôs Don Pasquale de 1843, onde a sua mestria do drama foi completa. Permanece como um dos melhores exemplos de ópera cómica.

Enquanto a vida profissional de Donizetti foi muito bem sucedida, o mesmo não se poderá dizer da sua vida privada, que foi uma verdadeira tragédia. Nenhum dos seus três filhos sobreviveu mais do que três ou quatro dias após o nascimento, e a sua amada mulher, Virgínia morreu tragicamente em 1837 com apenas 29 anos vítima de cólera. Foi um golpe do qual Donizetti nunca recuperou. Donizetti lutou várias vezes com a insanidade e a depressão, e em 1845 ficou paralítico, sendo uma das causas prováveis a sífilis. A morte surgiu como um alívio do seu sofrimento em Abril de 1848.