Ouvir
Boulevard
Em Direto
Boulevard André Pinto

Geral

Piotr Ilitch Tchaikovsky

7 de maio de 1840 – 6 de novembro de 1893

|

Piotr Ilitch Tchaikovsky Piotr Ilitch Tchaikovsky


Tchaikovski, filho do segundo casamento de Ilya, um engenheiro de minas ucraniano com Alexandra, de ascendência francesa. Foi com a mãe que aos cinco anos aprendeu as primeiras notas no piano.
O seu primeiro contacto com a música, foi através de um velho órgão mecânico, e embora se tenha interessado desde cedo pela música, a família desejo que seguisse a advocacia.
Em 1848, a família muda-se para São Petersburgo. O jovem Tchaikovsi, então com oito anos, começa as suas primeiras lições de música com vários professores particulares, mas dois anos depois, seguindo a vontade da família, foi para a Escola de Direito de São Petersburgo. Foi um estudante aplicado e mesmo antes de se formar, foi funcionário do Ministério da Justiça.
Em 1850 a mãe morre de cólera, e esse foi um facto que o marcou profundamente.
Em 1863, opondo-se em absoluto às expectativas da família, Tchaikovski matricula-se no Conservatório de São Petersburgo. O seu mundo abre-se para os grandes mestres alemães, e para as obras de Glinka, Meyerbeer, Schumann, Liszt… Em 1866 Tchaikovski foi convidado por Nikolai Rubinstein, irmão de Anton que foi seu professor e diretor do Conservatório, para lecionar teoria Musical e Composição. Foi professor até 1878.

Tchaikovski nunca fez parte do Grupo dos Cinco, mas teve contacto com esse movimento nacionalista em 1868. Apesar do carácter distintamente russo das suas obras, Tchaikovski ocidentalizou-se.
A orientação que teve de Rubinstein, de quem foi o seu melhor aluno, colocou-o de certa forma em oposição com o grupo nacionalista, em especial com César Cui de quem se tornou um alvo. Pessoalmente, Tchaikovski manteve relações de amizade com os outros elementos do Grupo dos Cinco, e além da colaboração com Balakirev na abertura de Romeu e Julieta, Tchaikovski fez todos os esforços para se manter musicalmente independente.
Quando foi apresentado à baronesa Nadezhda von Meck, esta que já tinha escutado a música de Tchaikovski, ficou impressionada com a sua personalidade. Inicialmente pediu-lhe que fizesse algumas transcrições para violino e piano, mas rapidamente se tornou seu mecenas.
Von Meck era uma abastada proprietária de uma rede ferroviária russa e influente patrona das artes. A sua condição foi que se correspondessem apenas por carta, e nunca se encontrassem cara a cara. Trocaram cerca de 1000 cartas entre 1877 e 1890. Em 1884 tornaram parentes quando a sobrinha de Tchaikovski se casou com o filho da baronesa, mas no final de 1890 von Meck terminou subitamente a relação com Tchaikovski. O fim foi anunciado por carta enviada por um dos seus criados, onde lhe explicou das suas dificuldades financeiras, problemas de saúde, lhe pediu que nunca a esquecesse, e com um ano de subsídio adiantado.

Foi com a baronesa von Meck que Tchaikovski mais abordou a sua vida pessoal. Numa das muitas cartas que lhe escreveu, referiu-se á morte da sua mãe dizendo que essa dor estava tão presente como se tudo tivesse acontecido no dia anterior.
Tchaikovski foi um ser inseguro, sujeito a depressões, a maior parte das quais, segundo os seus biógrafos, a uma homossexualidade reprimida, e ao medo de se expor. Outro dos seus desastres emocionais foi o casamento. Primeiro, tentado com a soprano belga Désirée Artôt, e depois consumado com a ex aluna Antonina Miliukova.
Oficialmente, Tchaikovski morreu de cólera devidoa à ingestão de água contaminada, no entanto alguns biógrafos e musicólogos ingleses, teorizam que a sua morte foi suicídio. Morreu em novembro de 1893 em São Petersburgo, nove dias antes da estreia da sua sexta sinfonia, a Patética.