Ouvir
A Força das Coisas
Em Direto
A Força das Coisas Luís Caetano

Metropolitan

Benjamin Britten | Billy Budd | 12 Junho | 18h00

Mezza-Voce

|

Benjamin Britten | Billy Budd | 12 Junho | 18h00 Benjamin Britten | Billy Budd | 12 Junho | 18h00

12 Junho | 18h00

Programa Mezza-Voce
Apresentação e Realização: André Cunha Leal
Produção: Susana Valente

Gravação da Metropolitan Opera House,
a 8 de Março de 1997


Benjamin Britten | Billy Budd


Billy Budd: Dwayne Croft (BT)
Captain Edward Vere: Philip Langridge (T)
John Claggart: James Morris (B)
Mr. Redburn: Victor Braun (BT)
Mr. Flint: James Courtney (BT)

Coro e Orquestra do Metropolitan de Nova Iorque
Direção de Steuart Bedford


Billy Budd

Ópera em dois atos e epílogo

Música de Benjamin Britten (1913-1976)
Libreto de E. M. Forster (1879-1970) e de Eric Crozier (1914-1994), baseado no conto Billy Budd de Herman Melville

Billy Budd resulta da colaboração de Britten com o escritor E. M. Forster. Em 1946, Forster propôs ao compositor um libreto baseado no conto de Hermann Melville e debruçou-se sobre o texto com a ajuda do libretista Eric Crozier. A obra, originalmente em quatro atos, foi estreada com grande sucesso, sob a direção do próprio compositor, em 1951, na Royal Opera House. 

O enredo centra-se nos acontecimentos a bordo de um navio de guerra inglês, que se opõe à invasão da Grã-Bretanha pelas tropas de Napoleão Bonaparte, mas que tem, entre a tripulação, um grupo de marinheiros amotinados. É, certamente, uma das representações mais brilhantes da natureza problemática das relações humanas e da distinção entre o bem e o mal na ópera do século XX.

Benjamin Britten foi um dos grandes compositores ingleses do século XX. Uma criança prodígio, estudou música com Franck Bridge antes de entrar no Royal College em Londres. No pós-guerra estabeleceu novos cânones operáticos, recuperando a tradição da ópera em inglês com obras como Peter Grimes, e destacou-se internacionalmente pela qualidade das obras sinfónicas e corais de grande escala, nomeadamente o War Requiem. Escreveu para os maiores intérpretes do seu tempo e deixou-nos uma obra vasta, que atravessa diferentes linguagens e todo o tipo de formações.