Ouvir
Vibrato
Em Direto
Vibrato Pedro Rafael Costa

Metropolitan

Met | Kevin Puts | As Horas | 10 Dezembro | 18h00

Transmissão direta | Metropolitan Opera

|

Met | Kevin Puts | As Horas | 10 Dezembro | 18h00 Met | Kevin Puts | As Horas | 10 Dezembro | 18h00

de Nova Iorque

10 Dezembro | 18h00


Kevin Puts | As Horas


Clarissa Vaughan: Renée Fleming (S)
Virginia Woolf: Joyce DiDonato (MS)
Laura Brown: Kelli O'Hara (S)

Barbara / Mrs. Latch: Kathleen Kim (S)
Kitty / Vanessa: Sylvia D'Eramo (S)
Sally: Denyce Graves (MS)

Homem sob o arco / Funcionário do hotel: John Holiday (CT)
Louis: William Burden (T)
Leonard Woolf: Sean Panikkar (T)
Richard: Kyle Ketelsen (BT)

Dan Brown: Brandon Cedel (B-BT)
Walter: Tony Stevenson (T)
Nelly: Eve Gigliotti (MS)

Coro e Orquestra do Metropolitan
Direção de Yannick Nézet-Séguin




Para ler mais sobre esta récita, clicar aqui.







Transmissão em direto
a partir de The Metropolitan Opera de Nova Iorque
Realização e Apresentação: André Cunha Leal
Produção: Susana Valente




As Horas
Ópera em 2 atos

Música de Kevin Puts (1972) 
Libreto de Greg Pierce (1978), numa adaptação do romance homónimo de Michael Cunningham (1952), que por sua vez o baseou no romance de Virginia Woolf (1882–1941), Mrs. Dalloway.

A estreia mundial desta ópera ocorreu no Kimmel Center for the Performing Arts, Filadélfia, em março deste ano, mas numa versão de concerto, executada pela Orquestra da Filadélfia).
No início desta temporada do Metropolitan Opera House, em Nova York, acontece pela primeira vez a sua produção encenada.

Uma nova e envolvente ópera sobre três mulheres em diferentes épocas e lugares. 
As Horas é baseada no romance vencedor do Prémio Pulitzer de Michael Cunningham e na adaptação cinematográfica sequente e que venceu um Óscar.
Quer o livro como o filme têm fortes referências a um romance de 1925, Mrs. Dalloway, de Virginia Woolf, formando uma espécie de narrativa transversal, e a ópera usa a prosa magistral de Woolf e de Cunningham como ponto de partida para explorar ambiguidades e fluidez que clamam por expressão musical.



O cenário tripartido da ópera é um aspecto essencial da sua história. 
O primeiro local é Richmond, um tranquilo subúrbio de Londres onde Virginia Woolf morava com o seu marido, Leonard, enquanto escrevia Mrs. Dalloway em 1923. 
O segundo cenário é Los Angeles em 1949, onde Dan e Laura Brown lutam para se conformarem a uma vida suburbana americana típica doesta época. 
O terceiro cenário é a Manhattan do final do século XX, onde Clarissa Vaughan se prepara para dar uma festa para o poeta Richard que se encontra em avançado grau  de SIDA.





 Fotos Evan Zimmerman / Met Opera