Ouvir
Grande Auditório
Em Direto
Grande Auditório Reinaldo Francisco / Produção: Alexandra Louro de Almeida / Cristina do Carmo / Zulmira Holstein

Ópera

Met | Mozart | Don Giovanni | 16 Fevereiro 18h00

Transmissão direta

|

Met | Mozart | Don Giovanni | 16 Fevereiro 18h00 Met | Mozart | Don Giovanni | 16 Fevereiro 18h00

Temporada Metropolitan Opera
de Nova Iorque

16 Fevereiro | 18h00

Mozart | Don Giovanni


Don Giovanni: Luca Pisaroni (B-BT)
Leporello: Ildar Abdrazakov (B)
O Comendador: Stefan Kocán (B)
Dona Anna: Rachel Willis-Sorensen (S)
Don Ottavio: Stanislas de Barbeyrac (T)
Dona Elvira: Federica Lombardi (S)
Masetto: Brandon Cedel (B)
Zerlina: Aida Garifullina (S)

Coro e Orquestra do Metropolitan
Direção de Cornelius Meister  




Para ler mais sobre esta récita, clicar aqui.






Transmissão em direto
a partir de The Metropolitan Opera de Nova Iorque
Realização e Apresentação: André Cunha Leal
Produção: Susana Valente






Ópera em 2 atos

Música de Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791)
Libreto de Lorenzo da Ponte (1749-1838)  

A estreia desta ópera ocorreu no Teatro Nacional de Praga, especializado em ópera italiana (atualmente chamado de Teatro dos Nobres), em 29 de outubro de 1787.
O libreto de Da Ponte foi classificado, assim como muitos outros da época, como um dramma giocoso, termo que descrevia uma obra que continha um misto de ação cómica e séria. 
Mozart classificou-a como uma "opera buffa"; embora ainda hoje seja, por vezes, classificada como cómica, ela apresenta aquelas características mistas. É esta mistura que a torna, com A Flauta Mágica, a ópera mais influente nos compositores românticos. Don Giovanni é atualmente considerada uma das principais óperas de Mozart, com As Bodas de Fígaro e A Flauta Mágica. Richard Wagner designou-a como "a ópera das óperas".
Com uma duração de aproximadamente duas horas e 45 minutos, é considerada uma das obras-primas da história das óperas. 
Foi a segunda colaboração entre Mozart e Da Ponte depois de As Bodas de Fígaro, tendo a tema sido proposto pelo libretista ao compositor, no final da Primavera de 1787, para atender a uma encomenda do Teatro Nacional, após o sucesso de seu trabalho anterior, e pela qual recebeu um adiantamento de cem ducados.





Para saber mais sobre o argumento desta ópera, clicar aqui.