Ouvir
Raízes
Em Direto
Raízes Inês Almeida

Ópera

Monteverdi | Il Ritorno d’Ulisse in Patria | 13 Maio 18h00

MEZZA-VOCE

|

Monteverdi | Il Ritorno d’Ulisse in Patria | 13 Maio 18h00 Monteverdi | Il Ritorno d’Ulisse in Patria | 13 Maio 18h00

13 Maio | 18h00 

Programa Mezza-Voce    
Apresentação e Realização: André Cunha Leal 
Produção: Susana Valente 

Gravação da Radiodifusão do Norte da Alemanha
na Ópera Estatal de Hamburgo,
a 29 de Outubro de 2017



Ulisses: Kurt Streit (T)
Fragilidade Humana/Anfinomo: Christophe Dumaux (CT)
Tempo/Antinoo: Denis Velev (B)
Fortuna/Juno: Gabriele Rossmanith (S)
Penélope: Sara Mingardo (MS)
Ericlea: Katja Pieweck (S)
Melanto: Marion Tassou (S)
Júpiter: Alexander Kravets (T)


Neptuno: Luigi De Donato (B)
Minerva: Dorottya Láng (MS)
Eumaeus: Rainer Trost (T)
Eurimaco: Oleksiy Palchykov (T)
Telémaco: Dovlet Nurgeldiyev (T)
Pisandro: Viktor Rud (CT)
Iro: Peter Galliard (T)


Direção de Václav Luks



Para saber mais sobre esta récita, clicar aqui.






Il Ritorno d’Ulisse in Patria (O Retorno de Ulisses à Pátria)

Ópera em um prólogo e três (ou cinco) atos

Música de Claudio Monteverdi ( (1567-1643)
Libreto de Giacomo Badoaro (1602–1654), adaptado a partir da Odisseia de Homero, e significativamente modificado por Monteverdi, posteriormente.
A ópera inicia-se com um prólogo alegórico onde o Tempo, a Fortuna e o Amor ameaçam a Fragilidade Humana; a narrativa propriamente dita começa com o regresso do herói Ulisses para a sua casa depois da Guerra de Troia, reconquistando o seu reino e a sua esposa Penélope, pretensamente viúva, ameaçados por vários pretendentes indignos.

Foi composta por volta de 1640 e estreada possivelmente no Teatro de San Giovanni e San Paolo, em Veneza, granjeando desde logo muito sucesso e sendo apresentada dez vezes.
Durante um longo tempo a atribuição da autoria a Monteverdi foi contestada, mas hoje já não se coloca essa dúvida. 
Dos cinco atos originais, a divisão clássica, Monteverdi transformou-os em três, seguindo uma prática dos operistas venezianos e da Commedia dell'Arte. Exige uma orquestra sumária: meia dúzia de cordas e outro grupo pequeno de instrumentos variados para o baixo contínuo, uma escolha que se destina a orientar a atenção do ouvinte sobre o drama.