9 filmes para (re)descobrir Bruno Ganz
"A Mulher Canhota": Bruno Ganz e Edith Clever filmados por Peter Handke

Memórias  

9 filmes para (re)descobrir Bruno Ganz

Falecido há poucos dias, Bruno Ganz deixou as marcas do seu talento em muitos filmes de autores das mais diversas geografias e culturas — um ciclo no Porto e em Lisboa propõe uma oportuna revisitação da sua filmografia.

Artigo recomendado:
9 filmes para (re)descobrir Bruno Ganz
Obituário
Memórias de Bruno Ganz Especialmente conhecido através de filmes como "As Asas do Desejo" e "A Queda", o actor Bruno Ganz deixa uma filmografia exemplar, em ...

Não sendo um jogador de futebol nem um youtuber, Bruno Ganz não teve direito a grandes manchetes mediáticas... Enfim, não é a dimensão das manchetes que importa discutir, mas sim as rotinas do nosso mundo saturado de (des)informação para, pelo menos, não deixarmos cair na indiferença as suas memórias mais nobres.

Et pour cause... Falecido a 16 de Fevereiro, contava 77 anos, Bruno Ganz é objecto de um breve, mas muito sugestivo, ciclo organizado pela Medeia Filmes, repartido pelo Porto (Teatro Campo Alegre, 21 a 27 Fevereiro) e Lisboa (Espaço Nimas, 25 de Fevereiro).

Importa, de facto, descobrir ou redescobrir Bruno Ganz para além da sua interpretação de Adolf Hitler em "A Queda" (2004), de Oliver Hirschbiegel (filme bem interessante, não é isso que está em causa). Importa, sobretudo, atentar nas subtilezas do seu dizer, já que ele pode encarnar como poucos a exigência teatral, indissociavelmente cinematográfica, de respeitar a pluralidade interior das palavras.

Exemplo fundamental de tal arte de representar poderá ser "A Mulher Canhota" (1978), de Peter Handke, contracenando com a sublime Edith Clever. Sem esquecer, claro, esses títulos emblemáticos que são "A Cidade Branca" (1983), de Alain Tanner, "As Asas do Desejo" (1987), de Wim Wenders, e ainda o recente, a meu ver muito mal amado, "A Casa de Jack" (2018), de Lars von Trier [trailer].


Neste ciclo dedicado a Bruno Ganz, fica um destaque especial para a sessão lisboeta de "A Cidade Branca", contando com a presença de Teresa Madruga e Paulo Branco, respectivamente actriz e produtor do filme. Eis o programa completo:

Teatro Campo Alegre / PORTO

Quinta, 21 Fevereiro, 18h30 | 22h, A CIDADE BRANCA, Alain Tanner (1983)
Sexta, 22 Fevereiro, 18h30 | 22h, A MULHER CANHOTA, Peter Handke (1978)
Sábado, 23 Fevereiro, 15h30 | 22h, AS ASAS DO DESEJO, Wim Wenders (1987)
Sábado, 23 Fevereiro, 18h30, SOB CÉUS ESTRANHOS, Daniel Blaufuks (2002)
Domingo, 24 Fevereiro 15h30 | 22h, O AMIGO AMERICANO, Wim Wenders (1977)
Domingo, 24 Fevereiro 18h30, A POEIRA DO TEMPO, Theo Angelopoulos (2008)
Segunda, 25 Fevereiro, 18h30 | 22h, A ETERNIDADE E UM DIA, Theo Angelopoulos (1998)
Terça, 26 Fevereiro, 18h30 | 22h, AMNESIA, Barbet Schroeder (2015)
Quarta, 27 Fevereiro, 18h30 | 22h, A CASA DE JACK, Lars von Trier (2018)

Espaço Nimas / LISBOA

Segunda-feira, 25 Fevereiro
14h, A MULHER CANHOTA, Peter Handke (1978)
16h30, AS ASAS DO DESEJO, Wim Wenders (1987)
19h, A CIDADE BRANCA, Alain Tanner (1983) — com a presença de Teresa Madruga e Paulo Branco.

por
publicado 23:50 - 19 fevereiro '19

Recomendamos: Veja mais Artigos de Mais Cinema