A BELA E O MONSTRO (1946)
Jean Marais e Josette Day — elogio do surreal, 1946

DVD Memória  

A BELA E O MONSTRO (1946)

Entre as muitas versões cinematográficas de "A Bela e o Monstro", a que foi dirigida por Jean Cocteau distingue-se pelas singularidades do seu imaginário — uma recriação de 1946 de um conto publicado em 1756.

A mais recente versão de "A Bela e o Monstro", com chancela dos estúdios Disney, baseia-se numa fábula publicada por Jeannne-Marie Leprince de Beaumont há mais de 250 anos, mais precisamente em 1756. É uma lenda contada e recontada ao longo dos tempos, mas há uma versão cuja vibração poética supera todas as outras — foi realizada por Jean Cocteau e surgiu em 1946.

Esta é a história da Bela encerrada no castelo do Monstro... o Monstro garantindo que o seu coração é bom, mesmo se a sua aparência diz o contrário. Josette Day, a Bela, e Jean Marais, o Monstro, evoluem em cenários que têm tanto de artificioso como de palpável — para Jean Cocteau, o cinema não era uma reprodução do real, mas sim uma porta de entrada nas delícias do surreal.


Depois de Cocteau, a União Soviética adaptou "A Bela e o Monstro", num desenho animado de 1952 intitulado "A Flor Escarlate". Houve variantes cinematográficas e televisivas, mas foram também os estúdios Disney que recriaram a história para uma nova geração, com o filme de animação de 1991.

Estamos, afinal de contas, perante uma história que, de facto, transcende o tempo — o diálogo entre a beleza e a monstruosidade envolve uma espécie de eterna dualidade, ao mesmo tempo humana e sobre-humana. Nesta perspectiva, o filme de Cocteau distingue-se pela mais insólita modernidade — tal como a fábula escrita de "A Bela e a Monstro", a sua poesia está para além das medidas do tempo.

por
publicado 23:05 - 14 junho '17

Recomendamos: Veja mais Artigos de DVD Memória