As bestas dos pântanos da Luisiana
Primeiro filme de Benh Zeitlin foi exibido em Cannes e ganhou o Grande Prémio do Júri em Sundance.

Cannes 2012  

As bestas dos pântanos da Luisiana

Um dos filmes mais surpreendentes de Cannes foi exibido na secção Un Certain Regard

Há filmes que nos surpreendem pela amplitude da sua energia e emoção. Esse é definitivamente o caso de "Beasts of the Southern Wild", uma parábola do século XXI, ao jeito das aventuras de Huckleberry Flinn.

O pano de fundo é a zona dos pântanos de Nova Orleães, onde vive uma comunidade alternativa que renega os luxos da sociedade moderna e se rege por princípios de sobrevivência ancestrais. A história do filme segue uma rapariga de seis anos de idade chamada Hushpuppy que vive uma existência mística povoada por criaturas do universo da fantasia. A mãe desaparecida está presente no imaginário da criança, ficando a relação com o pai enquadrada pelas necessidades de sobrevivência diária, sendo os animais e a comida motivos de celebração.

Aliás, toda a comunidade que habita esta inóspita zona rege-se pelas leis da vida dos animais, entre crustáceos, pássaros, galinhas e porcos, todos representam funções vitais neste ecossistema rodeado de água.

Quvenzhane Wallis, a jovem que desempenha Hushpuppy, foi escolhida num casting envolvendo cerca de 4.000 crianças, e mesmo sem experiência de atriz consegue ter um dos desempenhos mais marcantes de 2012.

Quanto ao realizador Behn Zeitlin, na sua estreia nas longas metragens, bem pode dizer-se que logo na primeira tentativa conseguiu criar uma obra com uma dimensão artística invulgar. E como nos disse na entrevista em Cannes ele "pretende continuar a fazer filmes fora do contexto de Hollywood" porque no fundo "eles contam quase sempre as mesmas histórias".

por

Recomendamos: Veja mais Artigos de Cannes 2012