As boas raparigas vão para o céu... e as más vão para todo o lado

Cinema Norte-americanoCinema Independente  

As boas raparigas vão para o céu... e as más vão para todo o lado

Harmony Korine realiza um filme alucinante e elucidativo sobre os adolescentes e os delírios das viagens de finalistas. Um pesadelo que se pode consumir como um doce...

Trailer/Cartaz/Sinopse:
 As boas raparigas vão para o céu... e as más vão para todo o lado
Spring Breakers Viagem de Finalistas Quatro adolescentes sexy, alunas de liceu, frustradas por não terem dinheiro para participar na sua viagem de finalistas, resolvem solucionar o problema assaltando um restaurante de fast-food. Mas isto é apenas o princípio... Já depois de conseguirem o seu objetivo, durante uma noite de festa excessiva, acabam presas por posse de droga. Ressacadas e vestidas apenas com bikinis, são levadas ...
Artigo recomendado:
As boas raparigas vão para o céu... e as más vão para todo o lado
DVD Memória
MIÚDOS (1995) Para Harmony Korine, cineasta de "Viagem de Finalistas", a adolescência é um metódico e obsessivo tema de eleição. Tudo começou quando, ...
Crítica recomendada:
As boas raparigas vão para o céu... e as más vão para todo o lado
Estreia
Adolescência entre sonho e pesadelo Harmonie Korine conta uma história de quatro raparigas, muito para além dos clichés mais correntes sobre a adolescência: "Viagem de ...
Cinemax Rádio:
Outros Áudios
Antevisão "Viagem de Finalistas"
Vídeo:
As boas raparigas vão para o céu... e as más vão para todo o lado
Atrizes sobre "Viagem de Finalistas" Quatro atrizes sobre o filme de Harmony Korine.

O argumentista e realizador Harmony Korine tem sido uma espécie de cronista dos excessos, segredos e sonhos da adolescência norte-americana.

Uma veia que iniciou com o filme "Miúdos" que Larry Clark realizou, na década de 90, colocando o dedo na ferida de todas as famílias que desconhecem o que andam a fazer os adolescentes, quando saem de casa.

Agora, Harmony Korine enquanto realizador, volta à carga no filme "Viagem de Finalistas", mantendo o foco nos jovens, no que consomem ou no que os consome.

O filme acompanha quatro miúdas e os planos para a viagem de finalistas, momento de viragem na adolescência, para fugir da escola, da família, cometendo todos os excessos que imaginam como condição para ser livre, e que passam pelo consumo de álcool e droga, e por orgias de sexo desenfreado.

Para assumir a condição de aventureiras perigosas, Harmony Korine chamou quatro meninas que até aqui tinham carreira exemplar para toda a família. Selena Gomez e Vanessa Hudgens são ídolos criados à boleia do canal Disney. Ashley Benson entrou em séries televisivas inofensivas e tem carreira infanto juvenil. A mulher do realizador, Rachel Korine completa o gang de raparigas inconsequentes, destemidas e que vivem ao sabor do momento.

No festival de Veneza, onde o filme esteve em competição, o realizador admitiu que o elenco tem tanto de estranho como de intencional, pela importância de colocar estrelas de um mundo inocente e pop mergulhadas numa viagem de transgressão. A actriz Selena Gomez também admitiu a ousadia do papel em contraste com o selo conservador da Disney, mas acabou por reconhecer que foi um momento importante para crescer como actriz.

O quarteto acaba por cair nas mãos das autoridades, mas é salvo por Alien, um traficante que tenta ser rapper e que tem tanto de simpático como de assustador, interpretado pelo actor James Franco.

Ele é, segundo a sua própria interpretação, o sonho americano em carne e osso. Um homem poderoso, com mais dinheiro do que consegue gastar, e um arsenal em casa capaz de deitar abaixo qualquer inimigo.

As raparigas que chegaram para as férias, entram numa espiral ainda mais apetecível, onde o perigo real das rixas entre gangs se confunde com o imaginário do cinema ou da televisão.

A viagem que Harmony Korine propõe, levará muitos pais a repensar as viagens de finalistas dos filhos. O filme é uma vertigem pop, como se os protagonistas estivessem constantemente no interior de um vídeo musical. Numa das cenas mais emblemáticas do filme, Alien está ao piano, rodeado pelas raparigas, e juntos cantam uma balada de Britney Spears.

Harmony Korine tira o retrato a uma juventude que se perde quando justamente acredita estar a encontrar-se. Uma viagem excessiva quase sempre em formato videoclipe, como se aqueles jovens nunca saíssem da cultura MTV. Um filme sobre superfícies, como diz o realizador, para consumir como se fosse um doce, ao sabor do momento.

Harmony Korine mantém o selo de autor desalinhado de Hollywood, capaz de observar nas ruas o que as famílias têm dificuldade em assimilar, sobre intimidade e as vivências de ser adolescente.

por

Recomendamos: Veja mais Artigos de Cinema Norte-americanoCinema Independente