As relações são o tema forte dos filmes da Berlinale
"Come Rain, Come Shine": drama conjugal sul coreano na competição do festival de Berlim

Mais CinemaFestival  

As relações são o tema forte dos filmes da Berlinale

A 61ª edição do Festival de Cinema de Berlim termina este sábado com o anúncio dos vencedores dos Ursos de Ouro e Prata. Na competição surgem os derradeiros títulos.

Artigo recomendado:
As relações são o tema forte dos filmes da Berlinale
Mais Cinema
Drama iraniano é favorito em Berlim. Miranda July e Béla Tarr apresentaram novos filmes O sexto dia da Berlinale ficou marcado por três exibições de filmes em competição. O mais aplaudido foi "Nader and Simin, a Separation", ...

Depois da exibição de “Nader and Simin, A Separation”, o fiome iranino tido como favorito para o Leão de Ouro, surgiram outros dramas sobre relações em crise. É o caso do sul-coreano “Come Rain, Come Shine” a história de um casal em ruptura.

Realizado por Lee Yoon-ki e baseado na história “The Cat That Can Never Come Back” do japonês Inoue Areno, o filme abre com uma viagem de carro onde um marido leva a mulher ao aeroporto. Depois de alguns minutos de conversa fiada, ela anuncia que vai sair de casa e trocá-lo por outro homem.

Após este anúncio começa uma forte tempestade que obriga o casal a voltar para casa. Ela vai empacotar as suas coisas… e ele, conformado, vai ajudar. Ao longo de cenas longas, lentas e silenciosas, o casal preso em casa pelo temporal vai repensando as suas vidas. "A chuva inclemente representa a solidão e o sentimento de pesar dos personagens, que começam a reavaliar suas decisões", explicou Lee Yoon-ki.

Um filme situado na Coreia, mas que permite a identificação do espectador em qualquer parte do mundo. "Come Rain, Come Shine  é um retrato sobre o sofrimento de um par.

"Se Não Nós, Quem?": uma história verídica que abalou a Alemanha

Terrorismo e amor em 1968: Lena Lauzemis e August Dieh em "If Not Us, Who?"

Outra estreia do sétimo dia da Berlinale foi o drama político alemão “If Not Us, Who?”. A narrativa é baseada na história verídica do casal Bernward Vesper e Gudrun Ensslin. Ele é filho de um escritor nazi, ela é filha de operários judeus.

Acontece nos anos 60, época conhecida na Alemanha pelos movimentos revolucionários da juventude contestadora do capitalismo. Ele acredita numa esquerda moderada, ela acredita que a revolução não pode ser adiada. Com esta ideologia, Gudrun conhece Andreas Baader, um terrorista radical, homem de acção.

As parecenças entre os dois levam a mulher a juntar-se (física e ideologicamente) a este terrorista, para cometer assassinatos e atentados a fim de acelerar a revolução.

Antes de se suicidar, Bernward Vesper escreveu um livro biográfico, “Die Reise”, que se tornou um dos principais relatos sobre a geração de 1968 e que serviu como base ao realizador Andres Veiel.

"O meu primeiro impulso foi fazer um documentário sobre este período, que ainda é muito obscuro, mas as pessoas recusavam-se a falar porque é uma fase controversa da história recente da Alemanha", explicou o realizador, que acabou se fixar nas relações amorosas.

"Lipstikka" : Israel estreia-se na competição foi acolhido com algumas críticas

 Moran Rosenblatt e Ziv Weinere no primeiro filme israelita em competição na Berlinale

O cinema israelita surge pela primiera na selecção oficial competitiva. Lipstikka", dirigido por Jonathan Sagall, conta a história de duas lésbicas palestinianas que sofreram um terrível incidente na adolescência aquando da ocupação da Cisjordânia. Inam e Lara saem fora da hora de recolher para irem ao cinema em Jerusalém. À saída são detidas por dois soldados israelitas, e um deles viola Inam, enquanto obriga Lara a assistir.

Anos depois deste trauma as duas raparigas encontram-se em Londres. A traumatizada Inam bate à porta de Lara e descobre que esta está casada e com um filho. A história desenvolve-se mostrando duas versões do terrível acontecimento, descortinando as memórias que cada uma delas guarda daquela noite.

O cineasta Jonathan Sagall admite ter-se baseado na história real de uma amiga da sua mãe. "Escrevi a primeira versão quando tinha 14 anos. No entanto redigi muitíssimas versões, a história foi evoluindo, mudando, complicando-se, enrolando-se", declarou.

O filme foi criticado acolhido sob crítica, sobretudo por causa do sotaque das actrizes Moran Rosenblatt e Ziv Weinere, e devido a alegados erros nos diálogos em árabe. Quanto a esta última crítica, Sagall desculpou-se dizendo que elas "fizeram o melhor que puderam".

  Galas e eventos: "O Discurso do Rei" e "Taxi Driver"
Não só os filmes em competição, as estreias e inovações são exibidos ao longo desta semana no Festival de Berlim. A Gala Especial da Berlinale é um evento que tem projectado diversas películas em sessões muito concorridas.

"O Discurso do Rei", nomeado para 12 Óscares este ano, foi uma delas. Berlim recebeu de braços abertos Tom Hooper, Colin Firth e Helena Bonham-Carter.

O trio respondeu às questões dos jornalistas, maioritariamente acerca das nomeações para a grande cerimónia dos prémios e Colin Firth confessou que seria fantástico ganhar o prémio de Melhor Actor. "O facto de estar ali, de participar na história da Academia já é incrível, mas não posso dizer que não tenho pensado na possibilidade de ganhar um Óscar".

A cópia restaurada de "Taxi Driver" de Martin Scorsese, "Sacrifice”"do chinês Chen Kaige, e "Late Bloomers" com a presidente do júri Isabella Rossellini no elenco, foram mais alguns exibidos nesta categoria.

As vendas sobem no European Film Market
A primeira grande feira de venda de filmes do ano é o European Film Market, um evento paralelo à mostra de filmes em Berlim que conta com a presença de numerosas distribuidoras e produtoras à procura de fazer negócio.

Foi aqui que Madonna exibiu excertos do seu novo filme, "W.E.". Também já foram comprados para difusão "Happy Happy", premiado em Sundance, "Melancholia" de Lars Von Trier e "Nader and Simin, A Separation", favorito na competição da Berlinale.

Mas o filme que os fez abrir mais os cordões à bolsa foi mesmo o último de Sylvester Stallone, a superprodução "Headshot" orçamentada em 40 milhões de dólares.

Stallone começou a fazer cinema em 1970, e ascendeu com personagens como Rocky e Rambo, e mesmo em 2011 continua a ser uma aposta segura para os executivos. O filme é realizado por Wayne Kramer e conta a história de um assassino que se une a um polícia para investigar um caso que envolve poderosos criminosos. Foi vendido ao grupo alemão Constantin por 5 milhões de dólares para ser distribuído na Europa.

por

Recomendamos: Veja mais Artigos de Mais CinemaFestival