Cannes 2022: a hora das decisões

Cannes 2022  

Cannes 2022: a hora das decisões

O júri viu os últimos dois filmes a concurso durante a tarde de sexta-feira. Sábado serão conhecidos os vencedores.

Artigo recomendado:
Cannes 2022: a hora das decisões
Cannes 2022
Cannes: O melhor e o pior dos 21 filmes em competição Uma espécie de resumo da matéria dada em antecipação ao anúncio dos premiados.

Os dois últimos filmes em competição no Festival de Cannes foram exibidos esta sexta-feira à tarde perante o júri presidido por Vincent Lindon que irá atribuir a prestigiosa Palma de Ouro no sábado à noite.

A americana Kelly Reichardt apresentou "Showing Up", um fresco íntimo sobre a vida quotidiana de uma artista visual, interpretada por Michelle Williams, que gostaria de se dedicar totalmente à sua exposição de escultura, mas é distraída por problemas familiares.

Partilhou o palco com um recém-chegado à competição, a francesa Léonor Serraille, que conta a história de uma família de imigrantes de final dos anos 80 até aos dias de hoje, nos subúrbios de Paris, em "Un petit frère".

A realizadora encantou o Festival em 2017 com "Jeune Femme", vencedor da Caméra d'or, prémio que distingue primeiras obras. lme.

Irá um destes filmes suceder à Palma de Ouro choque e repleta de energia punk de Julia Ducournau? De momento, o jogo parece bastante aberto.

As críticas de alguma imprensa internacional, compiladas pela revista Screen, dão como favorito o coreano Park Chan-wook. O seu thriller "Decisão de Partir" é visto como uma lição de cinema, com uma realização virtuosa que alguns gostam de comparar a "Instinto Fatal", mas sem as cenas de sexo. O policial sobre um inspector que se apaixona pela suspeita de um crime é, no entanto, servido por uma trama muito complexa e carregado às costas pela actuação dos protagonistas: Park Hae-il e Tang Wei.

Escolhas difíceis

Se o esperado "Crimes do Futuro" de David Cronenberg não agradou a todos, outro grande nome, James Gray, encantou os críticos com "Armageddon Time". Pela quinta vez em competição, o autor de "Ad Astra" apresenta uma comovente - e em grande parte autobiográfica - crónica da infância de um rapaz em Nova Iorque nos anos 80 e a descoberta da sua vocação artística.

O objeto estranho da competição "EO", um filme sobre um burro de Jerzy Skolimowski, de 84 anos, e a mais recente obra de realismo social dos irmãos Dardenne, "Tori e Lokita", são também fortes candidatos à Palma, de acordo com a Screen.

Se os belgas ganharem será um acontecimento, pois seriam os primeiros cineastas a ter três Palmes d'Or, depois de "Rosetta" (1999) e "L'enfant" (2005).

Dois jovens realizadores também têm uma oportunidade: o belga Lukas Dhont, 31 anos, e o seu tocante "Close", retrato de uma amizade pré-adolescente estilhaçada no altar da masculinidade. Exibido na quinta-feira, já é um dos favoritos de muitos festivaleiros.

Outro jovem prodígio que viu o seu filme muito apreciado é o iraniano de 32 anos Saeed Roustaee. "Os Irmãos de Leila" sobre uma família despedaçada expõe as falhas de uma sociedade enredada na propriedade, na religião e nas aparências.

Ao todo, foram 21 os filmes exibidos na competição à Palma de Ouro. O ano passado, Julia Ducournau foi apenas a segunda mulher a ser coroada na história de Cannes. Este ano, estão cinco mulheres na corrida.

Depois de ver os derradeiros filmes, o júri retirar-se-á para deliberar. Sábado, serão anunciados os vencedores. Ao lado de Vincent Lindon, estão a actriz e realizadora anglo-americana Rebecca Hall ("Vicky Cristina Barcelona"), a sueca Noomi Rapace, ("Millenium") e os realizadores Asghar Farhadi (Grand Prix 2021 com "Um Herói"), Ladj Ly ("Os Miseráveis", Prémio do Júri 2019) e Joachim Trier ("A Pior Pessoa do Mundo").

por

Recomendamos: Veja mais Artigos de Cannes 2022