China: O ano do boi promete boa sorte para as salas de cinema
"Detective Chinatown 3": um dos grandes sucessos do momento no mercado da China

Box Office  

China: O ano do boi promete boa sorte para as salas de cinema

Os feriados do novo ano lunar estão a permitir um recomeço em força para o setor do cinema no mercado chinês.

“Detective Chinatown 3”, uma comédia policial que vai na terceira encarnação, e "Hi Mom", um drama romântico, são os filmes do momento na China, na véspera do ano novo lunar, 10 dias de férias também designados por "Festival da Primavera". A história de detetives gerou mais de 87 milhões de euros em pré-vendas (números de quinta-feira divulgados pela agência China News a partir dos dados da bilheteira eletrónica Mayoan). "Hi Mom" foi o segundo mais procurado com 19 milhões de euros em pré-vendas.

Na quadra, vão estrear ainda outros cinco filmes: "A Writer's Odyssey" e "The Yinyang Master", aventuras que misturam ação e fantasia; a comédia dramática "Endgame"; e duas longas-metragens animadas, "New Gods: Nezha Reborn", e "Boonie Bears: The Wild Life". Ao todo, foram gastos perto de 127 milhões de euros na compra antecipada de bilhetes de cinema para este período, de acordo com a mesma fonte.

Em tempos recentes, desde a abertura da economia e após a construção em massa de novos complexos de exibição, o espectador chinês tomou o hábito ir ao cinema nesta época - que pode ocorrer nos meses de janeiro, ou fevereiro - transformando o Ano Novo Lunar no maior pico de consumo de filmes em sala naquele país, com números que podem equivaler a 15% das receitas anuais. Em 2019 chegaram aos 735 milhões de euros, por oposição a 2020 quando o box office desceu para perto de zero, com o país fechado e a COVID-19 a espalhar-se por toda a parte como um incêndio descontrolado.

Por isso, este regresso prudente à atividade é tão essencial para a distribuição e exibição cinematográfica. Mesmo com as restrições às viagens entre províncias e as limitações à lotação das salas em algumas partes do país. E não é só a China que está a tentar um regresso à normalidade. De acordo com a Gower Street, analista de números de box office, a Ásia gerou 65% das receitas mundiais de bilheteira em janeiro 2021, quase o dobro do que verificava antes da pandemia, com o Japão e a Coreia do Sul a juntarem-se às contas.

Uma situação ainda distante da realidade na Europa, onde as salas voltaram a apagar as luzes enquanto o continente tenta lidar com aumentos exponenciais de infeções e sistemas de saúde saturados.

por
publicado 12:29 - 11 fevereiro '21

Recomendamos: Veja mais Artigos de Box Office