Ciclo Gabriel Abrantes no Cinemax
Gabriel Abrantes em "Freud und Friends" o seu mais recente filme.

Cinema PortuguêsCurta-metragem  

Ciclo Gabriel Abrantes no Cinemax

Seis obras do jovem autor português serão exibidas nas sessões de janeiro e fevereiro. Ciclo começa com "Liberdade", (sessão quarta-feira, 19 janeiro, após 00h00), e acontece em simultâneo com retrospetiva no Lincoln Center em Nova Iorque.

Em 2016 o cinema de Gabriel Abrantes continua a ser descoberto e estudado. O Lincoln Center organiza uma retropetiva, Friends With Benefits, dedicada ao cinema de quatro talentos emergentes, incluindo as curtas-metragens de Gabriel Abrantes. Em março os filmes do realizador estarão disponíveis na plataforma online Mubi. E o Cinemax Curtas, na RTP2, organiza um ciclo dedicado a Gabriel Abrantes, estreando seis curtas-metragens na televisão portuguesa.
 
"Visionary Iraq" (2008), "A History of Mutual Respect" (2010), "Fratelli" (2011), "Liberdade" (2011) , "Ennui Ennui" (2013) e "Taprobana" (2014) serão exibidos em sessões contínuas na RTP2, na segunda quinzena de janeiro e durante o mês de fevereiro.



Excerto de "Liberdade", a curta-metragem que inaugura o ciclo

Gabriel Abrantes é um cineasta que aborda diversos géneros, salta de categorias, transgride de várias formas, e rompe todas as fronteiras. Desde logo as fronteiras do país onde nasceu e cresceu - deixou os Estados Unidos porque lhe interessa viver e entender lugares periféricos (o Haiti, cenário da sua primeira longa-metragem que ficará concluída em 2016) ou a realidade de países emergentes (Angola, Brasil...).

Não renega o cinema norte-americano. As suas curtas-metragens assumem géneros clássicos - o melodrama, o filme de guerra, de aventura e romântico. Mas a narrativa é delirante, a estética excessivamente artificial, por vezes camp, e o resultado final resulta sempre em comédia surreal.

Autor global, aborda questões geopolíticas, o neo colonialismo, a sexualidade e as questões de género, o classicismo literário, as relações  familiares e afetuosas.

Gabriel Abrantes nasceu na Carolina do Norte e atualmente trabalha em Lisboa. É realizador e produtor, fundou a Mutual Respect. É um artista e cineasta português e norte-americano, aos 31 produziu um corpo significativo de trabalho no cinema. Concluiu 15 curtas-metragens, a mais recente chama-se "Freud und Friends", integra o filme coletivo "Aqui, em Lisboa - Episódios de uma cidade" (estreia em Portugal em fevereiro 2016) e estará na competição oficial de curtas-metragens do festival de cinema de Berlim que decorre entre 11/21 fevereiro 2016.

Gabriel Abrantes formou-se na École National des Beaux-Arts e no Le Fresnoy Studio des Arts Contemporains, em França, e em cinema e artes visuais na Cooper Union, em Nova Iorque. Expôs o seu trabalho em museus como o MIT: List Center for the Arts in Boston, Palácio de Tokyo e Museu de Arte Moderna, em Paris, Galeria 111 e Museu de Serralves, no Porto.

Oito anos de cinema, 15 curtas, diversos prémios
Em 2008, as suas primeiras curtas-metragens, "Olympia I/II" foram escolhida para o Festival IndieLisboa, onde em 2009 ele ganhou o prémio Novo Talento Fnac com "Visionary Iraq". Seguiu-se "Too Many Daddies, Mommies and Babies" (2009) com o qual recebeu o prémio EDP Novos Artistas.

"A History Of Mutual Respect" (2010), co-dirigido com Daniel Schmidt, é o filme mais reconhecido obtendo prémios relevantes em quatro festivais: Leopardo de Ouro para melhor curta-metragem em Locarno, melhor filme experimental em Melbourne,  melhor curta-metragem na competição nacional do IndieLisboa e prémio do júri no festival Luso Brasileiro da Feira.
 
Em 2011, "Fratelli", co-realizado com Alexandre Melo, foi premiado no Curtas Vila do Conde (menção honrosa) e "Liberdade", co-realizado com Benjamin Crotty, foi premiado em Locarno (prémio de video e filme) e no IndieLisboa (melhor realizador nacional). Nesse mesmo ano, "Palácios de Pena", o seu filme mais longo, foi apresentado no festival de Veneza e recebeu dois prémios de argumento e narrativa em festivais norte-americanos (Ann Arbour Film Festival e Chicago Underground).

Mais recentemente, "Ennui Ennui" (2013) foi distinguido com menções especiais do júri em festivais franceses (Festival de Brive e Festival de Clermont Ferrand) e "Taprobana" (2014) foi nomeado pelo festival de Berlim para o prémio de melhor filme europeu do ano na categoria de curta-metragem.

Gabriel Abrantes vive e trabalha em Lisboa, onde prepara a sua primeira longa-metragem, "Tristes Monroes".

Seis filmes de Gabriel Abrantes no Cinemax curtas: programa
20 janeiro: Liberdade
27 janeiro: Taprobana
3 fevereiro: Visionary Iraq
10 fevereiro: Fratelli
17 fevereiro: A History of Mutual Respect
24 fevereiro: Ennui Ennui




por
publicado 18:25 - 19 janeiro '16

Recomendamos: Veja mais Artigos de Cinema PortuguêsCurta-metragem