Estreias  

Cinema português em formato pequeno

Numa iniciativa da Midas Filmes, chegam ao mercado três curtas-metragens portuguesas, apresentadas em programa conjunto — os seus autores são Diogo Costa Amarante, Carlos Conceição e Marta Mateus.

Cinema português em formato pequeno
"Coelho Mau" — um dos títulos das '3 Novas curtas portuguesas'
Crítica de
Subscrição das suas críticas
135
Trailer/Cartaz/Sinopse:
 Cinema português em formato pequeno
3 Novas Curtas Portuguesas Cidade Pequena – Coelho Mau – Farpões Baldios São três das mais notáveis curtas-metragens portugueses mais recentes, e são três exemplos da vitalidade da criação cinematográfica em Portugal e do seu impacto a nível internacional. E são, naturalmente, sinal claro de renovação e continuidade no cinema português que interessa. Cidade Pequena de Diogo Costa Amarante, venceu (pela terceira vez ...

Eis um pequeno grande acontecimento no panorama da exibição do cinema português. E vale a pena sublinhar o adjectivo pequeno: trata-se, de facto, de dar a ver, em programa conjunto, três curtas-metragens que se têm distinguido nos últimos tempos, tanto em Portugal como no estrangeiro — '3 novas curtas portuguesas' inclui:

* CIDADE PEQUENA, de Diogo Costa Amarante — consagrado com o Leão de Ouro do Festival de Berlim, tem no seu centro uma criança atormentada pelo pensamento de que as pessoas, afinal, podem morrer: um retrato íntimo em que a cidade, lugar urbano, é sobretudo uma paisagem interior.

* COELHO MAU, de Carlos Conceição — a vida de dois jovens, assombrada por sombras familiares que são, afinal, fantasmas sexuais, vai derivando para os domínios da fantasia — em última instância, a vibração dos corpos atrai as componentes tradicionais da fábula.

* FARPÕES BALDIOS, de Marta Mateus — em cenários do Alentejo, a relação com a terra é revista através do cruzamento de memórias mais ou menos remotas com a realidade crua do dia a dia; o filme participou na última edição do Curtas de Vila do Conde, tendo arrebatado o Grande Prémio da competição internacional.

* * * * *

Há uma espécie de "ameaça" narrativa que limita os resultados práticos dos três filmes: "Cidade Pequena" prefere o formalismo das composições à definição das personagens; "Coelho Mau" nem sempre consegue sustentar a dimensão de artifício que a fábula convoca; enfim, "Farpões Baldios", em vez de procurar edificar o seu próprio espaço, está marcado, plano a plano, pela obsessão de imitar (?) modelos de composição que vão de Straub a Pedro Costa.

Dito isto, importa ressalvar o sentido de pesquisa que, em qualquer caso, atravessa os três filmes. Mais do que isso: com resultados cinematográficos "melhores" ou "piores", esta é uma aposta de distribuição/exibição — assumida pela Midas Filmes — que possui um valor exemplar na actual conjuntura cinematográfica. Que valor? O gosto, a importância e a prática de dar a ver.

Crítica de João Lopes actualizado às 00:12 - 14 setembro '17
publicado 23:52 - 13 setembro '17

Recomendamos: Veja mais Críticas de João Lopes